Narcóticos Anônimos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde julho de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Símbolo de serviço de NA desenhado por Jimmy K.
Símbolo de serviço de NA desenhado por Jimmy K.

Narcóticos Anônimos (português brasileiro) ou Narcóticos Anónimos (português europeu), ou NA descreve a si mesma como "uma Irmandade ou sociedade sem fins lucrativos, de homens e mulheres para quem as drogas se tornaram um problema maior"[1] . Narcóticos Anônimos utiliza o modelo de 12 passos que foi adaptado para utilização de pessoas com problemas com drogas, ou drogadicção. Trata-se de uma associação, sociedade ou irmandade que basicamente realiza reuniões regulares onde adictos, ou dependentes de drogas, podem ajudar-se mutuamente a se manterem em "total abstinência de todas as drogas"[1] .

Os membros e a organização[editar | editar código-fonte]

A terceira tradição de NA diz que o único requisito para participar é o "desejo de parar de usar". NA diz que seus grupos são constituídos por reuniões regulares onde seus membros podem "ajudar uns aos outros a manter-se limpos". Todas as citações provêm de Narcóticos Anônimos (Texto Básico)[2] . A base do programa de NA são os Doze Passos e as Doze Tradições. NA não cobra matrículas nem taxas, e a participação é gratuita. A irmandade afirma não receber nenhum tipo de contribuição de fora, mantendo-se exclusivamente com as contribuições de seus membros. Nas reuniões, realiza-se uma coleta para o grupo pagar aluguel e comprar suprimentos. Os serviços mundiais de NA são principalmente sustentados com a realização de eventos e venda de livros e folhetos da associação. De acordo com seu Texto Básico[2] , Narcóticos Anônimos "não tem opinião sobre questões de fora" da irmandade, incluindo assuntos relacionados a política e medicina, bem como não endossa nenhuma outra organização ou instituição. A irmandade não faz promoção. Em vez disso, busca atrair novos membros através da informação ao público e outros serviços. Os grupos de NA fornecem informações sobre o programa e os membros podem levar a mensagem de NA a hospitais e instituições, tais como centros de tratamento e cadeias[2] .

Origem[editar | editar código-fonte]

Narcóticos Anônimos derivou do movimento de Alcoólicos Anônimos no final dos anos 40, com suas primeiras reuniões na área da cidade de Los Angeles, Califórnia, EUA, no início dos anos 50. Por muitos anos, a associação cresceu vagarosamente, espalhando-se de Los Angeles para outras grandes cidades norte-americanas e para a Austrália no final dos anos 70. Uma assembleia de representantes locais foi estabelecida pela primeira vez em 1978. Em 1983 Narcóticos Anônimos publicou seu livro intitulado Texto Básico e as taxas de crescimento, desde então, subiram vertiginosamente.

Grupos se formaram rapidamente no Brasil, Colômbia, Alemanha, Índia, Republica da Irlanda, Japão, Nova Zelândia e Reino Unido. Nos três anos seguintes à publicação do livro Texto Básico de NA[3] , o número de grupos de Narcóticos Anônimos quase triplicou. Hoje, Narcóticos Anônimos está bem estabelecido em toda Europa Ocidental, nas Américas, Austrália e Nova Zelândia com grupos e comunidades de NA recentemente formadas espalhando-se através do Paquistão, Sri Lanka, Afeganistão, Bangladesh, África, Sudeste da Ásia, Oriente Médio e Europa Oriental, realizando aproximadamente 70.000 reuniões semanais em mais de 132 países[4] .

O primeiro grupo de Narcóticos Anônimos no Brasil estabeleceu-se em 1978, em São Paulo. Em 1990, os grupos brasileiros uniram-se à irmandade mundial de NA. Existem, hoje, no Brasil, mais de 1.550 grupos de Narcóticos Anônimos espalhados pelo território nacional, proporcionando mais de 4.200 reuniões semanais em 26 estados e 1 distrito federal, divididos em 09 regiões e 125 áreas.

Abordagem[editar | editar código-fonte]

O programa

O primeiro folheto de NA, conhecido entre os membros como "O Livreto Branco", descreve NA como uma "irmandade" de homens e mulheres, sem fins lucrativos, para quem as drogas se tornaram um problema maior... adictos em recuperação que se reúnem para ajudar uns aos outros a se manterem limpos." A afiliação à Narcóticos Anônimos é aberta a qualquer adicto a drogas, independente do tipo ou combinação de drogas usadas. Não existem restrições sociais, religiosas, econômicas, raciais, étnicas, de nacionalidade, gênero ou status social. A afiliação à Narcóticos Anônimos é inteiramente voluntária. Não existem arquivos sobre a frequência e nem listas de membros seja para uso interno de NA ou para qualquer outro uso. Os membros vivem em suas comunidades e frequentam as reuniões quando lhes convém. Não existem taxas para afiliação. A maioria dos membros contribui regularmente com pequenas somas que ajudam a cobrir as despesas dos grupos, mas as contribuições não são obrigatórias[1] [2] .

