Pálpebra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Pálpebras de um olho humano, presentes acima dos cílios e abaixo da sobrancelha.

As pálpebras são dobras finas de pele e músculo que cobrem e protegem os olhos. Os músculos que ficam na parte superior dos olhos retraem as pálpebras "abrindo" os olhos. Este processo tanto pode ser voluntário como involuntário.

Existem no reino animal diversos tipos de pálpebras. As pálpebras do ser humano possuem uma fileira de cílios que servem para proteger o olho da luz, poeira e de outros poluentes do meio externo.

Variação anatômica[editar | editar código-fonte]

Uma mulher sul-coreana, antes (à esquerda) e depois (à direita) de uma cirurgia de pálpebra dupla. Observe a presença da dobra epicântica em ambas as fotos.

Uma variação anatômica em humanos ocorre nas dobras da pálpebra superior.

Uma dobra epicântica, a dobra cutânea da pálpebra superior cobrindo o canto interno do olho, pode estar presente com base em vários fatores, incluindo ancestralidade, idade e certas condições médicas. Em algumas populações, a característica é comum, especificamente em asiáticos do leste e sudeste, onde a maioria, até 90% em algumas estimativas, dos adultos tem essa característica.[1]

A prega da pálpebra superior é uma variação comum entre pessoas de etnias caucasiana e do leste asiático.[2] Os ocidentais comumente percebem a pálpebra superior do Leste Asiático como uma "pálpebra única".[2] No entanto, as pálpebras do Leste Asiático são divididas em três tipos — simples, baixa e dupla — com base na presença ou posição do vinco palpebral.[3] Jeong Sang-ki da Universidade de Chonnam, Kwangju, Coreia do Sul, em um estudo usando cadáveres asiáticos e caucasianos, bem como quatro jovens saudáveis ​​coreanos, disse que as "pálpebras asiáticas" têm mais gordura do que as dos caucasianos.[2]

Prevalência[editar | editar código-fonte]

Prevalência de pálpebra dupla entre as populações asiáticas[4]
Ano País Gênero Prevalência de pálpebra dupla
1896 Japão Femenino 82–83%
2000 Cingapura Feminino 66.7%
2007 Coreia Masculino 24.1%
Feminino 45.5%
2008 Ásia Masculino 30.3%
Feminino 41.3%
2009 Ásia N/A 50.0%
2013 Taiwan Feminino 83.1%

Sociedade e cultura[editar | editar código-fonte]

Cirurgia estética[editar | editar código-fonte]

Blefaroplastia é um procedimento cirúrgico cosmético realizado para corrigir deformidades e melhorar ou modificar a aparência das pálpebras.[5] Com 1,43 milhão de pessoas submetidas ao procedimento em 2014,[6] a blefaroplastia é o segundo procedimento de beleza mais popular no mundo (a injeção de toxina botulínica é a primeira), e o procedimento cirúrgico cosmético mais realizado no mundo.[7]

A blefaroplastia foi relatada como o procedimento estético mais comum em Taiwan e na Coreia do Sul.[8] Embora o procedimento também seja usado para reforçar os tecidos musculares e tendinosos ao redor do olho, o objetivo cirúrgico é remover o tecido adiposo e tecidos lineares por baixo e ao redor das pálpebras.[9] Um procedimento para remover a prega epicantal (ou seja, uma epicantoplastia) é frequentemente realizado em conjunto com a blefaroplastia.[10]

O uso de fita dupla-face ou cola para pálpebras para criar a ilusão de pálpebras vincadas ou "duplas" tornou-se uma prática proeminente na China e outros países asiáticos. Há uma pressão social para que as mulheres façam esta cirurgia e também usem as práticas alternativas.[11] A blefaroplastia se tornou uma operação cirúrgica comum que é ativamente encorajada, enquanto outros tipos de cirurgia plástica são ativamente desencorajados na cultura chinesa.[12]

Morte[editar | editar código-fonte]

Após a morte, é comum em muitas culturas puxar as pálpebras do falecido para baixo para fechar os olhos.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Lee, Y., Lee, E. and, Park, W.J. (2000) Anchor epicanthoplasty combined with outfold type double eyelidplasty for Asians: do we have to make an additional scar to correct the Asian epicanthal fold? Plast. Reconstr. Surg. 105:1872–1880
  2. a b c Jeong S, Lemke BN, Dortzbach RK, Park YG, Kang HK (Julho de 1999). «The Asian upper eyelid: an anatomical study with comparison to the Caucasian eyelid». Archives of Ophthalmology. 117 (7). pp. 907–12. PMID 10408455. doi:10.1001/archopht.117.7.907 
  3. Han, M. H., & Kwon, S. T. (1992). A statistical study of upper eyelids of Korean young women. Journal of the Korean Society of Plastic and Reconstructive Surgeons, 19(6), 930-935.
  4. Lu, Ting Yin; Kadir, Kathreena; Ngeow, Wei Cheong; Othman, Siti Adibah (1 de novembro de 2017). «The Prevalence of Double Eyelid and the 3D Measurement of Orbital Soft Tissue in Malays and Chinese». Scientific Reports. 7 (1). pp. 1–9. ISSN 2045-2322. doi:10.1038/s41598-017-14829-4 
  5. American Society of Plastic Surgeons. Web. http://www.plasticsurgery.org/cosmetic-procedures/eyelid-surgery.html
  6. Taylor, Rosie (2015). July 2015 ISAPS Global Statistics Release (PDF). EUA: International Society of Aesthetic Plastic Surgery. Consultado em 8 de julho de 2015 
  7. Quick Facts: Highlights of the ISAPS 2014 Statistics on Cosmetic Surgery. (PDF). EUA: International Society of Aesthetic Plastic Surgery. 2015 
  8. Liao WC, Tung TC, Tsai TR, Wang CY, Lin CH (2005). «Celebrity arcade suture blepharoplasty for double eyelid». Aesthetic Plastic Surgery. 29 (6). pp. 540–5. PMID 16237581. doi:10.1007/s00266-005-0012-5 
  9. Mayo Clinic Staff (2016). «Blepharoplasty». Mayo Clinic. Consultado em 27 de abril de 2016 
  10. Yen MT, Jordan DR, Anderson RL (janeiro de 2002). «No-scar Asian epicanthoplasty: a subcutaneous approach». Ophthalmic Plastic and Reconstructive Surgery. 18 (1). pp. 40–4. PMID 11910323. doi:10.1097/00002341-200201000-00006 
  11. Levinovitz, Alan (22 de outubro de 2013). "Chairman Mao Invented Traditional Chinese Medicine". Slate (magazine). Acessado em 2 de julho de 2016
  12. Cornell, Joanna. "In the Eyelids of the Beholder." Yale Globalist (2010): n. pag. Web. 2 Mar 2011. http://tyglobalist.org/perspectives/in-the-eyelids-of-the-beholder/