Mark Boyle

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Mark Boyle
Boyle em 2009
Nascimento 08 de maio de 1979 (43 anos)
Ballyshannon, County Donegal, Ireland
Educação BA em Gestão
Alma mater Instituto de Tecnologia de Galway-Mayo (GMIT)
Ocupação Escritor

Mark Boyle (nascido em 8 de maio de 1979), também conhecido como The Moneyless Man [O Homem Sem Dinheiro, em português], é um escritor irlandês mais conhecido por viver sem dinheiro desde novembro de 2008,[1] e por viver sem tecnologia moderna desde 2016.[2] Boyle escreve regularmente para o jornal britânico The Guardian e escreveu sobre as suas experiências em alguns livros. O seu primeiro livro, The Moneyless Man: A Year of Freeconomic Living, foi publicado em 2010.[3] O seu quarto livro, The Way Home: Tales from a life without technology, foi publicado em 2019.[4] Boyle reside perto de Loughrea, no oeste da Irlanda.[5]

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Mark Boyle cresceu em Ballyshannon, Condado de Donegal. Formou-se em Gestão no Instituto de Tecnologia de Galway-Mayo, antes de se mudar para a Grã-Bretanha em 2002.[6][7]

Durante o último ano do seu curso, Boyle assistiu ao filme Gandhi, sobre a vida de Mohandas K. Gandhi . Ele frequentemente citou isso como o momento que mudou a sua vida.[7][8]

Início de carreira[editar | editar código-fonte]

Durante os seus primeiros seis anos na Grã-Bretanha, Boyle morou em Bristol e administrou duas empresas de alimentos orgânicos. Em 2007, após uma conversa com um amigo durante o qual eles decidiram que "o dinheiro... cria uma espécie de desconexão entre nós e as nossas ações", Boyle criou a Comunidade Freeconomy.[9]

Estilo de vida sem dinheiro[editar | editar código-fonte]

Poucos meses depois de criar a Comunidade Freeconomy, Boyle partiu numa jornada de dois anos e meio de Bristol a Porbandar na Índia, o berço de Gandhi. Inspirado pela não-violenta marcha do sal na Índia liderada por Gandhi em 1930, e pela mulher na América conhecida como Peregrina da Paz, ele partiu em janeiro de 2008, sem dinheiro e apenas com um pequeno número de bens.[10][11] No entanto, ele foi forçado a voltar apenas um mês na viagem, pois as barreiras linguísticas e as dificuldades para convencer as pessoas de que ele trabalharia por comida e um lugar para ficar interromperam a sua jornada logo após sua chegada a Calais.[12] Um dos seus companheiros de viagem tinha cheques de viagem para emergências, o que lhes permitiu viajar de volta para o Reino Unido.[12] Ele não havia planeado a viagem, acreditando que era melhor deixar o destino seguir o seu curso.[12]

Mais tarde, no mesmo ano, Boyle desenvolveu um plano alternativo: viver inteiramente sem dinheiro. Depois de algumas compras preparatórias (incluindo um painel solar e um fogão a lenha), ele começou o seu primeiro ano de "viver sem dinheiro" no Dia Mundial sem Compras Nothing de 2008.[13][14]

Boyle recebeu considerável publicidade positiva e negativa pelo seu estilo de vida sem dinheiro, aparecendo na televisão, rádio e outros meios de comunicação no Reino Unido, República da Irlanda, Austrália, África do Sul, Estados Unidos e Rússia. Grande parte da atenção concentrou-se na sua rotina diária, incluindo alimentação, higiene e aspetos tradicionalmente caros da vida, como o Natal.[15][16][17][18][19]

