Milagre eucarístico de Lanciano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Milagre Eucarístico de Lanciano

Custódia de prata que guarda a Carne, e Cálice de cristal que guarda o Sangue transmutados no milagre.

O Milagre Eucarístico de Lanciano teria ocorrido no século VIII, na cidade italiana de Lanciano, antigamente chamada de "Anciano", seria a extraordinária transformação da Hóstia em carne humana e do Vinho em sangue humano, durante uma celebração litúrgica católica[1][2], sendo reconhecido como milagre pela Igreja Católica Apostólica Romana.

Relato[editar | editar código-fonte]

A tradição coloca o fato de em cerca de 700[3] d.C., com base em algumas evidências, podemos assumir uma data entre 730 e 750 d.C; É, portanto, o mais antigo entre os milagres eucarísticos reconhecidos pela Igreja Católica. Os mais antigos registros escritos conhecido de um milagre, no entanto, remonta a 1586. Viviam no mosteiro de São Legoziano e Domiciano os monges de São Basílio. Um deles, que se sentia atormentado pela dúvida na crença católica da transubstanciação, segundo a tradição, durante uma missa, viu a hóstia, no momento do ato da consagração, converter-se em carne viva e o vinho em sangue vivo[4].

Em séculos posteriores, a igreja dos Santos Legonziano e Domiciano passou aos monges bizantinos beneditinos , depois para a franciscanos , que em 1252 começou a construção de uma nova igreja dedicada a São Francisco , sobre outra já existente. Eles viveram lá até o tempo de Napoleão , quando foram expulsos. Cerca de 150 anos mais tarde, eles regressaram e vivem lá até os dias de hoje.

A Hóstia-carne permaneceu conservada, apresentando uma coloração ligeiramente escura, tornado-se rósea se iluminada pelo lado oposto,com uma aparência fibrosa; o sangue-vinho era de cor terrosa, entre amarelo e o ocre, coagulado em cinco fragmentos de formas e tamanhos diferentes. Inicialmente essas relíquias foram conservadas num tabernáculo de marfim e, a partir de 1713, até hoje, passaram a ser guardadas numa ostensório de prata, e o sangue, num cálice de cristal.

Reconhecimento e Comprovação[editar | editar código-fonte]

Arquivo científico sobre o fenômeno

A partir de 1574, aos reconhecimentos eclesiásticos do milagre, acrescentaram-se pronunciamentos científicos. Em novembro de 1970 os Frades Menores Conventuais, sob cuja responsabilidade se encontravam as substâncias, submeteram-nas a análise científica[5] que foi confiada aos Dr. Odoardo Linoli,[6] Chefe de Serviço dos Hospitais Reunidos de Arezzo e Livre Docente de Anatomia e de Histologia Patológica e de Química e Microscopia Clínica e ao professor Ruggero Bertelli, anatomista e professor da Universidade de Siena no fim dos anos 60.

Após uma série de análises e constatações, o parecer foi publicado em "Quaderni Sclavo di diagnostica clinica e di laboratório", 1971, fasc. 3, Grafiche Meini, Siena, que afirma tratar-se de um milagre comprovado e inexplicável[7][8]. O documento diz ainda:

  • A carne é carne verdadeira.
  • O sangue é sangue verdadeiro.
  • A carne é do tecido muscular do coração (contém, em seção, o miocárdio, endocárdio, o nervo vago e, no considerável espessor do miocárdio, o ventrículo cardíaco esquerdo).
  • A carne e o sangue são do mesmo tipo sangüíneo (AB) e pertencem à espécie humana.
  • No sangue foram encontrados, além das proteínas normais, os minerais cloreto, fósforo, magnésio, potássio, sódio e cálcio. As proteínas observadas no sangue foram encontradas normalmente fracionadas em porcentagem a respeito da situação seroproteínica do sangue vivo normal. Ou, seja, é sangue de uma pessoa viva.
  • A conservação da carne e do sangue, deixados em estado natural por doze séculos e expostos à ação de agentes físicos, atmosféricos e biológicos constituem um fenômeno extraordinário.
  • Outro fato interessante é que os cinco fragmentos, ao serem pesados têm exatamente o mesmo peso, não importa a combinação com que se pese. Por exemplo, tanto faz pesar um, dois ou todos fragmentos juntos, eles têm o mesmo peso.

