Singapura

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Cingapura)
Ir para: navegação, pesquisa
Republic of Singapore (inglês)
新加坡共和国 (chinês)
(Xīnjiāpō Gònghéguó)

Republik Singapura (malaio)
சிங்கப்பூர் குடியரசு (tâmil)
(Chiṅkappūr Kuṭiyarachu)

República de Singapura
Bandeira de Singapura
Brasão  Singapura
Bandeira Brasão
Lema: "Majulah Singapura"  (Malaio)
"Avante, Singapura"
Hino nacional: Majulah Singapura
Gentílico: singapurense;[1][2] singapurano [3][4]

Localização  Singapura

Localização de Singapura na Península da Malásia.
Capital Área Central de Singapura
1°17′22″ N 103°51′00″ E
Língua oficial Inglês (principal)[5]
Malaio (nacional)
Mandarim
Tâmil
Governo República parlamentarista
 - Presidente Tony Tan Keng Yam
 - Primeiro-ministro Lee Hsien Loong
 - Presidente do Parlamento Abdullah Tarmugi
 - Presidente do Supremo Tribunal de Justiça Chan Sek Keong
Independência do Reino Unido 
 - Fundação 29 de janeiro de 1819 
 - Autogoverno 3 de junho de 1959 
 - Fusão com a Malásia 16 de setembro de 1963 
 - Separação da Malásia 9 de agosto de 1965 
Área  
 - Total 716,1[6] km² (187.º)
 - Água (%) 1,444
 Fronteira com a Malásia
População  
 - Estimativa para 2010 5 399 200[6] hab. (114.º)
 - Censo 2000 4 117 700[6] hab. 
 - Urbana 5,399 milhões (2013) hab. 
 - Densidade 7.540[6] hab./km² (2.º)
PIB (base PPC) Estimativa de 2014
 - Total US$ 445,174 bilhões*[7] 
 - Per capita US$ 81 345[7] 
PIB (nominal) Estimativa de 2014
 - Total US$ 307,085 bilhões*[7] 
 - Per capita US$ 56 112[7] 
IDH (2015) 0,925 (5.º) – muito elevado[8]
Gini (2012) 47,8[9]
Moeda Dólar de Singapura (SGD)
Fuso horário +8 (UTC+8)
Clima Equatorial
Org. internacionais APEC, ASEAN, Banco Mundial, Comunidade Britânica, FMI, OMC e ONU
Cód. ISO SGP
Cód. Internet .sg
Cód. telef. +65
Website governamental www.gov.sg

Mapa  Singapura

Singapura [10] (até o FO 1943, grafada Cingapura;[10][nota 1] [11] em malaio: Singapura; em inglês: Singapore; em mandarim: 新加坡 Xīnjiāpō; em tâmil: சிங்கப்பூர் Chiṅkappūr), oficialmente República de Singapura, é uma cidade-Estado insular localizada na ponta sul da Península Malaia, no Sudeste Asiático, 137 quilômetros ao norte do equador. Constituído por 63 ilhas, Singapura é separado da Malásia pelo Estreito de Johor, ao norte, e das Ilhas Riau (Indonésia) pelo Estreito de Singapura, ao sul. O país é o que apresenta o maior Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) dos países asiáticos (9° melhor do mundo em 2014). O seu território é altamente urbanizado, mas quase metade dele é coberto por vegetação. No entanto, mais terras estão sendo criadas para o desenvolvimento por meio do processo de aterramento marítimo.

Singapura foi parte de diversos impérios locais desde que foi habitado no século II d.C. O país moderno foi fundado como um posto comercial da Companhia das Índias Orientais pelo britânico Sir Stamford Raffles em 1819 com a permissão do Sultanato de Johor. O Império Britânico obteve soberania completa da ilha em 1824 e a cidade se tornou um dos Estabelecimentos dos Estreitos em 1826. Singapura foi ocupada pelo Império do Japão durante a Segunda Guerra Mundial e voltou ao domínio britânico após o conflito. Tornou-se autogovernada internamente em 1959. O território uniu-se a outros ex-territórios britânicos para formar a Malásia em 1963 e tornou-se um Estado totalmente independente dois anos mais tarde. Desde então, teve um aumento maciço em termos de riqueza e é um dos quatro Tigres Asiáticos. A economia depende fortemente da indústria e dos serviços. O país é um líder mundial em diversas áreas: é o quarto principal centro financeiro do mundo, o segundo maior mercado de casinos e o terceiro maior centro de refinação de petróleo do mundo. Seu porto é um dos cinco mais movimentados do mundo. O país é o lar do maior número de famílias milionárias em dólares per capita do planeta. O Banco Mundial considera a cidade como o melhor lugar no mundo para se fazer negócios. O país tem o terceiro maior PIB per capita por paridade do poder de compra do mundo, tornando Singapura um dos países mais ricos do planeta.

A cidade é uma república parlamentar com um sistema Westminster de governo unicameral. O Partido de Ação Popular (PAP) ganhou todas as eleições desde a concessão britânica de autonomia interna em 1959. O sistema legal de Singapura tem suas bases no sistema da common law inglesa, mas modificações foram feitas a ela ao longo dos anos, como a remoção de julgamento por júri. A imagem popular do PAP é a de um governo forte, experiente e altamente qualificado, apoiado por um serviço especializado civil e um sistema de educação com ênfase na realização e na meritocracia. No entanto, o partido é visto por alguns eleitores, críticos da oposição e observadores internacionais como sendo autoritário e demasiado restritivo quanto a liberdade individual.

Cerca de 5 milhões de pessoas vivem em Singapura, dos quais 2,91 milhões nasceram no local. A maioria da população é descendente de chineses, malaios e indianos. Há quatro línguas oficiais: inglês, chinês, malaio e tâmil. Um dos cinco membros fundadores da Associação de Nações do Sudeste Asiático, Singapura também abriga a Secretaria da APEC e é membro da Cúpula do Leste Asiático, do Movimento dos Países Não-Alinhados e da Commonwealth.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome malaio nativo do país, Singapura, deriva do sânscrito[12] (सिंहपुर, IAST: Siṃhapura; siṃha é "leão", pura é "cidade"), daí surgiu a referência costumeira ao país como a "Cidade dos Leões", e sua inclusão em muitos dos símbolos da nação (por exemplo: o seu brasão de armas. No entanto, é improvável que os leões já viveram na ilha; Sang Nila Utama, o príncipe de Srivijaya que disse ter fundado e nomeado a ilha Singapura, talvez viu um tigre malaio. Existem no entanto outras sugestões para a origem do nome e estudiosos não acreditam que a origem do nome a ser firmemente estabelecida. [13] [14] A ilha central também foi chamada de Pulau Ujong, já no século III d.C, literalmente "ilha no final" (da Península Malaia) em Malaio.[15][16]

História[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: História de Singapura

História antiga[editar | editar código-fonte]

O astrônomo greco-romano Ptolomeu (90-168 d.C) identificou um lugar chamado Sabana na área geral no segundo século,[17] e o primeiro registro escrito de Cingapura ocorre em uma narrativa chinesa do século III, descrevendo a ilha de Pu Luo Chung (蒲罗中). Esta foi em si uma transliteração do nome malaio "Pulau Ujong", ou "ilha no final" (da Península da Malásia).[18] O Nagarakretagama, poema épico javanesa, escrito em 1365, referiu-se a um assentamento na ilha chamado Tumasik (possivelmente significando "Cidade do Mar").[19] Em 1299, de acordo com o Malay Annals, uma obra literária que conta a história, origem, evolução e o declínio do Sultanato de Malaca, o Reino de Singapura foi fundado na ilha por Sang Nila Utama.[20] Embora a historicidade das narrativas, tal como dada no Malay Annals, seja o tema de debates acadêmicos,[21] é conhecido por vários documentos que Singapura no século XIV, então conhecido como Temasek, era um porto comercial sob a influência do Império Majapahit e dos reinos siameses dentro da área marítima da Grande Índia.[22][23][24][25][26][27][28] Estes reinos indianizados, um termo cunhado por George Cœdès, caracterizaram-se pela surpreendente resiliência, integridade política e estabilidade administrativa.[29] Fontes históricas também indicam que em torno do final do século XIV, seu governador Parameswara foi atacado pelo Império Majapahit ou pelo Siamês, obrigando-o a mudar para Malaca, onde fundou o Sultanato de Malaca.[30] Evidências arqueológicas sugerem que a principal colônia em Fort Canning foi abandonada por esse tempo, embora um pequeno acordo de negociação continuasse em Singapura por algum tempo depois.[31] Em 1613, invasores portugueses queimaram a colônia, e a ilha desapareceu na obscuridade nos próximos dois séculos.[32][33] Na época, Cingapura era nominalmente parte do Sutanato de Johor. A região marítima mais ampla e comercial esteve sob controle holandês nos períodos posteriores.

Colonização britânica[editar | editar código-fonte]

Thomas Stamford Raffles chegou a Singapura em 28 de janeiro de 1819 em nome da Companhia Britânica das Índias Orientais e logo reconheceu a ilha como uma escolha natural para o novo porto comericial. A ilha foi então nominalmente governada pelo sultão de Johor, que era controlado pelos holandeses e os bugis. No entanto, o Sultanato foi enfraquecido pela divisão faccional e Tengku Abdu'r Rahman e seus oficiais eram leais ao irmão mais velho de Tengku Rahman, Tengku Long, que estava morando no exílio em Riau. Com a ajuda do Temenggong, Raffles conseguiu contrabandear Tengku Long de volta a Singapura. Ele ofereceu reconhecer Tengku Long como o legítimo Sultão de Johor, dado o título de Sultan Hussein e fornecer-lhe um pagamento anual de $5000 e $3000 para Temenggong; em contrapartida, o Sultão Hussein concederia aos britânicos o direito de estabelecer uma posição comercial em Singapura.[34][35]

Em 1824, toda a ilha, bem como Temenggong, tornaram-se uma possessão britânica após um novo tratado com o Sultão. Em 1826, Singapura tornou-se parte dos Estabelecimentos dos Estreitos, sob a jurisdição da Índia Britânica, tornando-se a capital regional em 1836.[36] Antes da chegada de Raffles, havia apenas cerca de mil pessoas vivendo na ilha, principalmente nativos malaios, juntamente com uma porção de chineses.[37] Em 1860, a população aumentava para mais de 80 mil, sendo mais de metade de chineses. Muitos desses primeiros imigrantes vieram trabalhar nas plantações de pimenta. Mais tarde, na década de 1890, quando a indústria da borracha também se estabeleceu na Malásia e em Cingapura, a ilha tornou-se um centro global de triagem[38] e exportação de borracha.[39]

Singapura não foi muito afetada pela Primeira Guerra Mundial (1914-18), já que o conflito não se espalhou para o Sudeste Asiático. O único acontecimento significativo durante a guerra foi uma revolta dos sipais muçulmanos da Índia Britânica que foram guarnecidos em Cingapura, que ocorreu em 1915. Depois de ouvir rumores de que eles seriam expulsos para lutar contra o Império Otomano, que era um Estado muçulmano, os soldados se rebelaram. Eles mataram seus oficiais e vários civis britânicos antes que o motim fosse suprimido por tropas não-muçulmanas que chegavam de Johor e da Birmânia (atual Mianmar).

