Mathilda (novela)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Não deve ser confundido com Matilda.
Mathilda
Autor(es) Mary Shelley
Idioma Inglês
País  Reino Unido
Gênero Novela
Editora University of North Carolina Press
Editor Elizabeth Nitchie
Formato Impressão
Lançamento 1959
Páginas 104 páginas
Edição brasileira
Tradução Bruno Gambarotto
Editora Grua
Lançamento 2015
Páginas 153
ISBN 9788561578473

Mathilda, ou Matilda,[1] é a segunda longa obra de ficção de Mary Shelley, escrita entre agosto de 1819 e fevereiro de 1820 e primeiro publicada postumamente em 1959. Lida com temas românticos comuns de incesto e suicídio.[2] A narrativa lida com o amor incestuoso de um pai por sua filha.

Contexto[editar | editar código-fonte]

O ato de escrever esta novela distraiu Mary Shelley de sua tristeza após as mortes de sua filha de um ano de idade, Clara, em Veneza em setembro de 1818 e seu filho de três anos de idade, William, em junho de 1819 em Roma.[3] Estas perdas mergulharam Mary Shelley em uma depressão que distanciou ela emocionalmente e sexualmente de Percy Bysshe Shelley, e deixou ela, como ele colocou, "na lareira do pálido desespero".[4]

Enredo[editar | editar código-fonte]

Narrando de seu leito de morte, Mathilda, uma jovem mulher apenas em seus vinte anos, escreve sua história como um caminho de explicar suas ações para seu amigo, Woodville. Sua narração segue sua solitária educação e clímax em um ponto quando seu pai não nomeado confessa seu amor incestuoso por ela. Isso é então seguido por seu suicídio por afogamento e sua final morte; seu relacionamento com o talentoso jovem poeta, Woodville, falha para reverter a retirada emocional de Mathilda ou prevenir sua solitária morte.

A novela começa com os leitores tornando-se conscientes que essa história está sendo narrada na primeira pessoa, por Mathilda, e que esta narração é significada para uma específica audiência em resposta para uma questão perguntada antes do início da novela: "Você tem muitas vezes me perguntado a causa da minha vida solitária; minhas lágrimas; e acima de tudo de meu impenetrável e cruel silêncio."[5] Leitores rapidamente sabem que Mathilda está em seu leito de morte e essa é a única razão que ela está expondo o que parece para ser um segredo sombrio.

A primeira narrativa de Mathilda explora o relacionamento entre sua mãe e pai, e como eles conheceram um ao outro crescendo. A mãe de Mathilda, Diana, e seu pai eram amigos de infância; o pai de Mathilda encontrou consolo em Diana após a morte de sua própria mãe e os dois se casaram não muito tempo depois. Mathilda, como narradora, nota que Diana mudou o pai de Mathilda fazendo ele mais terno e menos inconstante. Entretanto, Mathilda nasceu um pouco mais que um ano após o casamento deles e Diana morreu uns poucos dias após o nascimento dela, causando ao seu pai afundar em uma profunda depressão. Sua irmã, a tia de Mathilda, veio para a Inglaterra para ficar com eles e ajudar a cuidar de Mathilda, mas o pai de Mathilda, incapaz de até mesmo olhar para sua filha, saiu em cerca de um mês após a morte de sua esposa e Mathilda foi criada por sua tia.

Mathilda conta para Woodville que sua educação, enquanto fria sob a parte de sua tia, nunca foi negligente; ela aprendeu a ocupar seu tempo com livros e passeios ao redor da propriedade de sua tia em Loch Lomond, Escócia. No décimo sexto aniversário de Mathilda sua tia recebeu uma carta do pai de Mathilda expressando seu desejo para ver sua filha. Mathilda descreve seus primeiros três meses na companhia um do outro como sendo feliz, mas isso termina primeiro quando a tia de Mathilda morre e então, após os dois retornarem para Londres, com a expressão do pai de Mathilda de seu amor por ela.

Dirigindo-se para o momento da revelação, Mathilda foi cortejada por pretendentes quais, ela percebeu, desenharam humores sombrios de seu pai. Esta escuridão seguiu causando que Mathilda armasse um caminho de trazer de volta o pai que ela uma vez conheceu. Ela pediu para ele acompanhar ela em uma caminhada através do bosque que cercava eles e, em sua caminhada, ela expressou suas preocupações e seus desejos de restaurar seu relacionamento. Seu pai acusou ela de ser "presunçosa e muito eruptiva."[6] Entretanto, isso não parou ela e ele eventualmente confessou seu desejo incestuoso em relação a ela. O pai de Mathilda esvaiu e ela recuou de volta para sua casa. Seu pai deixou para ela uma nota na manhã seguinte explicando que ele iria deixar ela e ela entendeu que sua atual intenção era para cometer suicídio. Mathilda seguiu ele, mas era muito tarde para parar ele de afogar a si mesmo.