O Sangue "AB" é o tipo de sangue encontrado no Santo Sudário. Este tipo de sangue é muito comum no povo Judeu, em Israel[9].

O Milagre Eucarístico de Lanciano é considerado um dos mais famosos milagres eucarísticos relatados pela Igreja Católica, porém não é o único: aproximadamente 130 milagres eucarísticos foram relatados. Conta-se que na cidade de Cássia, na Itália também já aconteceu um fenômeno parecido.

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Devido a impossibilidade científica da doutrina da transubstanciação, esses milagres eucarísticos não foram unânimes na comunidade científica. A comprovação do milagre em 1971 não é aceita e nem reconhecida por parte da comunidade científica internacional. A cargo de um único laboratório, há suspeitas que o exame tenha sido encomendado pela Ordem dos Frades Menores que pagaram uma grande soma de forma secreta para que se divulgassem os resultados que provariam a autenticidade do milagre. Também o fato da Igreja supostamente jamais ter permitido outros exames posteriores, atestam, segundo alguns, que o caso seja uma fraude. O mais provável, segundo os críticos da Igreja é que não se trate de um milagre, mas de uma relíquia fabricado por alquimistas medievais como também é o caso do sangue de São Januario ( São Gennaro) que supostamente se liquefaz de forma miraculosa. Para os críticos da Igreja Católica, o objetivo dessas relíquias seria conferir importância as ordens, irmandades ou igrejas que as possuíam, pois isso garantia o incremento e afluxo multidões de peregrinos nas quais essas relíquias eram expostas e cujo objetivo era a maximização do lucro, através do comércio da compra e venda de relíquias tão comuns nesse período da história.[10].

Galeria de fotos e documentos[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • CRUZ, Joan Carroll, OCDS. Eucharistic Miracles, TAN Books and Publishers, Inc, 1987. ISBN 0-89555-303-1
  • NASUTI, Nicola, OFM Conv. The Eucharistic Miracle of Lanciano: Historical, teological, scientific, and phtographic documentation. 2005. ISBN 83-85647-25-2

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Quevedo, Oscar G.(Padre Quevedo),OS MILAGRES E A CIÊNCIA, Edições Loyola, 2° edição, 2000, cap.1 "Em ciência, naturalismo"
  2. Inquerito cinetifico do CICAP. Comité Italiano para o Controle de Alegações do Paranormais. 22 de fevereiro de 2006
  3. Silvio Di Mauro De Filippis e Giancroce Delfico, Guia através do Santuário do Milagre Eucarístico de Lanciano , Lanciano Smela Edições (2006), ISBN 88-87316-08-2
  4. VEIGA, Alfredo César da, Cura pela Eucaristia, Edições Loyola, cap 1 "e o verbo se fez carne", pagina 17
  5. Gazeta do Povo. Marcio Antonio Campos, 04 de janeiro de 2010
  6. O. Linoli, Pesquisa histológicos, imunológicos e bioquímicos em carne e sangue do Milagre Eucarístico de Lanciano, Quaderni Sclavo Diagnostics 7, 661-674 (1971), reeditado pelas Edições Smela, Lanciano.
  7. PHYSICIAN TELLS OF EUCHARISTIC MIRACLE OF LANCIANO Arquivado em 2 de janeiro de 2011, no Wayback Machine.Zenit, agência de noticias católica. 05 de maio de 2005
  8. Gazeta do Povo. Marcio Antonio Campos, 04 de janeiro de 2010
  9. Serviços de sangue em Israel
  10. [1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]