Mounseer Nongtongpaw

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Página de título da edição de 1808 de Mounseer Nongtongpaw

Mounseer Nongtongpaw é um poema publicado em 1808 e supostamente escrito pela autora romântica Mary Shelley quando criança. Acredita-se agora que o autor seja o dramaturgo John Taylor. O poema é uma expansão da música homônima de Charles Dibdin, que foi publicada na Juvenile Library de William Godwin. Uma série de versos cômicos sobre estereótipos franceses e ingleses, Mounseer Nongtongpaw critica John Bull por sua incapacidade de compreender a língua francesa. Foi ilustrado pelo amigo de Godwin, William Mulready.

Detalhes da publicação[editar | editar código-fonte]

Frontispício da edição de 1808 do Mounseer Nongtongpaw

Mounseer Nongtongpaw foi originalmente publicado em 1808 pela editora de William Godwin, a M. J. Godwin, como parte de sua série Juvenile Library.[1] Edições em inglês foram lançadas em 1811, 1812, 1823 e 1830; e edições da Filadélfia tiveram sua publicação estimada em 1814 e por volta de 1824.[2] A edição original foi ilustrada por um discípulo de Godwin, William Mulready.[3] A biógrafa de Shelley, Emily Sunstein, especula que alguns dos versos podem ter sido escritos para coincidir com as ilustrações que já haviam sido concebidas.[4] As gravuras em placa de cobre foram reproduzidas em Nursery Companion de Peter e Iona Opie.

Estrutura e enredo[editar | editar código-fonte]

Mounseer Nongtongpaw é baseado em uma canção popular homônima de 1796, pertencente a Charles Dibdin.[5] A canção original do Dibdin zomba dos esteriótipos em inglês e francês em cinco das oito linhas de estrofes, particularmente a recusa de "John Bull"s" em aprender francês. John Bull faz várias perguntas a que ele recebe sempre a mesma resposta: "Monsieur, je vous n entends pas" ("Monsieur, eu não entendo você"), que ele interpreta erradamente como "Mounseer Nongtongpaw". Ele começa a acreditar que o Palais Royal, de Versalhes, e uma bela mulher (os pontos turísticos que ele vê enquanto estava em turnê na França) são o misterioso personagem, Nongtongpaw. Quando ele vai para um funeral e recebe a mesma resposta, ele conclui que toda a riqueza dos Nongtongpaw não pôde salvá-lo da morte.[1] Mounseer Nongtongpaw expande os versos cômicos de Dibdin, com a adição de mais eventos para a narrativa em quatro estrofes de linhas mais curtas, tais como inquéritos sobre uma festa na taberna, um rebanho, um treinador e um balão de ar quente:[6]

Atribuição[editar | editar código-fonte]

Mounseer Nongtongpaw foi atribuído a Mary Godwin (mais tarde, Mary Shelley) com dez anos, em A Nursery Companion (1980), por Peter e Iona Opie. Don Locke apoiou esta opinião em sua biografia de William Godwin, pai de Mary, do mesmo ano.[7] A atribuição repousava sobre um anúncio de 1960 por um revendedor de livros, impressos a partir de uma carta de 2 de janeiro de 1808 do William Godwin, para um desconhecido correspondente:[8]

Por isso, coloque dois rabiscos com o qual eu não quero perturbar você .... É uma pequena escrita e é a produção da minha filha em seu décimo primeiro ano, estritamente modelado, tanto quanto seu talento infantil permitiria, na canção do Dibdin .... todo o objetivo mantêm a piada de Nong Tong Paw sendo constantemente tido como o maior homem na França.