Por algum tempo após a morte dele, Mathilda retornou para a sociedade como ela ficou doente em suas tentativas para parar seu pai. Ela percebeu, embora, que ela não poderia permanecer nessa sociedade e ela falsificou sua própria morte para assegurar que ninguém iria vir procurando por ela. Mathilda restabeleceu ela mesma em uma solitária casa na charneca. Ela tem uma empregada que veio para cuidar da casa a cada poucos dias, mas não outro que aquele que ela não teve interação humana até Woodville também estabelecer residência na charneca cerca de dois anos após ela escolher residir lá.

Woodville estava de luto pela perda de sua noiva, Elinor, e uma poetisa. Ele e Mathilda atingem uma amizade; Woodville muitas vezes pergunta a Mathilda por que ela nunca sorria mas ela não iria em muitos detalhes a respeito disso. Um dia, Mathilda sugeriu para Woodville que eles terminassem seus mútuos sofrimentos juntos e cometessem suicídio. Woodville falou com Mathilda fora dessa decisão, mas logo após teve que deixar a charneca para cuidar de sua mãe enferma. Mathilda contempla seu futuro após sua partida, e enquanto caminhando através da charneca, fica perdida e termina dormindo do lado de fora por uma noite. Chove enquanto ela dorme do lado de fora e, após ela fazer seu caminho de volta para sua casa, ela se torna extremamente doente.

É nesse estado que Mathilda decide escrever fora sua história para Woodville como um caminho para explicar para ele seu sombrio semblante então para que ele tivesse uma explicação mesmo embora ela reconheça que ela não tem muito mais para viver.

Criticismo[editar | editar código-fonte]

Comentadores têm muitas vezes lido o texto como autobiográfico, os três personagens centrais em pé para William Godwin, Mary Shelley e Percy Shelley.[7] Não há nenhuma evidência firme, entretanto, que a linha da história em si é autobiográfica.[8] Análise do primeiro esboço de Mathilda intitulado, "The Fields of Fancy", revela que Mary Shelley tomou como seu ponto de partida o inacabado "The Cave of Fancy" de Mary Wollstonecraft, em qual uma mãe de uma pequena garota morre em um naufrágio.[9] Como Mary Shelley mesma, Mathilda idealiza sua perdida mãe.[10] De acordo com a editora Janet Todd, a ausência da mãe das últimas páginas da novela sugere que a morte de Matilda tornou ela uma com sua mãe, permitindo uma união com o pai morto.[11] Crítica Pamela Clemit resiste a uma leitura puramente autobiográfica e argumenta que Mathilda é uma novela artisticamente trabalhada, implantando narrações não confiáveis e confessionais no estilo de seu pai, bem como o dispositivo da busca usado por Godwin em seu Caleb Williams e por Mary Shelley em Frankenstein.[12] A editora da novela de 1959, Elizabeth Nitchie, notou as falhas da novela de "verbosidade, enredo solto, alguma coisa estereotipada e extravagante caracterização", mas elogiou um "sentimento pela personagem e situação e fraseando que é muitas vezes vigorosa e precisa".[13]

A história pode ser vista como uma metáfora para o que acontece quando uma mulher, ignorante de todas as consequências, segue seu próprio coração, enquanto dependente de seu benfeitor masculino.[14]

Mathilda também tem sido visto como um exemplo de redefinir as narrativas góticas femininas. Uma importante característica desse redefinido gênero muitas vezes inclui narradoras femininas tendo mais controle sob a história do que era comum na época. De acordo com Kathleen A. Miller, "Embora a novela de Shelley aparece para relatar uma convencional narrativa gótica feminina de uma jovem mulher vitimizada pelo desejo incestuoso do pai, isso deixa aberta a possibilidade que, em fato, é Mathilda, em vez de seu pai, que exerce controle sob o script gótico do romance."[15] Isso potencialmente permite para Mathilda ser vista como um positivo papel modelo na literatura do século dezenove como ela surpassa a autoridade paternal e recusa para conformar para práticas comumente aceitadas em relação a personagens femininas na literatura da época. Esta redefinição ocorre em vários caminhos: a recusa de Mathilda para nomear seu pai, sua voz sendo a fonte primária de informação providenciada para os leitores, e uma falta da novela terminar em casamento qual era o típico motif para a literatura gótica feminina.

