Moonraker (livro)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Moonraker
O Foguete da Morte
Capa da primeira edição britânica
Autor(es) Ian Fleming
Idioma Inglês
País  Reino Unido
Gênero Espionagem
Série James Bond
Arte de capa Kenneth Lewis
Editora Jonathan Cape
Lançamento 5 de abril de 1955
Páginas 255 (primeira edição)
Cronologia
Live and Let Die
Diamonds Are Foverer

Moonraker (lançado originalmente no Brasil como O Foguete da Morte) é o terceiro livro sobre o agente secreto britânico James Bond, lançado em 1953 e escrito por Ian Fleming.

Totalmente ambientalizado na Inglaterra, a missão de Bond é deter o insano industrialista, Sir Hugo Drax, que planeja destruir Londres com um míssil nuclear.

Em 1979, o título deste livro foi usado para o décimo-primeiro filme de James Bond da EON Productions, a quarta produção com Roger Moore como 007. No entanto, a história do filme foi significativamente alterada de modo a incluir o espaço sideral.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

A trama começa com M pedindo a Bond para investigar o empresário multi-milionário Sir Hugo Drax, que está ganhando muito dinheiro jogando bridge no clube freqüentado pelo chefe do MI6, Blades.

Drax é o idealizador do "Explorador da Lua" (Moonraker), um míssil nuclear que está sendo construído para defender a Inglaterra contra os inimigos na Guerra Fria. Essencialmente, o “Explorador da Lua” é um foguete V-2 atualizado. Ele pode suportar ultra-elevadas temperaturas de combustão em seu motor, graças à utilização de columbite, material que Drax monopoliza. Assim, o motor do foguete pode suportar temperaturas altíssimas, o “Explorador da Lua” pode usar os mais poderosos combustíveis, expandindo consideravelmente o seu alcance eficaz.

Ian Fleming batizou o vilão inspirado no nome do amigo Sir Reginald Drax.

M suspeita que Drax esteja trapaceando, embora alegue indiferença, está preocupado que um multi-milionário e herói nacional, tal como Sir Hugo, trapaceie em um simples jogo de cartas. Bond confirma a suspeita de M sobre Drax e consegue "trapacear o trapaçeiro" ganhando £ 15.000.

Depois que um agente de segurança do Ministério da Defesa, que trabalhava no projeto, é assassinado, M designa Bond para substituí-lo, e também para investigar o que pode estar acontecendo na base de construção do míssil que está localizado entre Dover e Deal, na costa inglesa.

Bond descobre pistas de uma conspiração, ainda oculta na história, para destruir Londres. Ele também conhece Gala Brand, uma bela agente especial que trabalha como assisistente pessoal de Drax.

Willy Krebs é pego por Bond enquanto vasculha o seu quarto, o que aumenta as suspeitas de 007 sobre o assistente de Drax.

Enquanto estão numa praia perto do local de construção do “Moonraker”, Bond e Gala quase morrem num provocado deslizamento de terras.

Drax leva Gala para Londres, onde ela descobre a conspiração para destruir a capital da Inglaterra com uma ogiva nuclear colocada no “Explorador da Lua”.

Bond e Gala são capturados e Hugo Drax mostra que não é o que parece ser, ele nasceu Graf Hugo von der Drache. Sua mãe era inglesa e ele foi educado na Inglaterra até os doze anos. Depois, mudou-se para Berlim e, mais tarde Leipzig, onde ele continuou e terminou a sua educação. Participou do partido nazista, e entrou na II Guerra Mundial como um soldado do exército alemão, operando atrás das linhas Aliadas nos Países Baixos. Durante uma missão, vestido como um soldado britânico para que pudesse sabotar e destruir uma base com um grupo de militares americanos e britânicos, foi atingido na explosão e quase morto.

Drache então foi resgatado pelos ingleses e assumiu a identidade do “soldado desaparecido”, Hugo Drax. Acumulou fortuna com o comércio de columbite e leva a frente seu plano de vingança contra a Inglaterra construindo o foguete “Moonraker” com a ajuda dos soviéticos.

Gala e Bond são presos sob o escapamento de "MOonraker", de modo a matá-los uma vez que o mesmo for lançado. Mas, antes do “Explorador” ser lançado, os dois escapam.

Gala dá a Bond as coordenadas para reprogramar os giroscópios e fazer o “Moonraker” atingir o mar.

Drax e seu capanga, Krebs, tentam fugir em um submarino soviético, mas são mortos, pois o foguete atinge extamente a região em que o submarino está.

