Mary Harron

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Mary Harron é uma escritora e diretora canadense. Filha do ator Don Harron e irmã do ator Bobby Harron.

Sua primeira incursão cinematográfica foi no mundo do cinema independente americano com seu filme biográfico "Um atiro para Andy Warhol" em 1996. O filme muito aclamado pela crítica, descreve a vida da feminista radical Valerie Solanas, autora do manifesto de S.C.U.M. e protagonista da tentativa de homicídio contra o artista pop Andy Warhol. O filme foi exibido com grande êxito no festival de Sundance no ano de 1996.

Mary Harron se educou na Universidade de Oxford e começou sua carreira como jornalista, sendo uma das fundadores do "Punk magazine", a primeira publicação dedicada somente ao punk rock. Harron começou sua carreira de diretora como realizadora de documentários para a BBC TV e Channel Four. Também realizou seis curta-metragens sobre cultura Pop, incluindo um titulado "How to Make an Oliver Stone Movie".

Seu projeto seguinte foi a adaptação para o cinema da polêmica novela de Bret Easton Ellis "Psicopata Americano", o projeto que já desde o princípio foi taxado de polêmico, levantou uma grande controvérsia devido ao conteúdo supostamente violento e em excesso da novela, que fez que o ator Leonardo Di Caprio, que inicialmente teria pensado interpretar o papel principal do assassino em série Patrick Bateman, recusou o papel por medo de ver danificada sua já muito deteriorada imagem pública.Isto forçou Harron a optar pelo ator britânico Christian Bale, que realizou um dos melhores papéis de sua carreira. Porém , os problemas do filme não teriam terminado, pouco antes de seu lançamento o filme foi qualificado como un NC-17 pelos censuradores americanos que se opuseram a uma cena de sexo que implicava em Bateman e duas prostitutas.

Las escenas de violencia gore que contenia el film pasaron la censura sin problemas y fueron solo las escenas de sexo explicito las que tuvieron problemas, lo que provoco la hilaridad del publico europeo, incapaz de comprender un sistema censor con unos criterios tan alejados de las calificaciones europeas. Harron fue forzada a cortar la escena para asegurar un grado R, algo que era comprensiblemente una fuente de descontento para el director, asi como otro ejemplo del doble estándar empleado por los censores en su tratamiento del sexo y de la violencia cinemátograficos.

Finalmente la pelicula fue estrenada en los cines obteniendo un notable exito de crítica y público. La crítica norteamericana acuso a Harron de moderar en exceso las escenas sexuales y gore contenidas en la novela pero pese a todo, se considero que Harron había respetado el espiritu de la novela. El autor del libro, Bret Easton Ellis ha manifestado publicamente su "alivio" por la adaptación, ya que segun el autor, sin ser un gran filme, es una buena y digna adaptacion de su obra que posee como principal aliciente, un gran trabajo de Chritian Bale como peronaje principal, un interprete que para el novelista es ya un gran actor.

Mary Harron ha realizado otros trabajos desde American Psycho, pero hasta la fecha no han tenido la repercusion de sus dos primeros trabajos.

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Diretora

  • 2008 - Holding Fast
  • 2006 - Big Love: Roberta's Funeral
  • 2005 - Six Feet Under: The Rainbow of Her Reasons
  • 2005 - The Notorious Bettie Page
  • 2004 - The L Word: Liberally
  • 2000 - American Psycho
  • 1998 - Homicide: Life on the Street - Sins of the Father
  • 1996 - Yo dispare a Andy Warhol (I Shot Andy Warhol)

Produtora executiva

  • 2005 - The Notorious Bettie Page
  • 2003 - The Weather Underground

Produtora

  • 2008 - Holding Fast

Roteirista

  • 2005 - The Notorious Bettie Page
  • 2000 - American Psycho
  • 1996 - Yo dispare a Andy Warhol (I Shot Andy Warhol)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um cineasta é um esboço relacionado ao Projeto Entretenimento. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.