O Pantheon

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
O Pantheon
Formato (23 cm)
Sede Porto  Portugal
Fundação 1880
Idioma Português europeu
Término de publicação 1881


O Pantheon: revista quinzenal de ciencias e letras resultou de uma inspiração de dois jovens estudantes do Porto, J. Leite de Vasconcellos e Mont’ Alverne de Sequeira, que entre 1880 e 1881, propuseram-se, como os próprios anunciam, acompanhar o movimento intelectual moderno. De certa forma é um grito de insurgimento com o intuito de despertar a energia nessa mocidade inativa que amortece na atmosfera doente dos cafés, olhando para os livros como para um pesadelo. Trata-se pois, de uma revista de empenho cultural, que vinga num contexto de novas influências filosóficas modernas que se vão produzindo nos meios académicos, oferecendo-se para acompanhar a filosofia positivista do francês Auguste Comte. Os seus conteúdos vão desde os artigos de carater sociológico e filosófico, poesia, contos e algumas crónicas. Além dos dois cabecilhas que lideram o corpo redator da revista, surgem também outros notáveis, a saber: Fialho de Almeida, Teófilo Braga, Antero de Quental, Francisco Adolfo Coelho, Silva Telles, Guerra Junqueiro, Maximiano Lemos Junior, Teixeira Bastos, Tito de Noronha, Hermenegilda de Lacerda, Martins Sarmento, Reis Dâmaso, Jayme de Séguier, Gastão Mesnier, Agostinho de Souza, Francisco Gomes de Amorim e Gervásio Lobato. [1]

Referências

  1. Helena Roldão (25 de Maio de 2013). «Ficha histórica: O pantheon: revista de sciencias e lettras (1880-1881)» (pdf). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 09 de Fevereiro de 2015  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre meios de comunicação ou jornalismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.