Publicação[editar | editar código-fonte]

Mary Shelley enviou o terminado Mathilda para seu pai na Inglaterra, para submeter a publicação. Entretanto, embora Godwin admirasse aspectos da novela, ele encontrou o tema do incesto "repugnante e detestável" e falhou para retornar o manuscrito, apesar de repetidos pedidos de sua filha.[16] Na luz da morte tardia de Percy Bysshe Shelley por afogamento, Mary Shelley veio para considerar a novela como sinistra; ela escreveu de si mesma e Jane Williams "dirigindo (como Mathilda) em direção ao mar para saber se nós estávamos para ser por sempre condenadas a miséria".[17] A novela foi publicada pela primeira vez em 1959, editada por Elizabeth Nitchie de papéis dispersos.[18] Isso tem se tornado possivelmente a obra melhor conhecida de Mary Shelley após Frankenstein.[19]

Notas de rodapé

  1. Clemit, "Legacies of Godwin and Wollstonecraft", 37. Mary Shelley spelled the novella's title "Matilda" and the heroine's name "Mathilda". The book has been published under each title.
  2. Todd, Introduction to Matilda, xxii; Bennett, An Introduction, 47. During this period, Percy Shelley dramatised an incestuous tale of his own, The Cenci.
  3. "When I wrote Matilda, miserable as I was, the inspiration was sufficient to quell my wretchedness temporarily." Journal entry, 27 October 1822, quoted in Bennett, An Introduction, 53; see also, The Journals of Mary Shelley, 442.
  4. "Thou art fled, gone down the dreary road," he wrote, "that leads to Sorrow's most obscure abode". From "To Mary Shelley", published in Mary Shelley's edition of Percy Shelley's poetical works, 1839. Quoted in Todd, Introduction to Matilda, xvi; see also Mellor, Mary Shelley, 142.
  5. Bennett, Betty T. (1990). The Mary Shelley Reader. [S.l.]: Oxford University Press. 176 páginas 
  6. Bennett, Betty T (1990). The Mary Shelley Reader. [S.l.]: Oxford University Press. 199 páginas 
  7. The novella's 1959 editor, Elizabeth Nitchie, for example, states: "The three main characters are clearly Mary herself, Godwin, and Shelley, and their relations can easily be reassorted to correspond with reality". Introduction to Mathilda; see also, Mellor, Mary Shelley, 143.
  8. Nitchie, Introduction to Mathilda.
  9. Todd, Introduction to Matilda, xviii.
  10. Todd, Introduction to Mathilda, xix.
  11. Todd, Introduction to Mathilda, xx–xxi.
  12. Clemit, "From The Fields of Fancy to Matilda ", 64–75.
  13. Nitchie, Introduction to Mathilda.
  14. Garrets, Margaret Davenport (1996). «Writing and Re-writing Incest in Mary Shelley's Mathilda». Keats-Shelley Journal. 45 
  15. Miller, Kathleen A (2008). «"The Remembrance Haunts Me Like a Crime": Narrative Control, the Dramatic, and the Female Gothic in Mary Wollstonecraft Shelley's Mathilda». Tulsa Studies in Women's Literature: 291-308 – via Project Muse 
  16. Todd, Introduction to Mathilda, xvii.
  17. Letter to Maria Gisborne, 15 August 1822. Todd, Introduction to Mathilda, xvii.
  18. Nitchie, Introduction to Mathilda.
  19. Clemit, "From The Fields of Fancy to Matilda ", 64.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Allen, Graham. "Beyond Biographism: Mary Shelley's Matilda, Intertextuality, and the Wandering Subject". Romanticism 3.2 (1997): 170–84.
  • Bennett, Betty T., ed. Mary Shelley in her Times. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 2003. ISBN 0-8018-7733-4.
  • Bennett, Betty T. "Mary Shelley's letters: the public/private self." The Cambridge Companion to Mary Shelley. Ed. Esther Schor. Cambridge: Cambridge University Press, 2003. ISBN 0-521-00770-4.
  • Bennett, Betty T. Mary Wollstonecraft Shelley: An Introduction. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 1998. ISBN 0-8018-5976-X.
  • Bunnell, Charlene. "Mathilda: Mary Shelley's Romantic Tragedy". Keats-Shelley Journal 46 (1997): 75–96.