Após a Primeira Guerra Mundial, os britânicos construíram a grande Base Naval de Cingapura como parte da estratégia defensiva de Singapura. Originalmente anunciado em 1923, a construção da base prosseguiu lentamente até a invasão japonesa da Manchúria em 1931. Quando completada em 1939, com o custo muito grande de US$ 500 milhões, ostentava o que era então o maior cais seco do mundo, a terceira maior doca flutuante e com tanques de combustível suficientes para suportar toda a marinha britânica por seis meses.

Era defendida por canhões pesados de 15 polegadas navais estacionados em Fort Siloso, Fort Canning e Labrador, bem como um campo de pouso da Força Aérea Real na base aérea de Tengah. Winston Churchill apresentou-o como o "Gibraltar do Oriente" e as discussões militares muitas vezes se referiam à base como simplesmente "Oriente de Suez". Infelizmente, era uma base sem uma frota. A frota marítima britânica estava estacionada na Europa, e os britânicos não podiam construir uma segunda frota para proteger seus interesses na Ásia. O plano era que a frota navegasse rapidamente para Singapura em caso de emergência. No entanto, depois que estourou a Segunda Guerra Mundial em 1939, a frota estava totalmente ocupada com a defesa da Grã-Bretanha.[40]

Segunda Guerra Mundial[editar | editar código-fonte]

Durante a Segunda Guerra Mundial, o Exército Imperial Japonês invadiu a Malásia britânica, culminando na Batalha de Singapura. Quando a força britânica de 60 mil soldados se rendeu em 15 de fevereiro de 1942, o primeiro-ministro britânico Winston Churchill chamou a derrota de "o pior desastre e maior rendição da história britânica".[41] As perdas britânicas durante a batalha em Cingapura foram pesadas, com um total de quase 85 mil pessoas capturadas, além de perdas durante os primeiros combates na Malásia. Cerca de 5.000 foram mortos ou feridos, das quais os australianos constituíram a maioria. As baixas japonesas durante a luta em Singapura totalizaram 1.714 mortos e 3.378 feridos. A ocupação era tornar-se um ponto de virada importante nas histórias de várias nações, incluindo as do Japão, da Grã-Bretanha e do então estado colonial de Singapura. Os jornais japoneses declararam triunfalmente a vitória como decisão sobre a situação geral da guerra. Singapura foi renomeada Syonan-to (昭南島, Shōnan-tō), que significa "Luz do Sul". Entre 5.000 e 25.000 chineses étnicos foram mortos no subseqüente Massacre Sook Ching.[42][43]

As forças britânicas tinham planejado libertar Singapura em 1945; porém, a guerra terminou antes que essas operações pudessem ser realizadas. Foi posteriormente reocupado pelas forças britânicas, indianas e australianas após a rendição japonesa em setembro. Enquanto isso, Tomoyuki Yamashita foi julgado por uma comissão militar dos EUA por crimes de guerra, mas não por crimes cometidos por suas tropas na Malásia ou em Singapura. Ele foi condenado à morte e enforcado nas Filipinas em 23 de fevereiro de 1946.

Pós-guerra[editar | editar código-fonte]

Após a rendição dos japoneses aos Aliados em 15 de agosto de 1945, Cingapura caiu em um breve estado de violência e desordem; os saques e os assassinatos por vingança foram generalizados. As tropas britânicas lideradas por Lord Louis Mountbatten, Comandante Supremo Aliado para o Comando do Sudeste Asiático, retornaram a Cingapura para receber a rendição formal das forças japonesas em nome do general Hisaichi Terauchi em 12 de setembro de 1945 e uma administração militar britânica foi formada para governar a ilha até março de 1946. Grande parte da infra-estrutura havia sido destruída durante a guerra, incluindo instalações portuárias no porto de Singapura. Havia também uma escassez de alimentos que levavam a desnutrição, doenças, crime e violência desenfreadas. Os elevados preços dos alimentos, o desemprego e o descontentamento dos trabalhadores culminaram em uma série de greves em 1947, causando paralisações maciças no transporte público e outros serviços. No final de 1947, a economia começou a se recuperar, facilitada pela crescente demanda de lata e borracha em todo o mundo, mas levaria vários anos antes da economia retornar aos níveis anteriores à guerra.[44]

O fracasso da Grã-Bretanha em defender Singapura destruiu sua credibilidade como governante infalível aos olhos dos singapurenses. As décadas após a guerra viram um despertar político entre a população local e o surgimento de sentimentos anticoloniais e nacionalistas, sintetizados pelo slogan Merdeka, ou "independência" na língua malaia. Os britânicos, por sua vez, estavam preparados para aumentar gradualmente a autogestão para Singapura e Malásia. Em 1 de abril de 1946, os Estabelecimentos dos Estreitos foram dissolvidos e Singapura se tornou uma Colônia da Coroa separada com uma administração civil liderada por um Governador. Em julho de 1947, foram estabelecidos Conselhos Executivos e Legislativos separados e a eleição de seis membros do Conselho Legislativo foi agendada no ano seguinte.[45]

Durante a década de 1950, comunistas chineses com fortes laços com sindicatos e escolas chinesas travaram uma guerra de guerrilha contra o governo, levando à emergência da Malásia. Os distúrbios do serviço nacional de 1954, os tumultos das escolas de ensino médio chinesas e os tumultos nos ônibus em Singapura estavam todos ligados a esses eventos.[46] David Marshall, líder pró-independência da Frente Trabalhista, venceu as primeiras eleições gerais de Singapura em 1955. Ele liderou uma delegação para Londres, mas a Grã-Bretanha rejeitou sua demanda de autogoverno completo. Ele renunciou e foi substituído por Lim Yew Hock, cujas políticas convenceram a Grã-Bretanha a conceder a Singapura uma autonomia interna e completa para todos os assuntos, exceto a defesa e as relações exteriores.[47]

Durante as eleições de maio de 1959, o Partido da Ação Popular ganhou uma vitória esmagadora. Singapura tornou-se um estado autônomo interno dentro da Commonwealth, com Lee Kuan Yew como primeiro primeiro-ministro.[48] Como resultado, as eleições gerais de 1959 foram as primeiras depois que o governo autônomo interno completo foi concedido pelas autoridades britânicas. Singapura ainda não era totalmente independente, já que os britânicos ainda controlavam assuntos externos, como as relações militares e estrangeiras. No entanto, Cingapura era agora um estado reconhecido. O Governador Sir William Allmond Codrington Goode serviu como o primeiro Yang di-Pertuan Negara (Chefe de Estado), e foi sucedido por Yusof bin Ishak.[49]

Federação com a Malásia[editar | editar código-fonte]

Apesar dos seus sucessos no governo de Singapura, os líderes do PAP acreditavam que o futuro de Cingapura estava com a Malásia devido a laços fortes entre os dois países. Acreditava-se que a federação beneficiaria a economia criando um mercado comum que apoiaria novas indústrias, resolvendo assim os problemas de desemprego em Cingapura. No entanto, uma importante ala pró-comunista do PAP se opunha fortemente à fusão, temendo uma perda de influência.[carece de fontes?] Isso ocorreu porque o partido no poder da Malásia, Organização Nacional dos Malaios Unidos (ONMU), era firmemente anticomunista e apoiaria a facção não-comunista do PAP contra eles. ONMU, que inicialmente eram céticos quanto à ideia de uma fusão enquanto desconfiavam do governo do PAP e estavam preocupados com o fato de que a grande população chinesa em Singapura alteraria o equilíbrio racial de que dependia sua base de poder político, mudou de idéia sobre a fusão depois de ter medo de serem assumidos por pro-comunistas. Em 27 de maio, o primeiro-ministro da Malásia, Tunku Abdul Rahman, discutiu a ideia de uma Federação da Malásia, composta pela Federação da Malásia, Singapura, Brunei e os territórios britânicos de Bornéu e Sarawak.[50] Os líderes da ONMU acreditavam que a população malaia adicional nos territórios de Bornéu compensaria a população chinesa de Singapura. O governo britânico, por sua vez, acreditava que a fusão evitaria que Singapura se tornasse um refúgio para o comunismo.[51]

Como resultado de um referendo em 1962, em 16 de setembro de 1963, Singapura se juntou à Federação da Malásia, a Colônia de Sarawak e a Colônia de Bornéu de Norte para formar a nova federação da Malásia nos termos do Acordo da Malásia. Dado o tamanho limitado de Singapura e a falta de recursos naturais, considerou-se que a integração com a Malásia proporcionaria uma rota para o desenvolvimento econômico mais forte. A fusão também daria a legitimidade do PAP e eliminaria a ameaça do governo comunista em relação a Cingapura. No entanto, logo após a fusão, o governo do estado de Cingapura e o governo central da Malásia discordaram de muitas questões políticas e econômicas e conflitos comunitários culminaram com os conflitos raciais de 1964 em Cingapura.[52]