Bastidores e História da Escrita[editar | editar código-fonte]

No início de 1953, o produtor Alexander Korda leu uma cópia de prova de Live and Let Die e informou seu autor, Ian Fleming, que estava empolgado com o livro, mas que não seria uma boa base para um filme. Fleming disse ao produtor que seu próximo livro seria uma expansão de uma idéia para um roteiro, ambientado em Londres e Kent, acrescentando que o local permitiria "alguns cenários maravilhosos para o filme". Fleming realizou uma quantidade significativa de pesquisas de base em preparação para escrever Moonraker; ele perguntou a seu colega correspondente no The Sunday Times, Anthony Terry, para obter informações sobre a força de resistência alemã da Segunda Guerra Mundial - os Lobisomens - e os foguetes V-2 alemães. Este último foi um assunto sobre o qual ele escreveu ao escritor de ficção científica Arthur C. Clarke e à British Interplanetary Society.

Fleming também visitou o psiquiatra Eric Strauss, da Wimpole Street, para discutir as características dos megalomaníacos; Strauss emprestou-lhe o livro Men of Genius, que forneceu o elo entre a megalomania e a sucção na infância. Fleming usou essas informações para fornecer ao diastema de Drax, um resultado comum da sucção do polegar. Segundo seu biógrafo Andrew Lycett, Fleming "queria fazer de Moonraker seu romance mais ambicioso e pessoal até agora". Fleming, um jogador de cartas afiado, ficou fascinado com o cenário do escândalo do bacará real de 1890 e quando estava Em 1953, ele conheceu uma mulher que estava presente no jogo, ele a questionou tão intensamente que ela explodiu em lágrimas.

Em janeiro de 1954, Fleming e sua esposa, Ann, viajaram para sua propriedade de Goldeneye, na Jamaica, para suas férias anuais de dois meses. Ele já havia escrito dois romances de Bond, o Casino Royale, publicado em abril de 1953, e o Live and Let Die, cuja publicação era iminente. Ele começou a escrever Moonraker em sua chegada ao Caribe. Mais tarde, ele escreveu um artigo para a revista Books and Bookmen descrevendo sua abordagem da escrita, na qual dizia: "Escrevo por cerca de três horas da manhã ... e faço o trabalho de outra hora entre as seis e as sete da noite. Nunca corrija qualquer coisa e nunca volto a ver o que escrevi ... Seguindo minha fórmula, você escreve 2.000 palavras por dia. "

Em 24 de fevereiro, ele havia escrito mais de 30.000 palavras, embora tenha escrito a um amigo que sentia que já estava parodiando os dois romances anteriores de Bond. A cópia de Fleming possui a seguinte inscrição: "Isso foi escrito em janeiro e fevereiro de 1954 e publicado um ano depois. É baseado em um roteiro de filme que eu tenho em mente há muitos anos". Mais tarde, ele disse que a idéia pois o filme tinha sido muito curto para um romance completo, e que ele "teve que enxertar mais ou menos a primeira metade do livro na minha idéia de filme, a fim de trazê-lo até o comprimento necessário". Fleming considerou uma série de títulos para a história; sua primeira escolha foi The Moonraker, até Noël Coward lembrá-lo de um romance de mesmo nome por F. Tennyson Jesse. Fleming então considerou O Segredo Moonraker, O Gráfico Moonraker, O Elemento Desumano, Largo da Marca, A Máquina Infernal, Segundas-feiras são o Inferno e Fora do Céu Claro. George Wren Howard, de Jonathan Cape, sugeriu Bond & the Moonraker, The Moonraker Scare e The Moonraker Plan, enquanto seu amigo, o escritor William Plomer, sugeriu Hell is Here; a escolha final de Moonraker foi um sugestão de Wren Howard. Embora Fleming não tenha fornecido datas em seus romances, dois escritores identificaram cronogramas diferentes com base em eventos e situações da série como um todo. John Griswold e Henry Chancellor - ambos que escreveram livros em nome de Ian Fleming Publications - colocam os eventos de Moonraker em 1953; Griswold é mais preciso e considera a história ocorrida em maio daquele ano.


Mudanças de Títulos[editar | editar código-fonte]

O livro mudou de título inúmeras vezes. Entre a salada de títulos, estão: “Mondays are Hell”, “The Moonraker Sense”, “The Infernal Machine”, “The Moonraker Secret”, “The Inhuman Element”, “Wide of the Mark”, “The Moonraker Plan”, “Hell is Here”, “Bond and The Moonraker”, “The Moonraker Plot” e “Too Hot to Handle”.

Por um motivo desconhecido, a primeira edição de “Moonraker” lançada nos EUA pela Permabooks em 1956 foi mudado para "Too Hot to Handle". Uma possível explicação pode ser para evitar confusões com a peça de teatro, “The Moonraker” de Arthur Watkin. “Too Hot To Handle” é o único romance de Bond que foi "americanizado", substituindo as expressões idiomáticas britânicas pelas americanas. O título foi mudado várias vezes até voltar a “Moonraker” em 1960.

Este foi o último romance de Bond que foi renomeado para a publicação nos EUA.


Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre um livro é um esboço relacionado ao Projeto Literatura. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.