Parque da Ciência Newton Freire Maia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Estrutura[editar | editar código-fonte]

O Parque da Ciência está dividido em vários pavilhões e espaços, sendo:

  • Pavilhão de Exposições Temporárias;
  • Recepção e Pavilhão Introdução;
  • Pavilhão Cidade;
  • Pavilhão Energia;
  • Pavilhão Água;
  • Pavilhão Botânica;
  • Habitações Indígenas;
  • Palco Paraná; e
  • Mire.

Existem dois Pavilhões para exposições temporárias, o que fica próximo a recepção e o Trigêmios, que são três pavilhões anexados uns aos outros que fica ao fundo do parque.

Na Recepção encontram-se o guarda-volume e onde é passado as normas do Parque da Ciência aos visitantes, e, parte dele é destinado ao Pavilhão Introdução, onde tempos painéis a respeito da Teoria do Big Bang, uma projeção da Terra no início da sua existência e aparatos da Copel a fim de explicar o fim do óleo Ascarrel.

No Pavilhão Cidade, destinado a Geografia, Artes, Matemática, Tecnologia e Mitologia, encontram-se: um pequeno labirinto, uma maquete feita a partir de uma fotografia aérea da cidade de Curitiba, Espaços da Cidade de Curitiba, como a "Boca Maldita", a Sala Milton Santos, funcionamento da câmera com infra-vermelho, uma sala de espelhos, e vários painéis a respeito da desigualdade, economia, entre outros.

No Pavilhão Energia, voltado mais a Física e Astronomia, há a Casa Cabocla para evidenciar a importância da água e energia, um exemplar de uma turbina hidroelétrica da Usina Hidroelétrica Governador Parigot de Souza, uma máquina a vapor, o Planetário que trata das constelações indígenas brasileiras, área com espelhos destinada a óptica, experimento para mostrar a conservação de energia, vídeo de aproximadamente 10 minutos para mostrar que a ciência que constrói pode ser a ciência que destrói, e painéis a respeito da energia atômica, energia eólica, entre outros. Ainda compõe este pavilhão a Sala da Física, onde existem alguns experimentos como Gerador de Van der Graaff, Bobina de Tesla, princípios de Oersted e Faraday, Sistema de Polias, Chispa Ascendente, Anéis Saltantes, Bomba de Vácuo, e Magnetismo.

No Pavilhão Água, que trata de Biologia, Física, Arqueologia, e Química temos: O Experimento de Arquimedes, maquete da Terra Plana, maquete da Terra com aproximadamente 3 metros de diâmetro, Terrário, mostra do DNA em escala gigantesca, com as respectivas letras nomeadas, maquete de uma célula animal, maquete de um cérebro humano, Experimentos de densidade, uma réplica de uma gruta com inscrições rupestres, painel com ossos reais de animais mostrando a evolução, Representação de um sítio arqueológico, maquetes de cidades poluídas e limpas, e vários painéis sobre a água e sua gigantesca importância na vida terrestre. Ainda conta com a Sala de Química, onde é possível ver a quantidade de água que possui em seu corpo com uma balança especial, e onde são possíveis fazer experiências químicas com os produtos.

No Pavilhão Botânica há um herbário e painéis sobre a diversidade da fauna e flora brasileira.


Referências[editar | editar código-fonte]