Em 10 de março de 1965, uma bomba plantada por sabotadores indonésios em um mezanino de um prédio explodiu, matando três pessoas e ferindo outras 33. Foi o mais mortal de pelo menos 42 incidentes de bomba ocorridos durante o Konfrontasi.[53] Dois membros da Marinha Indonésia, Osman bin Haji Mohamed Ali e Harun bin Said, foram eventualmente condenados e executados pelo crime.[54] A MacDonald House sofreu um prejuízo avaliado US$ 250 mil.[55]

Houve muitos conflitos ideológicos aquecidos entre os dois governos, mesmo na frente econômica. Apesar de um acordo anterior para estabelecer um mercado comum, Singapura continuou a enfrentar restrições ao negociar com o resto da Malásia. Em retaliação, Singapura não estendeu a Sabah e Sarawak a extensão total dos empréstimos acordados para o desenvolvimento econômico dos dois estados orientais. A situação aumentou a uma intensidade que fala em breve quebrou e os discursos abusivos e a escrita se tornaram abundantes em ambos os lados. Por isso, em 7 de agosto de 1965, o primeiro-ministro Tunku Abdul Rahman, ao não ver nenhuma alternativa para evitar mais derramamento de sangue, aconselhou o Parlamento da Malásia a votar para expulsar Singapura da Federação da Malásia. Em 9 de agosto de 1965, o Parlamento da Malásia votou 126 a 0 (delegados singapurenses não estiveram presentes) para mover um projeto de lei para emendar a constituição que prevê que Singapura se separe da Federação da Malásia.[56][57]

Independência[editar | editar código-fonte]

Singapura ganhou independência como a República de Cingapura (permanecendo na Commonwealth) em 9 de agosto de 1965 com Lee Kuan Yew como primeiro ministro e Yusof bin Ishak como presidente. As revoltas raciais surgiram mais uma vez em 1969.[58] Em 1967, o país co-fundou a Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN). Lee Kuan Yew tornou-se primeiro-ministro, e o país passou da economia do Terceiro Mundo para uma afluência de Primeiro Mundo em uma única geração. A ênfase de Lee Kuan Yew no rápido crescimento econômico, o apoio ao empreendedorismo empresarial e as limitações à democracia interna moldaram as políticas de Singapura para o próximo meio século.[59][60] O sucesso econômico continuou durante a década de 1980, com a taxa de desemprego caindo para 3% e o crescimento do PIB real em média em cerca de 8% até 1999. Durante a década de 1980, Singapura começou a atualizar para indústrias de alta tecnologia, como o setor de fabricação de bolachas, para competir com seus vizinhos que agora tinham trabalho mais barato. O Aeroporto de Singapura foi inaugurado em 1981 e a Singapore Airlines foi desenvolvida para se tornar uma grande companhia aérea.[61] O Porto de Singapura tornou-se um dos portos mais movimentados do mundo e as indústrias de serviços e turismo também cresceram imensamente durante este período. Singapura emergiu como um importante centro de transporte e um importante destino turístico.

O PAP, no poder desde 1959, é considerado autoritário por alguns ativistas e políticos da oposição que vêem a regulamentação estrita das atividades políticas e de mídia pelo governo como uma violação dos direitos políticos.[62] Em resposta, o governo de Singapura sofreu várias mudanças significativas. Os deputados não constituintes do Parlamento foram introduzidos em 1984 para permitir que até três candidatos perdedores dos partidos da oposição sejam nomeados deputados. As Constituições de Representação de Grupo (GRCs) foram introduzidas em 1988 para criar divisões eleitorais de vários lugares, destinadas a garantir a representação das minorias no parlamento.[63] Os deputados nomeados foram introduzidos em 1990 para permitir deputados não-eleitos. A Constituição foi alterada em 1991 para providenciar um presidente eleito que tenha poder de veto no uso de reservas nacionais e nomeações para cargos públicos. Os partidos da oposição argumentaram-se de que o sistema de GRC tornou difícil para eles ganharem posição nas eleições parlamentares de Singapura e o sistema de votação pluralista tende a excluir os partidos minoritários.[64][65][66]

Em 1990, Goh Chok Tong sucedeu Lee e tornou-se o segundo primeiro ministro de Singapura. Durante o mandato de Goh, o país passou por algumas crises pós-independência, como a crise financeira asiática de 1997 e o surto de síndrome respiratória aguda grave de 2003.[67]

Em 2004, Lee Hsien Loong, o filho mais velho de Lee Kuan Yew, tornou-se o terceiro primeiro-ministro do país.[68] O mandato de Lee Hsien Loong incluiu a crise financeira global de 2008, a resolução de uma disputa sobre as ferrovias malaias e a introdução de resorts integrados.[69] Apesar do crescimento excepcional da economia, o Partido da Ação Popular (PAP) sofreu os piores resultados das eleições em 2011, tendo 60% dos votos, em meio a questões de grande fluxo de trabalhadores estrangeiros e custo de vida.[carece de fontes?] Em 23 de março de 2015, Lee Kuan Yew faleceu, durante o 50º aniversáro da independência, declarando um período de um dia de luto oficial. Posteriormente, o PAP manteve seu domínio no Parlamento nas eleições gerais de setembro, recebendo 69,9% do voto popular, sendo o segundo maior resultado de votação em relação ao recorde de 75,3% em 2001.[carece de fontes?]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Geografia de Singapura
Singapura à noite vista da Estação Espacial Internacional

Singapura é constituída por 63 ilhas, incluindo a ilha de Singapura. Há duas conexões para Johor, Malásia - a Johor-Singapura Causeway, no norte, e Malaysia–Singapore Second Link no oeste, e que constituem as travessias da fronteira Malásia-Singapura sobre os estreitos de Johor. A Ilha de Jurong, Pulau Tekong, Pulau Ubin e Sentosa são as maiores ilhas de Singapura. O maior ponto natural de Singapura é na colina Bukit Timah, com 166 metros.[70] O sul de Singapura, em torno da foz do rio Singapura e que é agora a Área Central de Singapura, costumava ser a única área urbana concentrada, enquanto o restante do terreno era de floresta tropical ou utilizado para a agricultura. Desde 1960 o governo tem vindo a construir novas vilas residenciais em áreas periféricas, resultando em uma paisagem totalmente urbana. A Autoridade de Planejamento Urbano foi criada em 1 de Abril de 1974, sendo responsável pelo planejamento urbano.

Mapa de Singapura e de suas ilhas vizinhas.

No momento, Singapura passa por projetos de aterros com terra retirada de seu território e de países vizinhos. Como resultado, a área de terra de Singapura aumentou de 581,5 km² em 1960 para 704 km² atualmente, e pode aumentar mais 100 km ² até 2030.[71] Os projetos, por vezes envolvem algumas das ilhas menores, que são unidas através de recuperação de terras a fim de formar grandes ilhas, mais funcionais, como no caso da Ilha de Jurong.

Sob o sistema de classificação climática de Köppen, Singapura tem um clima equatorial, sem estações distintas. Seu clima é caracterizado por temperatura uniforme e pressão, alta umidade e chuvas abundantes. As temperaturas variam entre 22 °C a 34 °C. Em média, a umidade relativa é de cerca de 90% na parte da manhã e 60% à tarde. Durante a chuvas fortes e prolongadas, a umidade relativa muitas vezes chega a 100%.[72] As temperaturas mais baixas e mais altas já registradas foram de 19,4 °C e 35,8 °C, respectivamente. Junho e julho são os meses mais quentes, enquanto novembro e dezembro compõem a estação das monções úmidas. De agosto a outubro, muitas vezes há neblina, algumas vezes grave o suficiente para motivar as advertências de saúde pública, devido às queimadas na vizinha Indonésia. Singapura não possui horário de verão ou uma alteração no fuso horário de verão. A duração do dia é quase constante durante todo o ano, devido à localização do país, perto do equador.

Cerca de 23% do território de Singapura é constituído de terras de floresta e reservas naturais.[73] A urbanização tem eliminado muitas áreas de floresta primária anteriores, sendo a única área remanescente de floresta primária a Reserva Natural de Bukit Timah. Uma variedade de parques são mantidos com a intervenção humana, como Jardim Botânico de Singapura.

Dados climatológicos para Singapura
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima absoluta (°C) 34,3 35,2 36 35,8 35,4 35 34 34,2 34,3 34,6 34,2 33,8 36
Temperatura máxima média (°C) 30,1 31,2 31,6 31,7 31,6 31,3 30,9 30,9 30,8 31,1 30,6 30 31
Temperatura mínima média (°C) 23,3 23,6 23,9 24,4 24,8 24,8 24,6 24,5 24,2 24,1 23,7 23,5 24,1
Temperatura mínima absoluta (°C) 19,4 19,7 20,2 20,7 21,2 20,8 19,7 20,2 20,7 20,6 21,1 20,6 19,4
Precipitação (mm) 243,2 159,9 185,7 178,9 171,3 162,1 158,7 175,4 169,2 193,8 256,9 287,4 2 342,5
Dias com chuva 15 11 14 15 15 13 13 14 14 16 19 19 178
Umidade relativa (%) 84,7 82,8 83,8 84,8 84,4 83 82,8 83 83,4 84,1 86,4 86,9 84,2
Horas de sol 173,6 183,5 192,2 174 179,8 177 189,1 179,8 156 155 129 133,3 2 022,4
Fonte: National Environment Agency (temperaturas: 1929-1941 e 1948-2011; precipitação: 1869-2011, 1929-1941 e 1948-2011; umidade e dias de precipitação: 1891-2011);[74] Observatório de Hong Kong (dias de sol, 1982—2008) [75]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Demografia de Singapura
Cidade de Singapura, a capital e a maior cidade do país.

De acordo com estatísticas do governo, a população de Singapura em de 2009 era de aproximadamente 5 milhões de habitantes, dos quais 3,73 milhões eram de Singapura ou residentes permanentes (denominados "Moradores de Singapura").[76] Vários grupos linguísticos chineses formam 74,2% dos moradores de Singapura, malaios são 13,4%, 9,2% são indianos, enquanto euroasiáticos, árabes e outros grupos formam 3,2% da população.