  • Chatterjee, Ranita. "Filian Ties: Goldwin's Deloraine and Mary Shelley's Writings". European Romantic Review 18.1 (2007): 29–41.
  • Chatterjee, Ranita. "Mathilda: Mary Shelley, William Godwin, and the Ideologies of Incest". Iconoclastic Departures: Mary Shelley after "Frankenstein": Essays in Honor of the Bicentenary of Mary Shelley's Birth. Eds. Syndy M. Conger, Frederick S. Frank, and Gregory O'Dea. Madison, NJ: Fairleigh Dickinson University Press, 1997.
  • Clemit, Pamela. "Frankenstein, Matilda, and the legacies of Godwin and Wollstonecraft." The Cambridge Companion to Mary Shelley. Ed. Esther Schor. Cambridge: Cambridge University Press, 2003. ISBN 0-521-00770-4.
  • Clemit, Pamela. "From The Fields of Fancy to Matilda." Mary Shelley in her Times. Ed. Betty T. Bennett. Baltimore: Johns Hopkins University press, 2003. ISBN 0-8018-7733-4.
  • Davis, William. "Mathilda and the Ruin of Masculinity". European Romantic Review 13.2 (2002): 175–81
  • Edelman-Young, Diana. "'Kingdom of Shadows': Intimations of Desire in Mary Shelley's Mathilda". Keats-Shelley Journal 51 (2002): 116–44.
  • Ford, Susan Allen. "'A Name More Dear': Daughters, Fathers, and Desire in A Simple Story, The False Friend, and Mathilda". Re-Visioning Romanticism: British Women Writers, 1776–1837. Eds. Carol Shiner Wilson and Joel Haefner. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 1994.
  • François, Anne-Lise and Daniel Mozes. "'Don't Say 'I Love You': Agency, Gender and Romanticism in Mary Shelley's Matilda". Mary Shelley's Fictions: From Frankenstein to Falkner. Ed. Michael Eberle-Sinatra and Nora Crook. New York: Macmillan; St. Martin's, 2000.
  • Garrett, Margaret Davenport. "Writing and Re-Writing Incest in Mary Shelley's Mathilda". Keats-Shelley Journal 45 (1996): 44–60.
  • Gillingham, Lauren. "Romancing Experience: The Seduction of Mary Shelley's Matilda". Studies in Romanticism 42.2 (2003): 251–69.
  • Harpold, Terence. "'Did You Get Mathilda from Papa?': Seduction Fantasy and the Circulation of Mary Shelley's Mathilda". Studies in Romanticism 29(1989): 49–67.
  • Himes, Audra Dibert. "'Knew Shame, and Knew Desire': Ambivalence as Structure in Mary Shelley's Mathilda". Iconoclastic Departures: Mary Shelley after "Frankenstein": Essays in Honor of the Bicentenary of Mary Shelley's Birth. Eds. Syndy M. Conger, Frederick S. Frank, and Gregory O'Dea. Madison, NJ: Fairleigh Dickinson University Press, 1997.
  • Knoepflmacher, U. C. "Thoughts on the Aggression of Daughters". The Endurance of "Frankenstein": Essays on Mary Shelley's Novel. Eds. U. C. Knoepflmacher and George Levine. Berkeley: University of California Press, 1979.
  • Mellor, Anne K. Mary Shelley: Her Life, her Fiction, Her Monsters. London: Routledge, 1990. ISBN 0-415-90147-2.
  • Rajan, Tilottama. "Mary Shelley's Mathilda: Melancholy and the Political Economy of Romanticism". Studies in the Novel 26.2 (1994): 43–68.
  • Ready, Robert. "Dominion of Demeter: Mary Shelley's Mathilda". Keats-Shelley Journal 52 (2003): 94–110.
  • Shelley, Mary. The Journals of Mary Shelley, 1814–44. Ed. Paula R. Feldman and Diana Scott-Kilvert. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 1995. ISBN 0-8018-5088-6.
  • Shelley, Mary. The Letters of Mary Wollstonecraft Shelley. Ed. Betty T. Bennett. 3 vols. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 1980–83.
  • Shelley, Mary. Mathilda. Ed. Elizabeth Nitchie. Chapel Hill: University of North Carolina Press, 1959. OCLC 249434. Gutenberg copy, retrieved 16 February 2008.
  • Shelley, Mary. Matilda; with Mary and Maria, by Mary Wollstonecraft. Ed. Janet Todd. London: Penguin, 1992. ISBN 0-14-043371-6.
  • Shelley, Mary. Selected Letters of Mary Wollstonecraft Shelley. Ed. Betty T. Bennett. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 1995. ISBN 0-8018-4886-5.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]