Mochila de prótons

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A mochila de prótons (em inglês: Proton Pack) é uma peça de equipamento nuclear ficcional, criada para o filme Ghostbusters.[1] Descrito pela primeira vez no filme Ghostbusters, ele tem uma varinha de mão ("Neutrona Wand" ou lançador de partículas) conectada a um acelerador de partículas. Ele dispara um fluxo de prótons altamente focados e radialmente polarizados que eletrostaticamente capturam a energia carregada negativamente de um fantasma, permitindo que ele seja mantido no fluxo.[2]

No universo dos Ghostbusters[editar | editar código-fonte]

O pacote de prótons, projetado por Egon Spengler, é um sistema portátil acelerador de partículas que é usado para criar um feixe carregado de partículas - composto de prótons - que é disparado pela arma de prótons. Descrito no primeiro filme como um "colisor de pósitrons", ele funciona colidindo pósitrons de alta energia para gerar seu feixe de prótons. O raio permite que um caça-fantasmas capture "entidades negativamente carregadas com ectoplasma". Essa capacidade de contenção permite ao usuário posicionar um fantasma acima de uma armadilha para captura.[3] O nome proton pack não é usado no filme original,[4] e só passou a ser usado na cena do túnel do metrô em Ghostbusters II, quando Egon diz que eles devem pegar suas mochilas de prótons. O porteiro da mansão do prefeito também usa o termo, perguntando aos Caça-Fantasmas se ele pode comprar um deles para seu irmão mais novo. Egon responde que "uma mochila de protões não é um brinquedo".

  1. «A Ghost-Zapping Device Is the Season's Stunner». The New York Times. 25 de dezembro de 1987. Consultado em 14 de agosto de 2010 
  2. Bergman, Gregory; Lambert, Josh (2011). Geektionary: From Anime to Zettabyte, An A to Z Guide to All Things Geek. [S.l.]: Adams Media. p. 228. ISBN 978-1440511141 
  3. Reitman, Ivan (Director), Aykroyd, Dan and Ramis, Harold (Writers) (8 de julho de 1984). Ghostbusters (Motion picture). Consultado em 13 de setembro de 2009 
  4. Bergman, Lambert 2011, p. 229.