Em 2006 a taxa de natalidade foi de 10,1 por 1000, um nível muito baixo atribuído às políticas de controle de natalidade, e a taxa de mortalidade foi também uma das mais baixas no mundo, em 4,3 por 1000. O crescimento da população total foi de 4,4%, com os residentes em Singapura crescendo a 1,8%. A alta taxa de crescimento percentual é, em grande parte, graças a imigração líquida, mas também ao aumento da esperança de vida. Singapura é o segundo país com mais alta densidade demografica do mundo depois de Mônaco. Em 1957, a população de Singapura era de, aproximadamente, 1,45 milhões, e havia uma taxa de natalidade relativamente alta. Ciente de que país é extremamente limitado em recursos naturais e em território, o governo introduziu políticas de controle de natalidade na década de 1960. No final da década de 1990 a população começou a envelhecer, com menos pessoas entrando no mercado de trabalho, gerando uma escassez de trabalhadores qualificados. Numa inversão dramática de sua política, o governo de Singapura introduziu um regime de "bônus bebê" em 2001 (melhorado em agosto de 2004), que incentivou os casais a terem mais filhos.[77]

Em 2008, a taxa de fecundidade total foi de apenas 1,28 filhos por mulher, o 3º menor nível do mundo, e bem abaixo dos 2,10 necessários para substituir a população.[76][78] Em 2008, nesceram 39.826 bebês, em comparação com cerca de 37.600 nascimentos em 2005. Esse número, entretanto, não é suficiente para manter o crescimento da população. Para ultrapassar este problema, o governo está incentivando estrangeiros a imigrar para Singapura. O grande números de imigrantes mantiveram a população de Singapura longe do declínio.[79]

Religião[editar | editar código-fonte]

O Budismo é a religião mais amplamente praticada em Singapura, tendo 33% da população residente declarando-se adepta no mais recente censo. A segunda religião mais praticada é o Cristianismo, seguida pelo Islamismo, Taoismo e Hinduísmo. 17% da população não tem uma afiliação religiosa. A proporção de cristãos, taoístas e pessoas não-religiosas aumentou entre 2000 e 2010 por cerca de 3% cada, e ao mesmo tempo, a população de budistas diminuiu. Outras religiões mantiveram-se estáveis em grande parte da sua quota da população. [80] Uma análise do Pew Research Center considerou Singapura como uma das nações que possui mais diversidade religiosa no mundo. [81] [82]

Existem monastérios e templos Dharma das três maiores tradições do Budismo em Singapura: Teravada, Mahayana e Vajrayana. A maioria dos budistas em Singapura são chineses e da tradição Mahayana,[83] tendo missionários de Taiwan e China vindo para o país por várias décadas. Todavia, o Budismo Teravada tem visto a crescente popularidade entre a população (não só os chineses) durante a última década. A religião da Soka Gakkai, uma organização budista japonesa, é praticada por muitas pessoas em Singapura, mas principalmente pela população de ascendência chinesa. O Budismo Tibetano também teve um crescimento lento no país nos últimos anos. [84]

Idiomas[editar | editar código-fonte]

Singapura tem quatro línguas oficiais: Inglês, Malaio, Chinês Mandarim e Tâmil.[85] O Inglês é a língua mais comum e é a língua dos negócios, do governo, e o meio de instrução nas escolas.[86] [87]

A Constituição de Singapura e todas as leis e documentos oficiais são escritos em Inglês e caso originalmente sejam em outra línguas das três oficiais devem ser traduzidas.[88] e um intérprete é exigido se desejar dirigir-se aos tribunais singapurenses em uma língua diferente do Inglês. [89] Apesar de ser a língua comum, o Inglês é a língua nativa de apenas um terço de todos os singapurenses, e cerca de um quarto de todos os malaios de Cingapura, um terço de todos os chineses de Singapura, e metade de todos os índios de Singapura falam como sua língua nativa. 20% dos singapurenses não sabem ler ou escrever em Inglês. [90]

A maioria dos singapurenses são bilíngues, tendo o Inglês como sua língua comum e usualmente o idioma materno como segunda língua ensinada nas escolas, a fim de preservar a identidade e os valores étnicos de cada indivíduo. As línguas oficiais entre os singapurenses são o Inglês (80% de alfabetização), Mandarim (65% de alfabetização), Malaio (17% de alfabetização) e Tâmil (4% de alfabetização). [91] [92] O Inglês singapurense é baseado no Inglês britânico [93] e as formas do inglês falados vão desde o Inglês Singapurense Padrão a uma forma coloquial conhecida como "Singlish". O ensino do"Singlish" não é recomendado pelo governo. [94]

O Mandarim é a língua que é falada como o idioma nativo da grande maioria dos singapurenses, tendo 1,2 milhões de pessoas usando como sua língua natal.[95] [96] Aproximadamente meio milhão falam outras variantes da língua chinesa, principalmente o Hokkien e Cantonês, como sua língua natal, apesar do uso desses dialetos estar declinando em favor do inglês e do Mandarim. [97] Os caracteres chineses são escritos usando a forma simplificada do Chinês.

O Malaio foi escolhido como a língua nacional pelo governo singapurense depois da independência do Reino Unido nos anos 1960 para evitar atritos com os países vizinhos falantes do idioma malaio (Malásia e Indonésia). Tem apenas um propósito simbólico e não funcional.[98] [99] É o idioma usado no hino nacional, nas citações de ordens e decorações singapurenses e nos comandos militares. Em geral, o Malaio é falado principalmente na comunidade malaia de Singapura, tendo apenas 17% dos singapurenses alfabetizados em malaio e somente 12% da população tem como sua língua nativa. [100]

Por volta de 100 mil pessoas, ou 3% dos singapurenses, falam Tâmil como sua língua nativa. [101] O Tâmil tem status de língua oficial em Singapura e não se houve tentativas de desencorajar o uso de outras línguas indianas. [102]

Política[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Política de Singapura
Parlamento de Singapura com o centro financeiro da cidade ao fundo.

Singapura é uma democracia parlamentar com um sistema Westminster de governo parlamentarista unicameral representando diferentes circunscrições. A maior parte do poder executivo cabe ao Conselho de Ministros, chefiado pelo Primeiro-Ministro, atualmente Lee Hsien Loong. Ao cargo de Presidente de Singapura, historicamente cerimonial, foram concedidos alguns poderes de veto a partir de 1991, por algumas decisões-chave, tais como o uso das reservas nacionais e da nomeação de cargos judiciais. Embora a posição deva ser eleita pelo voto popular, apenas a eleição de 1993 foi contestada até a data.

O ramo legislativo do governo é o Parlamento. Os membros eleitos do Parlamento servem como uma ponte entre a comunidade e o Governo, garantindo que as preocupações dos seus eleitores sejam ouvidas no Parlamento. O atual Parlamento possui 94 deputados, sendo composto por 84 membros eleitos do Parlamento, uma NCMP e nove membros nomeados.

O Partido de Ação Popular (PAP) é o partido no poder em Singapura desde que o autogoverno foi alcançado.[103] Há vários partidos da oposição em Singapura, sendo os mais notáveis o Partido dos Trabalhadores de Singapura, o Partido Democrático de Singapura (SDP) e a Aliança Democrática de Singapura (SDA). A Economist Intelligence Unit descreve Singapura como um regime "híbrido" de elementos democráticos e autoritários.[104] A Freedom House classifica o país como "parcialmente livre".[105] Embora as eleições gerais sejam isentas de irregularidades e fraudes eleitorais, o PAP foi criticado por alguns por manipular o sistema político através da utilização de censura, gerrymandering e difamação civil contra políticos da oposição.[106]

Istana, residência oficial e escritório do presidente.

Singapura tem uma economia de mercado bem sucedida e transparente. Empresas estatais são dominantes em diversos setores da economia local, como a comunicação social, serviços públicos e transporte público. Singapura tem sido consistentemente avaliada como o país menos corrupto da Ásia e entre os dez mais livres de corrupção do mundo, de acordo com Transparência Internacional.[107]

Embora as leis de Singapura sejam herdadas do Reino Unido e da Índia Britânica e incluam muitos elementos da common law, o governo também tem seguido a linha de não seguir alguns elementos dos valores democráticos liberais. Não existem julgamentos e existem leis que restringem a liberdade de expressão que podem produzir má vontade ou então causar desarmonia dentro da sociedade multirracial e multirreligiosa de Singapura. A atividade criminosa é geralmente punida com penas muito pesadas, incluindo multas de altíssimo valor ou cárcere, e também existem leis que permitem a pena capital no país por homicídio qualificado e tráfico de drogas. O governo de Singapura alega que o país tem o direito soberano de determinar o seu próprio sistema judicial e impor o que ele vê como uma punição adequada, incluindo a pena capital para os crimes com uma maior gravidade.[108]

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Subdivisões de Singapura

Singapura é uma cidade-Estado insular. O país está dividido em 5 regiões, que são subdivididas em áreas de planejamento urbano.

Economia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Economia de Singapura
Centro financeiro de Singapura à noite.

Singapura tem uma economia altamente desenvolvida baseada no livre-mercado, que historicamente girava em torno do entreposto comercial, em outras palavras, uma enorme economia de exportação, dependente da exportação de mercadorias para outros países. Juntamente com Hong Kong, Coreia do Sul e Taiwan, Singapura é um dos quatro Tigres Asiáticos. A economia (que entre 1966 e 1990 cresceu, em média, 8,5% ao ano) depende fortemente da exportação e refino de produtos importados, especialmente na indústria transformadora. A indústria constituía 26% do PIB de Singapura em 2005.[109] A indústria de transformação é bem diversificada, contando com os setores de eletrônica, refino de petróleo, produtos químicos, engenharia mecânica e ciências biomédicas. Em 2006, Singapura produziu cerca de 10% da produção mundial de wafer de fundição.[110] Devido a sua localização estratégica Singapura tem um dos portos mais movimentados do mundo e é o quarto maior centro de negociação de câmbio do mundo depois de Londres, Nova York e Tóquio.[111]

Singapura foi avaliada como o país com o maior número de empresas de economia familiar em todo o mundo,[112][113] com milhares de expatriados estrangeiros empregados em empresas multinacionais. Singapura é também considerado como um dos principais centros de financiamento da região e do mundo. Além disso, a cidade-Estado também emprega dezenas de milhares de trabalhadores autônomos vindos de todas as partes do mundo.

