Orixás, Caboclos e Guias: Deuses ou Demônios?

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Orixás, Caboclos e Guias: Deuses ou Demônios?
Orixas-caboclos-e-guias.jpg
Autor(es) Edir Macedo
Idioma Português
País  Brasil
Assunto Religião
Género Religioso
Editora Unipro
Lançamento 1997
Páginas 114
ISBN 9788571405363

Orixás, Caboclos e Guias, deuses ou demônios? é um livro de Edir Macedo, fundador da Igreja Universal do Reino de Deus. Foi lançado pela Unipro e se transformou em best-seller, com mais de 3 milhões de exemplares vendidos, se tornando um dos livros evangélicos mais bem-sucedidos da história do Brasil.[1][2]

Conteúdo[editar | editar código-fonte]

O livro de Edir Macedo denuncia supostas manobras satânicas que ocorreriam através do Espiritismo, da Umbanda, do Candomblé, da Quimbanda e de outras religiões espiritualistas, principalmente as de matriz africana. De acordo com o autor, essas religiões são as responsáveis pelas origens das doenças, desavenças, vícios e de todos os outros males aos quais o ser humano está sujeito.[3]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

A publicação foi questionada na Justiça por adeptos de religiões afro-brasileiras a fim de suspender sua tiragem, venda, revenda e entrega gratuita. Para a juíza Nair Cristina de Castro, a obra "extrapola os limites da liberdade religiosa (...), na medida em que não se restringe à explanação e divulgação das ideias próprias à religião que é adotada por quem o escreveu, mas sim se predispõe a tratar pejorativamente outra religião e seus adeptos, incitando à discriminação". Alguns dos trechos do livro qualificam a Umbanda, a Quimbanda e o Candomblé como "seitas demoníacas", responsáveis pelo subdesenvolvimento do país e pelo uso de substâncias entorpecentes.[4]

Em 2005, a Justiça Brasileira determinou a retirada de circulação de todos os exemplares do livro por conta de seu teor preconceituoso contra as religiões afro-brasileiras.[5][6] Mas, um ano depois, o Tribunal Regional Federal da 1ª Região liberou a venda com a justificativa de que a proibição contrariava o princípio da liberdade de expressão, garantido pela Constituição Federal Brasileira.[7]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Uma Igreja que não pára de crescer». folha.arcauniversal.com.br. Consultado em 22 de novembro de 2010 
  2. «Juíza suspende venda de livro do bispo Edir Macedo». folha online. 10 de novembro de 2005. Consultado em 25 de agosto de 2010 
  3. «orixas-caboclos-e-guias-deuses-ou-demonios». bispomacedo.com.br. Consultado em 19 de setembro de 2012 
  4. Justiça suspende circulação de livro de Edir Macedo no Brasil
  5. Teor preconceituoso faz Justiça proibir livro de Edir Macedo - OESP, 10 de novembro de 2005
  6. Dono e diretores da Record são processados por descaminho Conjur, 2006
  7. «TRF libera circulação do livro de Edir Macedo». expresso-noticia.jusbrasil.com.br. Consultado em 5 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 2014 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]