O Jogo (jogo mental)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

"O Jogo" (em inglês: "The Game") é um jogo corrente, cujo objetivo é evitar pensar acerca do próprio "O Jogo". Pensar no "O Jogo" significa perdê-lo, e, segundo as regras, essa perda deve ser anunciada cada vez que ocorre. É impossível ganhar "O Jogo". Seus jogadores podem apenas tentar evitar perder durante o máximo de tempo possível. [1][2][3][4]

Como Jogar[editar | editar código-fonte]

Regras[editar | editar código-fonte]

Há sete regras do Jogo:

1) Não é possível ganhar "O Jogo";

2) Todos que sabem do Jogo, automaticamente começam a jogar;

3) Sempre que alguém pensa no "O Jogo", este alguém perde;

4) Cada vez que alguém perde "O Jogo", deve ser anunciado a perda usando uma frase como "eu perdi", "perdi O Jogo", ou meios alternativos;

5) Uma vez anunciado a perda do jogo, os demais à volta perdem SIM. Isso porque é um JOGO MENTAL.

6) Deve ser respeitado o período de imunidade de no minimo 30 minutos depois de perder "O jogo", durante o qual um jogador pode se lembrar do "O jogo" sem perder novamente.

7) O jogador em imunidade esta proibido de se expressar verbalmente sobre o fato de ter perdido "O jogo" até o fim de sua imunidade.

A sexta e sétima regra não eram originalmente previstas, contudo se fazem necessárias para possibilitar a repetição do experimento mental, uma vez que se levadas em conta somente as regras de 1 a 4 o jogador que descobrisse sobre o jogo imediatamente entraria e um ciclo infinito de "perder o jogo" por conta da seguinte cadeia de eventos:

1 - O indivíduo descobre o jogo;

2 - Imediatamente ele(a) pensa no jogo e perde;

3 - Ele(a) anuncia que perdeu o jogo;

4 - Imediatamente ele(a) pensa no jogo e perde;

5 - Ele(a) anuncia que perdeu o jogo;

(repetição ao infinito)

Estratégias[editar | editar código-fonte]

Não existe nenhuma possibilidade de ganhar "O jogo". Juntamente com o fato de que após o anuncio de derrota, exigido pela regra N° 4, o jogador não pode mais comunicar a perda. Alguns jogadores desenvolveram estratégias para fazer outros jogadores perderem, tais como: escrever "O Jogo" numa mensagem, dizer "O Jogo" em voz alta, escrevê-lo em graffiti num espaço público, escrever " O Jogo " em inglês ('The Game') ou em outro idioma ou escrever duas palavras que quando pronunciadas em voz alta soem como "O Jogo". No entanto isso não seria um Mind Game, um jogo da mente. Apenas um "pega-pega" circular. O jogo da mente pede que a mente crie seus próprios ciclos. A mente gera associações e é essa a brincadeira principal: associar até perder sozinho.

Referências[editar | editar código-fonte]

"O Jogo" é um exemplo de um processo irônico, também conhecido como "Efeito Urso Branco", no qual evitar pensar em determinadas coisas torna esses pensamentos mais intensos.[5]

Existem algumas correntes, de origem e veracidade incertas, que dizem que caso a rainha Elizabeth II, a monarca britânica, decrete o fim do jogo, publicamente, em palavras como "O Jogo acabou", o jogo estará oficialmente encerrado por um período ainda não estabelecido; segundo os seguidores dessa corrente, caso a monarca venha a falecer sem pronunciar essas palavras, a responsabilidade de pôr um fim ao "O Jogo" caberia à próxima rainha Elizabeth do Reino Unido, ou seja, à Elizabeth III. Há, ainda, uma linha de pensamento que diz que, se o primeiro-ministro britânico pronunciar estas mesmas palavras publicamente, o jogo também será automática e indefinidamente encerrado. No entanto, muitos jogadores desconhecem ou discordam dessa ideologias, pois, caso "O Jogo" acabasse, a mágica e o entretenimento proporcionado pelo dispositivo mental acabariam; todavia, os seguidores de ambas correntes dizem que uma comissão internacional poderia ser criada para estabelecer um período temporário de interrupção de "O Jogo".

Origens[editar | editar código-fonte]

As origens do Jogo são incertas. Uma teoria é que dois homens perderam o último comboio, tendo permanecido a noite toda na plataforma, tentando não pensar na situação; o primeiro a pensar, perdia.[1] Outra é que foi inventado em Londres em 1996 "para irritar pessoas".[6] Na Internet foi referenciado pela primeira vez em 2002.[6]

Referências

  1. a b «If you read this you have lost the game». The Metro. 5 de dezembro de 2008 
  2. Boyle, Andy (19 de março de 2007). «Mind game enlivens students across U.S.». The Daily Nebraskan 
  3. Verelst, Jeroen (15 de março de 2007). «The Game, het eenvoudigste spel ter wereld» (Subscription required). De Morgen (em neerlandês). p. 2 
  4. Rooseboom, Sanne (15 de dezembro de 2008). «Nederland gaat nu ook verliezen». De Pers 
  5. Kaniewski, Katie (1 de março de 2009). «You just lost the Game». Los Angeles Loyolan. Consultado em 27 de março de 2009 
  6. a b Montgomery, Shannon (17 de janeiro de 2008). «Teens around the world are playing 'the game'». The Canadian Press 

Ver também[editar | editar código-fonte]