Como resultado da recessão global e uma crise no setor de tecnologia, o PIB do país contraiu 2,2% em 2001. O Economic Review Committee (ERC) foi criado em dezembro de 2001, e recomendou várias mudanças de política com vista à revitalização da economia. Singapura já se recuperou da recessão, em grande parte devido às melhorias na economia mundial, a economia de Singapura cresceu 8,3% em 2004, 6,4% em 2005[114] e 7,9% em 2006.[115] Em 19 de agosto de 2007, o Primeiro-Ministro Lee Hsien Loong anunciou que a economia de Singapura deve crescer pelo menos 4-6% anualmente durante os próximos 5-10 anos.

Vista do centro financeiro de Singapura à noite, com destaque para o Marina Bay Sands.

O PIB per capita em 2006 foi de US$ 29,474.[116] Em setembro de 2007, a taxa de desemprego era de 1,7%, o mais baixo em uma década, tendo melhorado antes da crise mundial ter chegado a Ásia.[117] O emprego continuou a crescer fortemente e a economia manteve sua rápida expansão. Nos três primeiros trimestres de 2007, 171.500 novos empregos foram criados, o que é próximo do valor de 176.000 alcançado em 2006.[117] Em 2007, a economia de Singapura cresceu 7,5% e atraiu um recorde S$16 bilhões (US$ 10,6 bilhões) dos investimentos em ativos fixos na fabricação e projetos de geração de S$ 3 bilhões (US$ 2b, € 1.6b) da despesa total de negócios nos serviços.[118] Singapura introduziu um Imposto sobre Mercadorias e Serviços (GST - sigla em inglês) com uma taxa inicial de 3% em 1 de abril de 1994, criando um aumento substancial da receita do governo de S$ 1,6 bilhão (US$ 1B, € 800m) e estabilizando as finanças públicas.[119] A GST passivo foi aumentado para 4% em 2003, para 5% em 2004 e 7% em 1 de julho de 2007.[119][120]

Devido à recessão econômica, a economia de Singapura cresceu apenas 1,1% no ano de 2008, muito inferior ao esperado de 4,5% para 6,5% de crescimento, enquanto a taxa de desemprego foi para 2,8%.[121]

Singapura é um popular destino turístico, contribuindo para a importância desse tipo de indústria. O total de visitantes em 2007 foi de 10,2 milhões de pessoas.[122] Para atrair mais turistas, o governo decidiu legalizar o jogo e permitiu que dois resorts casino se desenvolvessem em Sentosa, em 2005.[123] Para competir com as rivais regionais, como Kuala Lumpur, Bangkok, Hong Kong, Tóquio e Xangai, a área da cidade foi transformada em um dos lugares mais emocionantes do país, iluminando prédios públicos e comerciais.[124]

O Singapore Food Festival é realizado todo mês de julho para celebrar a culinária de Singapura. Outros eventos anuais incluem o Singapore Sun Festival, o Christmas Light Up e o Singapore Jewel Festival.[125] Singapura está se promovendo como um centro de turismo médico: cerca de 200.000 estrangeiros procuram atendimento médico a cada ano e o objetivo é servir um milhão de pacientes estrangeiros por ano até 2012 e gerar US$ 3 bilhões em receitas.[126]

Navios ancorados próximo ao Parque Costa Este. Destaque para a Singapore Flyer, uma das maiores roda-gigante do mundo.

Educação[editar | editar código-fonte]

A educação para os níveis primário, secundário e terciário é apoiada principalmente pelo Estado. Todas as instituições, privadas e públicas, devem ser registradas junto ao Ministério da Educação.[127] O inglês é a língua de ensino em todas as escolas públicas, e todos os assuntos são ensinados e examinados em inglês, exceto para a língua materna.[128][129] Enquanto o termo "língua materna" em geral se refere à primeira língua internacionalmente, no sistema educacional de Singapura, é usado para se referir à segunda língua, pois o inglês é a primeira língua.[130][131] Estudantes que estiveram no exterior por algum tempo, ou que lutam com a sua "língua materna", têm permissão para seguir um programa mais simples ou deixar cair o assunto.[132][133]

A educação ocorre em três etapas: ensino primário, secundário e pré-universitário. Somente o nível primário é obrigatório. Os alunos começam com seis anos de escola primária, composta por um curso de fundação de quatro anos e uma etapa de orientação de dois anos. O currículo está focado no desenvolvimento do inglês, da língua materna, da matemática e da ciência.[134] [135] A escola secundária dura de quatro a cinco anos, e é dividida entre correntes especiais, expressas, normais (acadêmicas) e normais (técnicas) em cada escola, dependendo do nível de habilidade do aluno.[136] A quebra básica do curso é a mesma que no nível primário, embora as aulas sejam muito mais especializadas.[137] A educação pré-universitária ocorre em dois ou três anos em escolas superiores, principalmente chamadas de Colégios Júnior.[138]

Os exames nacionais são padronizados em todas as escolas, com um teste realizado após cada etapa. Após os primeiros seis anos de educação, os alunos fazem o exame de saída da escola primária (PSLE),[139] o que determina a sua colocação na escola secundária. No final do estágio secundário, os exames de nível GCE "O" -Level ou "N" são realizados;[140] e ao final do estágio pré-universitário seguinte, o GCE "A" - exames de nível são feitos.[141]

Algumas escolas têm um grau de liberdade em seu currículo e são conhecidas como escolas autônomas. Estes existem a partir do nível do ensino secundário e superior.[142] Singapura possui 6 universidades públicas das quais a Universidade Nacional de Singapura e a Universidade Tecnológica de Nanyang estão entre as 20 maiores universidades do mundo.[143] [144] [145]

De todos os não-estudantes de Singapura com idade igual ou superior a 15 anos, 18% não possuem qualificações educacionais, enquanto 45% têm o PSLE como a mais alta qualificação; 15% têm o GCE 'O' Level como sua qualificação mais alta e 14% têm um diploma.[146] Os estudantes de Singapura foram consistentemente classificados como alguns dos mais bem educados do mundo, especialmente em ciência e matemática.[147][148][149][150][151]

Saúde[editar | editar código-fonte]

Singapura tem um sistema de saúde geralmente eficiente, mesmo que suas despesas de saúde sejam relativamente baixas para os países desenvolvidos.[152] A Organização Mundial da Saúde classifica o sistema de saúde de Singapura como o 6º do mundo no seu Relatório Mundial sobre a Saúde.[153] Em geral, Singapura teve a menor taxa de mortalidade infantil no mundo nas últimas duas décadas.[154] A expectativa de vida em Singapura é de 80 para os homens e 85 para as mulheres, colocando o país em 4º lugar onde há a melhor expectativa de vida. Quase toda a população tem acesso a instalações de água e saneamento melhoradas. Há menos de 10 mortes anuais por HIV por 100.000 pessoas. Existe um alto nível de imunização. A obesidade adulta é inferior a 10%.[155] A The Economist Intelligence Unit, no seu "Índice para o nascimento" de 2013 , classifica a Singapura como tendo a melhor qualidade de vida na Ásia e a sexta em geral no mundo.[156]

O sistema de saúde do governo baseia-se no quadro "3M". Esse quadro tem três componentes: o Medifund, que fornece uma rede de segurança para aqueles que não podem, de outro modo, prestar assistência médica, a Medisave, um sistema nacional obrigatório de contagem de poupança médica que cobre cerca de 85% da população e Medishield, um programa de seguro de saúde financiado pelo governo. [157] Os hospitais públicos em Singapura têm autonomia em suas decisões de gestão e competem por pacientes. Existe um regime de subsídios para pessoas de baixa renda.[158] Em 2008, 32% dos cuidados de saúde foram financiados pelo governo. Representa cerca de 3,5% do PIB de Singapura.[159]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Informação e comunicações[editar | editar código-fonte]

As tecnologias da informação e das comunicações (TIC) constituem um dos pilares do sucesso económico de Singapura. No entanto, as redes de comunicações de massa de Cingapura, incluindo as redes de televisão e de telefone, têm sido operadas pelo governo há muito tempo. Quando Singapura entrou pela primeira vez on-line, os cingapurianos poderiam usar Teleview para comunicar uns com os outros, mas ninguém fora de sua cidade-estado soberana. Publicações como The Wall Street Journal foram censuradas. [160]

A 'Ilha Inteligente' é um termo usado para descrever Singapura na década de 1990, em referência ao relacionamento adaptativo inicial da nação insular com a internet. O termo é referenciado no ensaio publicado em 1993 por William Gibson "Disneylândia com a Pena de Morte". [161] [162]

O Global Technology Report do Fórum Económico Mundial de 2015 colocou Singapura como a nação mais "Preparada para a Tecnologia". É o levantamento mais abrangente da penetração e da disponibilidade de rede de um país, em termos de mercado, infra-estrutura política e regulatória para a conectividade. Cingapura também superou os rankings da Universidade de Waseda International e-Government de 2009 a 2013, e em 2015. [163]

Singapura tem as maiores taxas de penetração de smartphones do mundo, em pesquisas da Deloitte [164] [165] e da Google Consumer Barometer - em 89% e 85% da população, respectivamente, em 2014.[166] Em geral, a taxa de penetração de telefones celulares/telemóveis é de 148 assinantes de telefonia móvel por 100 pessoas.[167]

A Internet em Cingapura é fornecida pela empresa estatal Singtel e pela parcialmente estatal Starhub e M1 Limited, e mais alguns outros provedores de serviços de internet de negócios (ISPs) que oferecem planos de serviço residencial de velocidades de até 2 Gbit/s a partir da Primavera de 2015. [168]

Equinix (332 participantes) e também a Singapore Internet Exchange (70 participantes) são pontos de troca de Internet onde provedores de serviços de Internet e redes de distribuição de conteúdo trocam o tráfego da Internet entre suas redes (sistemas autônomos) em vários locais em Singapura. [carece de fontes?]

Transportes[editar | editar código-fonte]

Trem de passageiros do MRT.