A base do programa de recuperação de Narcóticos Anônimos é uma série de atividades pessoais conhecida como Doze Passos[5] , adaptados de Alcoólicos Anônimos. Esses "passos" incluem a admissão de que existe um problema, a busca de ajuda, auto avaliação, partilha em nível confidencial, reparar danos causados e trabalhar com outros adictos a drogas que queiram se recuperar. O programa dá ênfase no que é chamado "despertar espiritual", ressaltando o seu valor prático e não sua importância filosófica ou metafísica, o que facilitou a tradução do programa, mesmo considerando-se barreiras culturais. NA em si, não é um programa religioso e encoraja cada membro a cultivar um entendimento pessoal, religioso ou não, desse "despertar espiritual."

Narcóticos Anônimos acredita que uma das chaves do seu sucesso seja o valor terapêutico de adictos trabalhando com outros adictos. Nas reuniões, cada membro partilha experiências pessoais com os outros buscando ajuda, não como profissionais, mas como pessoas que tiveram problemas similares e encontraram uma solução. Narcóticos Anônimos não tem terapeutas, não oferece moradia nem clínicas. NA não oferece orientação vocacional, legal, financeira ou serviços médicos. A coisa mais próxima de um "conselheiro de NA" é o padrinho ou madrinha, um membro experiente que oferece ajuda informal a membros mais recentes quando solicitados.

O principal serviço oferecido por Narcóticos Anônimos é a reunião em um grupo de NA. De acordo com as 12 Tradições de NA[6] , cada grupo administra a si próprio, tendo como base princípios comuns a toda a irmandade. Estes princípios estão contidos na literatura de NA. Não existe estrutura de serviço hierárquica em NA. A maioria dos grupos não tem instalações próprias permanentes e alugam espaço para suas reuniões semanais em locais administrados por entidades públicas e organizações civis ou religiosas. As reuniões podem ser "abertas", o que significa que qualquer um pode participar, ou 'fechadas", quando somente pessoas que estão lá para tratar de seu próprio problema com drogas podem participar. As reuniões são conduzidas por membros de NA e outros membros participam partilhando suas próprias experiências na recuperação da adicção às drogas.

O programa de Narcóticos Anônimos usa um conceito de doença da adicção (drogadição) muito simples, baseado na experiência. Narcóticos Anônimos não qualifica seu uso do termo "doença" em qualquer outro senso médico ou terapêutico especializado, NA também não faz qualquer tentativa de persuadir outros de que a sua visão é correta. O que NA sabe é que seus membros descobriram que a aceitação da adicção como doença é algo eficaz para ajudá-los. Em outras palavras, não pretendem realizar diagnósticos nem debater se a adicção é ou não uma doença, deixando isso para a sociedade e para os médicos especialistas, mas afirmam que, em sua experiência prática, acreditar que se trata de uma doença tem ajudado aos seus membros a se manterem abstinentes das drogas. Apesar de não serem termos de uso muito comum, NA utiliza os termos "adicto" e "adicção" principalmente porque são termos que melhor expressam sua visão de que a adicção a drogas é uma doença que afeta o indivíduo em todas as áreas de sua vida e para evitar qualquer confusão inicial, quanto à compreensão da natureza e do propósito de NA, por parte de adictos que buscam ajuda para seu problema com drogas.

Narcóticos Anônimos encoraja seus membros a se manterem abstinentes de qualquer droga, inclusive o álcool, mesmo outras substâncias que não eram de escolha daquela pessoa. Entretanto, o único requisito para se tornar membro de NA é "um desejo de parar de usar" drogas. A experiência de membros de NA tem mostrado que a completa e contínua abstinência é a melhor base para a recuperação e o crescimento pessoal. Porém, Narcóticos Anônimos, como associação, não tem qualquer posição quanto ao uso de cafeína, nicotina ou açúcar. Da mesma forma, o uso de medicação prescrita para tratamento médico ou condições psiquiátricas não é nem encorajada, nem proibida em NA. Embora reconhecendo numerosas questões quanto a essas áreas, NA entende que são assuntos de decisão pessoal e encoraja seus membros a consultar sua própria experiência, a experiência de outros membros e profissionais de saúde qualificados, para tomar decisões sobre estes assuntos.

Seus membros reconhecem que Narcóticos Anônimos é apenas mais uma organização dentre muitas que tratam o problema de adicção a drogas. Seus membros reconhecem que tiveram sucesso significante ao tratar de seus próprios problemas de adicção, mas NA não diz ter um programa para todos adictos, sob todas as circunstâncias, ou que suas visões terapêuticas deveriam ser universalmente adotas. A organização dispõe-se apenas a informar de que se trata e onde pode ser encontrada para aqueles que tiverem interesse.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]