Mthatha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Caesar Carl Hans Henkel02.jpg

Mthatha é a cidade principal do Município Local de King Sabata Dalindyebo, no Cabo Oriental, província da África do Sul. A cidade possui um aeroporto, anteriormente denominado K. D. Matanzima Airport, em homenagem ao anterior líder Kaiser Matanzima.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Foi um posto militar para forças coloniais, em 1882, mas a cidade, em si, foi fundada em 1883. A barragem de Mthatha situa-se a cerca de 8 quilómetros a montante da cidade.[2] Mthatha tornou-se o centro administrativo da área, tendo inclusive catedrais anglicana e católica, embora possua membros de outras religiões, na cidade. Tornou-se também a sede das autoridades tradicionais e do edifício do parlamento.

Uma filial da Universidade de Fort Hare foi criada na cidade, que em 1977 se tornou na Universidade de Transkei, que foi integrada na Universidade Tecnológica e Científica de Walter Sisulu. O campus da universidade foi o ponto de partida para a primeira estação de rádio comunitária da localidade,[3] que começou em 1996 e que se tornou numa importante radiodifusora.

De 1976 a 1994, foi capital do bantustão de Transkei, sob o nome de Umtata.[4]

Depois do fim do apartheid, algumas secções de negócios africanas mudaram-se para áreas tradicionalmente de pessoas brancas, a fim de lá, praticarem atividades económicas.[5]

Muitos dos líderes negros sul-africanos; incluindo Walter Sisulu e Nelson Mandela, vieram desta zona, e o reformado Mandela ainda mora na sua aldeia natal Qunu alguns quilómetros a sul de Mthatha. Mthatha possui três dos museus de Nelson Mandela.

Em Março de 2004 Umtata mudou oficialmente de nome para Mthatha.

Referências

  1. K D Matanzima Airport
  2. Fatoki, OS, Muyima, NYO and Lujiza, M (2001). «Análise à qualidade da água.» (PDF). Water SA. 27 (4) 
  3. UCRFM
  4. «Constitution of the Republic of Transkei, Chapter 1, 1(2)» (PDF) 
  5. Mgibisa, Mbuyisi (25 de outubro de 2006). «Mthatha in dire straits». Mail & Guardian