Por ser uma pequena ilha com uma alta densidade populacional, o número de carros particulares nas ruas é restrito, de modo a diminuir a poluição e os congestionamentos. Os compradores de carros devem pagar uma vez e meia o valor de mercado do veículo e disputar um Certificado de Singapura de Titularidade (COE), que permite que o carro possa andar pelas estradas de Singapura por uma década. Os preços dos veículos geralmente são significativamente maiores em Singapura do que em outros países de língua inglesa.[169] Tal como acontece com a maioria dos países da Commonwealth, os veículos e os pedestres transportam-se à esquerda.[170]

Os residentes da ilha também podem viajar a pé, bicicletas, ônibus, táxis e trem (MRT ou LRT). Duas empresas administram as linhas de ônibus e o sistema de trens do transporte público, a SBS Transit e a SMRT Corporation. Há seis empresas de táxi, que, juntas, operam com uma frota de cerca de 27 mil táxis. Os táxis são uma forma popular de transporte público, visto que as tarifas são relativamente baratas quando em comparação com muitos outros países desenvolvidos.[171]

Singapura tem um sistema viário que cobre 3.356 quilômetros, dos quais 161 km são de vias expressas.[9][172] O regime de licenciamento da Área de Singapura, implementado em 1975, tornou-se o primeiro sistema de pedágio urbano do mundo e incluiu outras medidas complementares, tais como quotas de propriedade de carro rigorosas e melhorias no transporte de massa..[173][174] Atualizado em 1998 e renomeada Estrada Eletrônica de Preços, o sistema conta com cobrança e detecção eletrônica, além de tecnologia de vigilância por vídeo.[175]

O país é um importante centro de transporte internacional na Ásia, posicionado em muitos rotas comerciais marítimas e aéreas. O Porto de Singapura, gerido pelos operadores portuários PSA Internacional e Jurong Port, foi o segundo porto segundo mais movimentado do mundo em 2005, em termos de toneladas transportas. Também é o segundo do mundo mais movimentado, atrás de Xangai, em termos de tonelagem de carga com 423 milhões de toneladas movimentados. Além disso, o porto é o mais movimentado do mundo em tráfego de transbordo e maior centro de reabastecimento de navios do mundo.[176]

Singapura é um hub da aviação no Sudeste Asiático e uma escala na rota entre Sydney e Londres.[177] Há oito aeroportos do país, sendo que o Aeroporto de Singapura abriga uma rede de mais de 100 companhias aéreas que ligam o país com cerca de 300 cidades em 70 países e territórios ao redor do mundo.[178] Além disso, o aeroporto também tem sido classificado como um dos melhores aeroportos internacionais por revistas de viagens internacionais, inclusive sendo classificado como o melhor aeroporto do mundo pela primeira vez em 2006 pela Skytrax.[179] As companhias aéreas nacionais são a Singapore Airlines, a SilkAir e a Scoot.[180]

O Porto de Singapura, um dos cinco mais movimentados do mundo.[181]

Abastecimento de água e saneamento[editar | editar código-fonte]

O acesso à água é universal, acessível, eficiente e de alta qualidade. Foram introduzidas abordagens inovadoras de gestão integrada da água, como a reutilização de água regenerada, o estabelecimento de áreas protegidas nas bacias hidrográficas urbanas e o uso de estuários como reservatórios de água doce, juntamente com a dessalinização da água do mar para reduzir a dependência do país importado da vizinha Malásia.

A abordagem de Singapura não se baseia apenas na infra-estrutura física, mas também enfatiza a legislação e a aplicação adequadas, o preço da água, a educação pública, bem como a pesquisa e o desenvolvimento. [182]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Cultura de Singapura
Visão detalhada do gopuram (torre) na entrada do Templo Sri Mariamman.

Uma vez que Singapura é uma pequena e relativamente moderna amálgama de povoamentos chineses, malaios e indianos, existe pouco de uma cultura especificamente singapuriana. De uma forma inteiramente única, os vários grupos étnicos continuam a celebrar as suas próprias culturas. Singapura é provavelmente o único lugar do mundo onde se pode encontrar um casamento malaio a ter lugar lado a lado com um casamento chinês, por exemplo. Os feriados principais refletem o modo como a cultura local celebra esta única diversidade. Ao contrário de muitas outras sociedades multiculturais, os feriados públicos principais incluem o Ano Novo do calendário gregoriano, o ano novo chinês, o Hari Raya Haji e o Deepavali.

Esportes[editar | editar código-fonte]

Desde 2008 Singapura passou a sediar uma etapa do campeonato mundial de Fórmula 1; note-se que foi a primeira corrida realizada no período noturno e com iluminação artificial na história da categoria. O vencedor da prova em 2008 foi o espanhol Fernando Alonso, corrida que ficou marcada pelo acidente do brasileiro, Nelsinho Piquet. Em 2010, o espanhol Fernando Alonso voltou a vencer em Singapura.

Feriados[editar | editar código-fonte]

Feriados
Data Nome em português Nome local Observações
01/01 Ano-Novo malaio: Tahun Baru / inglês: New Year Ano Novo no calendário gregoriano
~15/02 Ano-Novo chinês: 新年 Ano Novo no calendário chinês
12/03 a 22/03 Feriado da metade do 1° trimestre hari cuti triwulanan Dura 10 dias
~28/05 a 28/06 Férias de verão Percutian Musim Panas Começa numa sexta-feira e termina numa segunda, após um mês de duração
09/08 Feriado Nacional Kemerdekaan kebangsaan Celebração do dia da Independência na Malásia em 1965
~03/09 a 13/09 Feriado da metade do 3° trimestre hari cuti triwulanan
19/10 a 04/01 Feriado do Ano Novo Tahun Baru
25/12 Natal malaio: Natal / inglês: Christmas

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Até a entrada em vigor do AO 1990 no Brasil, seguia válida a grafia Cingapura. No entanto, o texto do AO 1990 (ver Base III-3.°[1]) indica expressamente, ao diferenciar vocábulos a serem escritos unicamente com "S" e vocábulos a serem escritos unicamente com "C", o nome do país, Singapura, como exemplo de palavra a ser escrita apenas com "S". Ver também: << http://dicionarioegramatica.com.br/2015/10/20/singapura-ou-cingapura-na-nova-ortografia-e-singapura/ DicionarioeGramatica.com.br: "Cingapura ou Singapura? Na nova ortografia, é Singapura. O novo Acordo Ortográfico (obrigatório a partir de 1º de janeiro de 2016) manda expressamente grafar “Singapura”, “com S” – “e não com C” >>. O Dicionário Aurélio, o mais vendido no Brasil, já eliminou as formas com "c" - "cingapurense", "cingapuriano" de seus dicionários, passando a registrar e atestar apenas as formas "singapurano" e "singapurense" para aquilo ou aquele que é nativo de "Singapura".