"Canção de Dibdin" refere-se à canção popular por Charles Dibdin em que o poema é baseado.[5] Os Opies escreveram que "a presunção é que os versos impressos por Godwin foram estes, e devem ser da sua filha".[9] Em uma introdução para Frankenstein de 1831, Mary Shelley descreveu sua infância na escrita como "perto de uma imitadora, fazendo o que outros já tinham feito, do que seguir as sugestões da minha própria mente".[10]

No entanto, após a redescoberta da carta inteira, dúvidas surgiram a respeito desta atribuição:

Caro Senhor,

No meio da nossa conversa de ontem, e apesar de curta mais agradável, você expressou o desejo de receber um esboço em prosa de uma coisa que nós desejamos. Estou certo de que sua bondade, torna-se um dever, e compete-me em troca dar-lhe todas as facilidades em meu poder. Eu, portanto, incutir dois rabiscos com o que eu não queria ter incomodado você. É uma pequena escrita e é a produção de minha filha em seu décimo primeiro ano, e é estritamente modelado, como o ar do  [sic] tanto quanto seu talento infantil permitiria na canção de Dibdin. Este pode responder o propósito do esboço de uma prosa. O outro é escrito por um jovem de vinte. É bastante inteligível; mas as duas primeiras duas estrofes podem dar-lhe uma dica, respeitando-se os dois primeiros projetos.

O que você deve nos favorecer é com o seu mais requintando, vou ficar bem satisfeito de encontrar. Todo objetivo é manter a piada de Nong Tong Paw sendo constantemente tido como o maior homem na França.

Acredite em mim, com mil graças,

Meu caro senhor,

Muito atenciosamente
W Godwin

2 de janeiro de 1808.

Podemos enviar para você às dez ou onze da manhã de amanhã?
Se você tiver alguma coisa a comunicar-me deve se dirigir a Mr. Hooley, 41, Skinner Rua, Snow Hill, ele irá me avisar com segurança.[11]

A carta completa afirma que a "pequena" escrita era o pedaço de uma prosa, embora Sunstein, o ex-proprietário da carta (que agora pertence a Coleção Carl H. Pforzheimer de Shelley e Seu Círculo), argumenta que o texto está aberto à interpretação.[12] Ela afirma que "ler na íntegra, [a carta] indica que Mary Godwin escreveu o texto inicial para Nongtongpaw, mas não a versão final".[13] Ela argumenta "que a revisão de Mary Godwin foi útil para o esboço de uma prosa, não significa, necessariamente, que ela escreveu em prosa".[14]

De acordo com Jeanne Moskal, uma dos editores da edição definitiva mais recente das obras de Mary Shelley, "pode ser deduzida a partir da carta, e corroborado por outras provas circunstanciais descoberta por Sunstein, que o correspondente havia sido convidado para escrever uma nova versão da música de Dibdin e que o correspondente e o compositor do texto de 1808 foram portanto, o mesmo."[15] Este homem foi, provavelmente, John Taylor, a quem Sunstein descreve como "um veterano do teatro e escritor diverso, mais conhecido por sua narrativa como o poema Mounsier Tonson (1796), que é um poema cômico semelhante ao Mounseer Nongtongpaw".[4] Assim, nesta coleção das obras de Mary Shelley, o poema não é atribuído a ela.

Relevância[editar | editar código-fonte]

Mounseer Nongtongpaw representa o início da carreira colaborativa de Mary Shelley, embora não seja mais possível reconstruir a sua real contribuição. Seu esboço foi dado ao autor do trabalho publicado como uma forma de inspirar-lhe. O que precisamente ele retirou do seu texto, é no entanto, desconhecido.[16]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b Sunstein, 20.
  2. Moskal, 399, nota 1.
  3. Moskal, 399, nota 1; Sunstein, 19; Opie, 128.
  4. a b Sunstein, 21.
  5. a b Moskal, 397; Sunstein, 20.
  6. Sunstein, 20, 22.
  7. Opie, Pp. 127-28; Locke, 215.
  8. Moskal, 397; Sunstein, 19.
  9. Opie, 128.
  10. Qtd. em Moskal, 397.
  11. Qtd. em Sunstein, 19-20.
  12. Moskal, 397 e 399, nota 6.
  13. Sunstein, 19.
  14. Sunstein, 20-21.
  15. Moskal, 397-98.
  16. Moskal, 398; Sunstein, 22.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]