Mark Boyle é um dos poucos indivíduos que viveram sem dinheiro em tempos recente. Estes incluem Heidemarie Schwermer, Tomi Astikainen e Daniel Suelo.[20][21][22][23] No entanto, Boyle frequentemente lembra os seus leitores que uma vida sem dinheiro não é uma ideia nova; na verdade, é o próprio sistema monetário que é o novo desenvolvimento, tendo existido apenas por uma pequena fração dos anos de existência da humanidade c. 200.000 anos. Outros observadores comentam que durante quase toda a história humana registada (cerca de 5.000 anos desde a invenção da escrita) houve um sistema de dinheiro ou moeda em vigor.[7][24]

Comunidade Freeconomy[editar | editar código-fonte]

A Comunidade Freeconomy foi criada para permitir que as pessoas compartilhem, afastando-se das economias de troca para uma filosofia de pay it forward. O site original www.justfortheloveofit.org partilhava semelhanças com sites como The Freecycle Network, Freegle e Streetbank, e em 2014 Streetbank e Freeconomy decidiram que "os dois projetos seriam muito mais fortes se eles se juntassem" e se fundissem.[25]

Freeskilling[editar | editar código-fonte]

Juntamente com o componente online da Comunidade Freeconomy, várias áreas, incluindo Bristol e Londres, realizam sessões de Freeskilling, onde os freeeconomistas se revezam para transmitir as suas habilidades em aulas gratuitas à noite. Os tópicos anteriores incluíram assuntos que vão desde angariação de fundos para caridade e gestão de raiva até manutenção de bicicletas, panificação e habilidades de campanha.

Blogue Freeconomy[editar | editar código-fonte]

Boyle é o principal autor do Freeconomy Blog desde que foi lançado em 2007. Os escritores convidados incluíram recentemente colegas sem dinheiro Heidemarie Schwermer, Daniel Suelo e Tomi Astikainen.[26]

A Aldeia Freeconomy[editar | editar código-fonte]

Boyle está atualmente a trabalhar com outros para estabelecer a primeira comunidade Freeconomic baseada em terra do Reino Unido. Outros membros fundadores incluem Shaun Chamberlin, autor de The Transition Timeline (2009), e Fergus Drennan, também conhecido como 'Roadkill Chef' da BBC.[19][27][28]

Trabalhos[editar | editar código-fonte]

  • The Moneyless Man – o primeiro livro de Boyle, The Moneyless Man: A Year of Freeconomic Living, foi publicado em junho de 2010 pela Oneworld Publications.[3] O livro documenta o seu primeiro ano sem dinheiro, incluindo muitos dos desafios práticos e filosóficos que ele enfrentou. Os rendimentos do autor vão para o fundo Freeconomy, para a compra de terras para a fundação da Comunidade Freeconomy.
  • The Moneyless Manifesto: Live well, live rich, live free – um guia de acompanhamento para começar a sua própria jornada sem dinheiro, que ele também oferece gratuitamente no seu website (http://www.moneylessmanifesto.org/why-free/).
  • Drinking Molotov Cocktails with Gandhi – publicado em outubro de 2015. Neste livro, Boyle argumenta que os nossos sistemas políticos e económicos levaram-nos à beira da catástrofe climática e protestos pacíficos já não são suficientes para provocar mudanças.
  • The Way Home: Tales from a life without technology – publicado em junho de 2019.[29]
  • Ben Fogle: New Lives in the Wild Série 13, 2021

Citações[editar | editar código-fonte]