Referências

  1. Instituto de Linguística Teórica e Computacional. «singapurense». Vocabulário Ortográfico Português. Portal da Língua Portuguesa. Consultado em 26 de abril de 2012 
  2. Dicionário Aurélio
  3. Dicionário Aurélio
  4. Dicionário Priberam
  5. «Mandarin Starts at Home». The Straits Times. 18 de março de 2009. Consultado em 18 de março de 2009 
  6. a b c d «Statistics Singapore – Latest Data – Population & Land Area (Mid-Year Estimates)». Statistics Singapore. 2013. Consultado em 14 de outubro de 2013 
  7. a b c d Fundo Monetário Internacional (FMI), ed. (Outubro de 2014). «World Economic Outlook Database». Consultado em 29 de outubro de 2014 
  8. «Human Development Report 2016 – "Human Development for Everyone"» (PDF) (em inglês). Human Development Report (Human Development Report Office) - United Nations Development Programme. Consultado em 22 de março de 2017 
  9. a b «Distribution of family income – Gini Index». CIA. 2012. Consultado em 15 de agosto de 2013 
  10. a b «Singapura ou Cingapura? Na nova ortografia, é Singapura.». DicionarioeGramatica.com.br. Consultado em 22 de outubro de 2015 
  11. «Designação do Embaixador do Brasil na República de Singapura» 
  12. https://web.archive.org/web/20010411060419/http://www.bartleby.com/61/46/S0424600.html
  13. C.M. Turnbull (30 October 2009). A History of Modern Singapore, 1819–2005. NUS Press. pp. 21–22. ISBN 978-9971694302.
  14. John N. Miksic (15 November 2013). Singapore and the Silk Road of the Sea, 1300_1800. NUS Press. pp. 151–152. ISBN 978-9971695743.
  15. "Sang Nila Utama". Singapore Infopedia. National Library Board. 26 de novembro de 1999. Retrieved 3 May 2011.
  16. Xu Yunqiao, History of South East Asia, 1961 Singapore World Publishing Co. 许云樵 《南洋史》 星洲世界书局 1961年
  17. https://web.archive.org/web/20060426231828/http://www.hsse.nie.edu.sg/staff/kahack/cc%202.3%20%28Little%20India%29.htm
  18. https://web.archive.org/web/20070323095958/http://inic.utexas.edu/asnic/countries/Singapore/Singapore-History.html
  19. Victor R Savage, Brenda Yeoh (15 June 2013). Singapore Street Names: A Study of Toponymics. Marshall Cavendish. p. 381. ISBN 9789814484749.
  20. Dr John Leyden and Sir Thomas Stamford Rffles (1821). Malay Annals. p. 43.
  21. John N. Miksic (15 November 2013). Singapore and the Silk Road of the Sea, 1300_1800. NUS Press. p. 154. ISBN 978-9971695743.
  22. Robert M. W. Dixon, Y. Alexandra, Adjective Classes: A Cross-linguistic Typology , page 74, Oxford University Press, 2004, ISBN 0-19-920346-6
  23. Matisoff, James (1990), "On Megalocomparison", Language, 66 (1): 106–120, JSTOR 415281, doi:10.2307/415281
  24. Enfield, N. J. (2005), "Areal Linguistics and Mainland Southeast Asia", Annual Review of Anthropology, 34: 181–206, doi:10.1146/annurev.anthro.34.081804.120406
  25. RJ LaPolla, The Sino-Tibetan Languages, La Trobe University
  26. Kenneth R. Hal (1985). Maritime Trade and State Development in Early Southeast Asia. University of Hawaii Press. p. 63. ISBN 978-0-8248-0843-3.
  27. http://www.academia.edu/2635407/As_in_Heaven_So_on_Earth_The_Politics_of_Visnu_Siva_and_Harihara_Images_in_Preangkorian_Khmer_Civilisation
  28. https://web.archive.org/web/20150923172419/http://www.anthropology.hawaii.edu/People/Faculty/Stark/pdfs/AP1999%20article.pdf
  29. Pierre-Yves Manguin, “From Funan to Sriwijaya: Cultural continuities and discontinuities in the Early Historical maritime states of Southeast Asia”, in 25 tahun kerjasama Pusat Penelitian Arkeologi dan Ecole française d'Extrême-Orient, Jakarta, Pusat Penelitian Arkeologi / EFEO, 2002, p. 59-82.
  30. John N. Miksic (15 November 2013). Singapore and the Silk Road of the Sea, 1300–1800. NUS Press. pp. 155–163. ISBN 978-9971695743.
  31. C.M. Turnbull (30 October 2009). A History of Modern Singapore, 1819–2005. NUS Press. pp. 21–22. ISBN 978-9971694302.
  32. Borschberg, P. (2010). The Singapore and Melaka Straits. Violence, Security and Diplomacy in the 17th century. Singapore: NUS Press. pp. 157–158. ISBN 978-9971-69-464-7.
  33. http://countrystudies.us/singapore/3.htm
  34. http://www.mindef.gov.sg/imindef/about_us/history/overview/the_early_years/v01n02b_history.html
  35. https://web.archive.org/web/20070927183512/http://app.supremecourt.gov.sg/default.aspx?pgID=39l
  36. http://www.archiveeditions.co.uk/titledetails.asp?tid=17
  37. https://web.archive.org/web/20110223000344/http://yesterday.sg/discover-more/communities-festivals/communities/the-malays/
  38. http://eresources.nlb.gov.sg/history/events/a8ceea4c-1c8b-4c9a-885c-b85038b39e4c
  39. https://web.archive.org/web/20090508135636/http://app.www.sg/who/32/Founding-of-Modern-Singapore.aspx
  40. Kevin Tan. Marshall of Singapore: A Biography.
  41. http://news.bbc.co.uk/onthisday/hi/dates/stories/february/15/newsid_3529000/3529447.stm
  42. http://lcweb2.loc.gov/cgi-bin/query/r?frd/cstdy:@field(DOCID+sg0027)
  43. Blackburn, Kevin; Hack, Karl (2004). Did Singapore Have to Fall?: Churchill and the Impregnable Fortress. Routledge. p. 132. ISBN 0203404408.
  44. http://countrystudies.us/singapore/9.htm
  45. http://www.sg/explore/history_towards.htm
  46. https://web.archive.org/web/20120207082203/http://library.thinkquest.org/12405/19.htm
  47. http://countrystudies.us/singapore/10.htm
  48. https://query.nytimes.com/gst/fullpage.html?res=9D0CE4DD123DF931A35751C1A966958260
  49. https://web.archive.org/web/20110603225639/http://www.singaporelaw.sg/content/LegalSyst1.html
  50. "MCA: WIPE OUT EXTREMISTS" (18 February 1959). Singapore Standard.
  51. http://eresources.nlb.gov.sg/newspapers/Digitised/Article/straitstimes19620328-1.2.70.1?ST=1&AT=advanced&K=campaign+for+merger+in+singapore&KA=campaign+for+merger&DF=&DT=09%2F08%2F1965&Display=0&NPT=&L=English&CTA=Article&QT=campaign,for,merger,in,singapore&oref=article
  52. http://eresources.nlb.gov.sg/history/events/1dab53ea-788c-461c-acfb-ca625b974c9c
  53. http://eresources.nlb.gov.sg/newspapers/Digitised/Article/straitstimes19650516-1.2.85
  54. http://eresources.nlb.gov.sg/newspapers/Digitised/Article/straitstimes19650406-1.2.99
  55. http://eresources.nlb.gov.sg/newspapers/Digitised/Article/straitstimes19651009-1.2.46
  56. http://lcweb2.loc.gov/cgi-bin/query/r?frd/cstdy:@field(DOCID+sg0033)
  57. http://eresources.nlb.gov.sg/history/events/dc1efe7a-8159-40b2-9244-cdb078755013#27
  58. Sandhu, Kernial Singh; Wheatley, Paul. Management of Success: The Moulding of Modern Singapore. Institute of Southeast Asian Studies. p. 107. ISBN 9789813035423.
  59. http://madeinthoughts.com/pdf/LeeKuanYew.pdf
  60. http://www.straitstimes.com/singapore/remembering-lee-kuan-yew-our-chief-diplomat-to-the-world
  61. http://www.changiairport.com.sg/changi/en/about_us/history_changi.html
  62. http://news.bbc.co.uk/2/hi/asia-pacific/4976536.stm
  63. http://statutes.agc.gov.sg/non_version/cgi-bin/cgi_getdata.pl?actno=2001-REVED-218&doctitle=PARLIAMENTARY%20ELECTIONS%20ACT%0A&segid=946439076-000003
  64. Chua Beng Huat (1995). Communitarian Ideology and Democracy in Singapore. Taylor & Francis, ISBN 978-0-203-03372-2
  65. https://web.archive.org/web/20080827213801/http://www.elections.gov.sg/presidential_elections.htm
  66. Ho Khai Leong (2003) Shared Responsibilities, Unshared Power: The Politics of Policy-Making in Singapore. Eastern Univ Pr. ISBN 978-981-210-218-8
  67. http://eresources.nlb.gov.sg/infopedia/articles/SIP_860_2004-12-27.html
  68. http://eresources.nlb.gov.sg/infopedia/articles/SIP_860_2004-12-27.html
  69. http://news.bbc.co.uk/1/hi/world/asia-pacific/country_profiles/1143240.stm
  70. «Heritage Trails: Bukit Timah Hill». Heritage trails. Consultado em 9 de outubro de 2012 
  71. «Towards Environmental Sustainability, State of the Environment 2005 Report (PDF)». Ministry of the Environment and Water Resources, Singapore. Consultado em 14 de abril de 2006 
  72. «Climate of Singapore». National Environment Agency, Singapore. Consultado em 14 de abril de 2006 
  73. «Earthtrends country profile» (PDF) 
  74. «Weather Statistics» (em inglês). National Environment Agency. Consultado em 23 de outubro de 2012 
  75. «Climatological Normals of Singapore» (em inglês). Observatório de Hong Kong. Consultado em 12 de maio de 2010 
  76. a b «Singapore Statistic» (PDF). Singapore Statistic. Consultado em 28 de setembro de 2009 
  77. «Baby Bonus». Ministry of Community Development, Youth and Sports. Consultado em 1 de novembro de 2006 
  78. «CIA - Singapore» 
  79. «Singapore's birth trend outlook remains dismal». Channel NewsAsia 
  80. Singapore Statistics (ed.). «"Census of population 2010: Statistical Release 1 on Demographic Characteristics, Education, Language and Religion"» (PDF). Singapore Statistics. Consultado em 5 de março de 2017 
  81. Pew Research Center (ed.). «Global Religious Diversity». Pew Research Center. Consultado em 5 de março de 2017 
  82. «Pew Research Center's Religion & Public Life Project: Singapore.». Pew Research Center. Consultado em 5 de março de 2017 
  83. Bosi, Khun Eng Kuah (2009). State, society, and religious engineering: toward a reformist Buddhism in Singapore. Singapura: Institute of Southeast Asian Studies. ISBN 978-981-230-865-8 
  84. Taylor Francis Online (ed.). «Religious education in a secular state: The Singapore experience». Taylor Francis Online. Consultado em 5 de março de 2017 
  85. «"Republic of Singapore Independence Act, s.7"» 
  86. «"Education UK Partnership – Country focus"». British Council 
  87. «"Speech by Mr S. Iswaran, Senior Minister of State, Ministry of Trade and Industry and Ministry of Education"». Ministry of Education 
  88. «"Constitution of the Republic of Singapore. Part I"» 
  89. «"What do I do if I can't speak English?"». Singapore Subordinate Courts 
  90. «"Census of population 2010: Statistical Release 1 on Demographic Characteristics, Education, Language and Religion"» (PDF). Singapore Statistics. Consultado em 5 de março de 2017 
  91. «"Census of population 2010: Statistical Release 1 on Demographic Characteristics, Education, Language and Religion"» (PDF). Singapore Statistics. Consultado em 5 de março de 2017 
  92. «"Census of Population 2010"». Singapore Statistics. Consultado em 5 de março de 2017 
  93. «"What are some commonly misspelled English words?"». Singapore: National Library Board. 18 de abril de 2008. Consultado em 5 de março de 2017 
  94. Tan Hwee Hwee, ed. (22 de julho de 2002). «"A war of words is brewing over Singlish"». Time. Consultado em 5 de março de 2017 
  95. «"Census of population 2010: Statistical Release 1 on Demographic Characteristics, Education, Language and Religion"» (PDF). Singapore Statistics. Consultado em 5 de março de 2017 
