Maria Josefa da Saxónia (1867–1944)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para a rainha consorte da Espanha, esposa de Fernando VII, veja Maria Josefa da Saxónia.
Disambig grey.svg Nota: Para a Dauphine de France, esposa de Luís de Bourbon, veja Maria Josefa da Saxônia, Delfina da França.
Maria Josefa
Princesa da Saxónia
Maria Josefa of Austria.jpg
Maria Josefa
Arquiduquesa da Áustria
Reinado 2 de outubro de 188628 de maio de 1944
 
Cônjuge Oto Francisco da Áustria
Descendência Carlos I da Áustria
Maximiliano Eugénio da Áustria
Casa Wettin
Nome completo
em alemão: Maria Josepha Luise Philippine Elisabeth Pia Angelika Margarete
Nascimento 31 de maio de 1867
  Dresden, Alemanha
Morte 28 de maio de 1944 (76 anos)
  Erlangen, Alemanha
Enterro Cripta Imperial de Viena, Viena Áustria
Pai Jorge da Saxônia
Mãe Maria Ana de Portugal


Maria Josefa Luísa Filipina Isabel Pia Angélica Margarida da Saxónia (Dresden, 31 de maio de 1867 - Erlangen, 28 de maio de 1944) foi a mãe do último imperador da Áustria, Carlos I.

Família[editar | editar código-fonte]

Maria Josefa era a quinta filha do rei Jorge da Saxónia e da princesa Maria Ana de Portugal. Os seus avós paternos eram o rei João da Saxónia e a princesa Amélia Augusta da Baviera. Os seus avós maternos eram os reis Fernando II e Maria II de Portugal.[1]

Casamento[editar | editar código-fonte]

Maria Josefa com o marido e os filhos

No dia 2 de outubro de 1886, quando tinha dezanove anos de idade, Maria Josefa casou-se com o arquiduque Oto Francisco da Áustria, “der Schöne” (o bonito), irmão mais novo do arquiduque Francisco Fernando que seria mais tarde assassinado em Sarajevo.

Maria era uma mulher extremamente devota e apenas a força da sua fé religiosa a ajudou a suportar o casamento com o “lindo arquiduque” que a traía frequentemente. As suas ausências frequentes da família ajudaram-na a cumprir o seu objectivo de manter os seus filhos afastados da sua má influência. Contudo, Maria viu-se mais tarde envolvida numa relação com o actor Otto Tressler que lhe tinha sido apresentado pelo imperador Francisco José que tinha pena dela por causa do adultério do marido. Maria convidava Tressler frequentemente a sua casa e ele chegava mesmo a cruzar-se com o marido dela e os seus amigos na porta de entrada. Quando o seu marido morreu, a sua capacidade de evitar mostrar a sua dor em público foi muito admirada. Quando viúva, acabou a sua relação com Tressler, provavelmente por considerar que tal comportamento não era digno de uma viúva.

Últimos anos[editar | editar código-fonte]

Durante a Primeira Guerra Mundial, cuidou dos feridos no Palácio de Augarten em Viena, que tinha sido transformado num hospital.

Em 1919, deixou a Áustria na companhia do filho, da nora e dos netos e foi para o exílio com eles. Primeiro viveu na Suíça e depois, a partir de 1921, na Alemanha.

Morreu no Schloss Wildenwart, na Baviera, uma propriedade que pertencia a alguns membros da família real da Baviera. Está sepultada na Cripta Imperial de Viena ao lado do marido.

Descendência[editar | editar código-fonte]

Títulos e estilos[editar | editar código-fonte]

  • 31 de maio de 1867 – 2 de outubro de 1886: Sua Alteza Real princesa Maria Josefa da Saxónia, Duquesa na Saxónia
  • 2 de outubro de 1886 – 28 de maio de 1944: Sua Alteza Real e Imperial arquiduquesa e princesa Maria Josefa da Saxónia, Princesa da Hungria, Boêmia e Toscana, Princesa e Duquesa da Saxónia

Referências

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Maria Josefa da Saxónia (1867–1944)