  • "Se cultivássemos a nossa própria comida, não desperdiçaríamos um terço dela como fazemos hoje. Se fizéssemos as nossas próprias mesas e cadeiras, não as deitaríamos fora no momento em que mudássemos a decoração interior. Se tivéssemos que limpar a nossa própria água potável, provavelmente não a contaminaríamos."[8]
  • "Os graus de separação entre o consumidor e o consumido aumentaram tanto que estamos completamente inconscientes dos níveis de destruição e sofrimento incorporados nas coisas que compramos."[8]
  • "Se não possuis um ecrã de plasma, as pessoas pensam que és um extremista."[8]
  • "Era muito importante para mim desistir de contas bancárias, então fechei as minhas contas bancárias para que não houvesse rede de segurança. Acho que essa é a chave. Eu acho que se eu tivesse uma rede de segurança eu não teria os benefícios que obtive dela. Foi o facto de que eu sabia que estava a viver momento a momento, dia a dia."[30]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Mark Boyle, "My year of living without money" The Guardian, 9 novembro 2009
  2. Mark Boyle, "After two years off-grid, I'm embracing daily letters, good sleep and my DIY hot tub" The Guardian, 30 março 2019
  3. a b Mark Boyle (16 de setembro de 2010). The Moneyless Man: A Year of Freeconomic Living. [S.l.]: Oneworld Publications. ISBN 978-1-85168-781-7 
  4. Mark Boyle (4 de abril de 2019). The Way Home: Tales from a life without technology. [S.l.]: Oneworld Publications. ISBN 978-1-78607-600-7 
  5. Bryony Stone, "What do we own? Living off the land in Galway with the Moneyless Man" Unlimited, 16 agosto 2016, vista em 17 maio 2017
  6. Conor Pope, "Putting cash in the trash", Irish Times, 9 agosto 2010
  7. a b c Mark Boyle, "Mark Boyle – The Moneyless Man", The People's United Community, vista 14 fevereiro 2011
  8. a b c d Mark Boyle, "I live without money – and I manage just fine", The Guardian, 28 Outubro 2009
  9. Matt Ford, Free and easy? One man's experiment in living without money", CNN, 18 maio 2010, vista 29 setembro 2011
  10. Kimberley Mok, ""Freeconomy" Pilgrim Begins Walk From Britain to India", Treehugger, 1 fevereiro 2008
  11. BBC, "Penniless India trek is under way", BBC News, 30 janeiro 2008
  12. a b c Steven Morris, "Passage to India curtailed in Calais as language barrier trips campaigner", The Guardian, 1 março 2008
  13. The Mirror, "Meet the man who lived on no cash for a year", The Mirror, 25 novembro 2009
  14. Simon Newton, "Man To Go Cashless For A Year" Arquivado 29 abril 2011 no Wayback Machine, Sky News, 29 novembro 2008
  15. Matt Ford, "Free and easy? One man's experiment in living without money" Arquivado 14 fevereiro 2011 no Wayback Machine, CNN World, 18 maio 2010
  16. Jessica Salter, "The man who lives without money", The Daily Telegraph, 18 agosto 2010
  17. Mark Boyle, "Mark Boyle's 'Moneyless Man': Why I Live Without Money (VIDEO)", The Huffington Post, 23 setembro 2010
  18. Mark Boyle, "The man who lives without money", ABC Environment, 12 abril 2010
  19. a b Tiara Walters, "Priceless liberation", Times Live (South Africa), 31 outubro 2010
  20. Heidemarie Schwermer Living without Money
  21. Stefanie Marsh, "Living without money", The Times, 24 novembro 2009
  22. https://www.tomiastikainen.com/contact/bio
  23. Christopher Ketcham, "Meet the man who lives on zero dollars", Details, julho 2009
  24. David Fleming, "Money, The Fallacy of" LeanLogic.online, retrieved 15 junho 2020
  25. "Streetbank and Freeconomy unite to become the one-stop shop for neighbourhood sharing" Streetbank.com, vista 15 junho 2020
  26. «Cópia arquivada». Consultado em 15 de fevereiro de 2011. Arquivado do original em 11 de fevereiro de 2011 
  27. Shaun Chamberlin, "Dark Optimism – Projects Page", Dark Optimism (blog), vista 14 fevereiro 2011
  28. Mark Boyle, "Celebrity Short With Mark Boyle", World News, vista 14 fevereiro 2011
  29. «The Way Home: Tales from a Life Without Technology review». The Irish Times (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2019 
  30. «'Moneyless Mark' the Donegal man who plans to live in money-free community». Donegal Democrat. 20 de maio de 2013. Consultado em 20 de maio de 2013 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]