  96. Mariko Oi (ed.). «"Singapore's booming appetite to study Mandarin"». BBC News. Consultado em 5 de março de 2017 
  97. «"Chapter 2 Education and Language". General Household Survey 2005, Statistical Release 1: Socio-Demographic and Economic Characteristics.». Singapore Statistics. Consultado em 5 de março de 2017 
  98. «"Republic of Singapore Independence Act, s.7".» 
  99. Ammon, Ulrich; Dittmar, Norbert; Mattheier, Klaus J. (2006). Sociolinguistics: An international handbook of the science of language and society. 3. Berlin: Walter de Gruyter. ISBN 978-3-11-018418-1. Retrieved 27 February 2011.
  100. «"Census of population 2010: Statistical Release 1 on Demographic Characteristics, Education, Language and Religion"» (PDF). Singapore Statistics. Consultado em 5 de março de 2017 
  101. «"Census of population 2010: Statistical Release 1 on Demographic Characteristics, Education, Language and Religion"» (PDF). Singapore Statistics. Consultado em 5 de março de 2017 
  102. «"Returning Singaporeans – Mother-Tongue Language Policy"». Ministry of Education. Consultado em 5 de março de 2017 
  103. Worthington (2002), Mauzy and Milne (2002).
  104. «Economist Intelligence Unit democracy index 2006» (PDF). Economist Intelligence Unit. Consultado em 13 de setembro de 2007 
  105. «Country Report: Singapore». Freedom House 
  106. Seow F (1994). "To Catch a Tartar: A Dissident in Lee Kuan Yew's Prison ", Yale University SEA press.
  107. «Transparency International - Corruption Perceptions Index 2006». Consultado em 3 de fevereiro de 2007 
  108. «The Singapore Government's Response To Amnesty International's Report "Singapore - The Death Penalty: A Hidden Toll Of Executions"» (Nota de imprensa). Ministry of Home Affairs, Singapore. 30 de janeiro de 2004 
  109. «Gross Domestic Product by Industry» (PDF). Singapore Department of Statistics. 2007. Consultado em 13 de setembro de 2007 
  110. «Xilinx Underscores Commitment To Asia Pacific Market At Official Opening Of New Regional Headquarters Building In Singapore» (Nota de imprensa). Xilinx. 14 de setembro de 2007. Consultado em 21 de novembro de 2007 [ligação inativa] 
  111. «MAS Annual Report 2005/2006». Monetary Authority of Singapore 
  112. Wong Choon Mei (6 de setembro de 2006). «Singapore the most business-friendly economy in the world: World Bank». Singapore News. Singapore: Channel NewsAsia. Consultado em 31 de janeiro de 2008. Singapore has been rated as the most business-friendly economy in the world. According to a World Bank-IFC report, Singapore beats previous winner New Zealand for the top spot in the 2005/2006 rankings while the United States came in third. 
  113. «Singapore top paradise for business: World Bank». Washington: AFP. 26 de setembro de 2007. Consultado em 31 de janeiro de 2008. SINGAPORE once again topped the World Bank's ranks for the best place in the world to do business, and Egypt is the leader in reforms to invite more business, the World Bank said on Tuesday. 'For the second year running, Singapore tops the aggregate rankings on the ease of doing business' in 2006 to 2007, the World Bank said in releasing its 'Doing Business 2008' report. www.Singaporeian.com 
  114. «Performance of the Singapore Economy in 2005, Ministry of Trade and Industry» (PDF). Consultado em 14 de abril de 2006. Cópia arquivada (PDF) em 23 de agosto de 2006 
  115. Dominique Loh (31 de dezembro de 2006). «Singapore's economy grows by 7.7% in 2006». Channel NewsAsia 
  116. «Per Capita GDP at Current Market Prices». Singapore Department of Statistics. 16 de fevereiro de 2006 
  117. a b Manpower Research and Statistics Department. «Employment Situation In Third Quarter 2007: Unemployment rate dropped to pre-Asian crisis level amid continued strong employment creation» (PDF). Singapore Ministry of Manpower. Consultado em 30 de dezembro de 2007 
  118. Ramesh, S. «Singapore's economy grows 7.5% in 2007: PM Lee». Channel NewsAsia 
  119. a b «FY 1996 Budget, Revenue And Tax Changes». Consultado em 1 de maio de 2006 
  120. «GST rate to rise to 7% from 1 July». Consultado em 15 de fevereiro de 2007 
  121. «Singapore's economy grew by 1.1% in 2008» (PDF). Consultado em 26 de fevereiro de 2009 
  122. Year Book of Statistics, Singapore. Singapore Tourism Board.
  123. «Proposal to develop Integrated Resorts – Ministerial Statement by Prime Minister Lee Hsien Loong» (PDF) (Nota de imprensa). Ministry of Trade and Industry (Singapore). 18 de abril de 2005. Consultado em 22 de abril de 2010 
  124. «Let Bright Ideas Light Up Singapore» (Nota de imprensa). Urban Renewal Authority. 27 de março de 2006. Consultado em 22 de abril de 2010 
  125. What's On in Singapore, YourSingapore.com.
  126. Dogra, Sapna (16 de julho de 2005). «Medical tourism boom takes Singapore by storm». Express Healthcare Management. Mumbai. Consultado em 22 de abril de 2010 
  127. http://www.moe.gov.sg/education/private-education/
  128. http://www.moe.gov.sg/education/admissions/international-students/general-info/
  129. https://web.archive.org/web/20080406231811/http://www.moe.gov.sg/education/scholarships/asean/faq/
  130. http://www.moe.gov.sg/media/speeches/2003/sp20030215a.htm
  131. http://www.channelnewsasia.com/stories/singaporelocalnews/view/1065927/1/.html
  132. https://web.archive.org/web/20080408195106/http://www.moe.gov.sg/education/admissions/returning-singaporeans/mother-tongue-policy/
  133. http://www.moe.gov.sg/media/press/2004/pr20040109.htm
  134. http://www.moe.gov.sg/education/primary/
  135. https://web.archive.org/web/20080407095703/http://www.moe.gov.sg/education/primary/curriculum/
  136. http://www.moe.gov.sg/education/secondary/
  137. https://web.archive.org/web/20080407202048/http://www.moe.gov.sg/education/secondary/express/
  138. https://web.archive.org/web/20080405194544/http://www.moe.gov.sg/education/pre-u/
  139. http://www.moe.gov.sg/education/primary/
  140. https://www.moe.gov.sg/education/secondary
  141. https://www.moe.gov.sg/images/default-source/default-album/sg-education-landscape-print9e3a5a33f22f6eceb9b0ff0000fcc945.jpg
  142. http://www.moe.gov.sg/education/secondary/
  143. http://www.moe.gov.sg/education/secondary/
  144. http://www.straitstimes.com/singapore/education/how-singapores-six-public-universities-differ
  145. http://www.topuniversities.com/university-rankings/world-university-rankings/2015
  146. https://web.archive.org/web/20101113153652/http://www.singstat.gov.sg/pubn/popn/ghsr1/chap2.pdf
  147. https://www.theguardian.com/news/datablog/2013/dec/03/pisa-results-country-best-reading-maths-science
  148. http://www.straitstimes.com/singapore/education/singapore-tops-biggest-global-education-rankings-published-by-oecd
  149. http://nces.ed.gov/timss/table07_1.asp
  150. http://nces.ed.gov/timss/table07_3.asp
  151. http://www.straitstimes.com/singapore/education/over-half-of-international-baccalaureate-top-scorers-from-singapore
  152. https://archive.is/20121210052940/http://www.watsonwyatt.com/europe/pubs/healthcare/render2.asp?ID=13850
  153. http://www.who.int/whr/2000/media_centre/press_release/en/index.html
  154. http://www.singstat.gov.sg/statistics/latest-data#16
  155. http://www.who.int/gho/countries/sgp.pdf
  156. http://www.economist.com/news/21566430-where-be-born-2013-lottery-life
  157. https://archive.is/20121210052940/http://www.watsonwyatt.com/europe/pubs/healthcare/render2.asp?ID=13850
  158. http://www.who.int/whr/2000/en/whr00_en.pdf
  159. http://apps.who.int/whosis/database/core/core_select_process.cfm
  160. Sandfort, Sandy (April 1993). "The Intelligent Island". Wired. https://www.wired.com/1993/04/sandfort/
  161. Sandfort, Sandy (April 1993). "The Intelligent Island". Wired. https://www.wired.com/1993/04/sandfort/
  162. Gibson, William (April 1993). "Disneyland with the Death Penalty". Wired. https://www.wired.com/1993/04/gibson-2/
  163. http://reports.weforum.org/global-information-technology-report-2015/press-releases/
  164. http://www.todayonline.com/singapore/smartphone-penetration-singapore-highest-globally-survey
  165. http://www2.deloitte.com/au/en/pages/media-releases/articles/our-mobile-world-always-on-FOMO-or-necessity-251114.html
  166. http://digital.asiaone.com/digital/news/6-top-things-singaporeans-do-when-using-their-smartphones
  167. http://www.singstat.gov.sg/statistics/latest-data#19
  168. http://www.viewqwest.com/vqlp/2gbps-faq/
  169. Aquino, Kristine (17 de fevereiro de 2011). «BMW Costing $260,000 Means Cars Only for Rich in Singapore as Taxes Climb». Bloomberg. New York. Consultado em 2 de julho de 2011 
  170. «Once you're here: Basic Road Rules and Regulations». Expat Singapore. 16 de agosto de 2009. Consultado em 27 de fevereiro de 2011 
  171. «Taxi info» (PDF). Land Transport Authority. 2014. Consultado em 12 de agosto de 2014 
  172. «Public transport ridership» (PDF). Land Transport Authority. Consultado em 2 de julho de 2011. Cópia arquivada em 16 de fevereiro de 2010 
  173. Small, Kenneth A.; Verhoef, Erik T. (2007). The Economics of Urban Transportation. London: Routledge. p. 148. ISBN 978-0-415-28515-5 
  174. Cervero, Robert (1998). The Transit Metropolis. Washington DC: Island Press. p. 169. ISBN 1-55963-591-6. Chapter 6/The Master Planned Transit Metropolis: Singapore 
  175. «Electronic Road Pricing». Land Transport Authority. Consultado em 16 de abril de 2008. Cópia arquivada em 10 de abril de 2008 
  176. «Singapore remains world's busiest port». China View. Beijing. Xinhua. 12 de janeiro de 2006. Consultado em 22 de abril de 2010 
  177. Marks, Kathy (30 de novembro de 2007). «Qantas celebrates 60 years of the 'Kangaroo Route'». The Independent. Londres 
  178. About Changi Airport
  179. «2006 Airport of the Year result». World Airport Awards. Consultado em 1 de junho de 2006. Cópia arquivada em 31 de dezembro de 2006 
  180. Yap, Jimmy (30 de janeiro de 2004). «Turbulence ahead for Singapore flag carrier». BrandRepublic. Londres: Haymarket Business Media 
  181. Kelly, Rachel (10 de janeiro de 2008). «Singapore retains busiest world port title». Channel News Asia. Singapore 
  182. Ivy Ong Bee Luan (2010). "Singapore Water Management Policies and Practices". International Journal of Water Resources Development. 26 (1): 65–80. https://doi.org/10.1080%2F07900620903392190

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Conteúdo relacionado com Singapore no Wikimedia Commons
Bandeira de Singapura Singapura
Bandeira • Brasão • Hino • Cultura • Demografia • Economia • Forças Armadas • Geografia • História • Portal • Política • Subdivisões • Imagens