Pedro Eiras

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita referências, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde novembro de 2014). Ajude a inserir fontes confiáveis e independentes. Material controverso que esteja sem fontes deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Pedro Eiras
Nascimento 24 de maio de 1975 (44 anos)
Porto, Portugal Portugal
Prémios Prémio P.E.N. Clube Português de Ensaio (2006)
Género literário Romance, teatro, ensaio

Pedro Eiras (Porto, 24 de Maio de 1975) é um escritor português. É professor de Literatura Portuguesa na Faculdade de Letras da Universidade do Porto[1], investigador do Instituto de Literatura Comparada Margarida Losa e membro da rede internacional de pesquisa LyraCompoetics.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Antes dos Lagartos, teatro, in Dramaturgias Emergentes, vol. 1, Dramat-Cotovia, 2001.[1]
  • Anais de Pena Ventosa, romance, Campo das Letras, 2001.[1]
  • Estiletes, contos, Fundação Ciência e Desenvolvimento, 2001.[1]
  • Passagem, teatro, in Cinco Peças Breves, Campo das Letras, 2002.
  • Um Forte Cheiro a Maçã, teatro, Campo das Letras, 2003.
  • Recitativo dos Livros do Deserto, teatro, Campo das Letras, 2004.
  • Esquecer Fausto, ensaio, Campo das Letras, 2005.
  • As Sombras, teatro, Campo das Letras, 2005.
  • A Moral do Vento. Ensaio sobre o corpo em Gonçalo M. Tavares, Caminho, 2006.
  • A Lenta Volúpia de Cair. Ensaios sobre poesia, Quasi, 2007.
  • Os Três Desejos de Octávio C., ficção, Relógio d'Água, 2008.
  • Arrastar Tinta, catálogo (com Nuno Barros, pintura), Deriva, 2008.
  • Um Punhado de Terra, teatro, Deriva, 2009.
  • Boomerang, crónicas, Pé de Mosca, 2009.
  • Tentações. Ensaio sobre Sade e Raul Brandão, Deriva, 2009.
  • Substâncias Perigosas, crónicas, Livrododia, 2010.
  • Um Certo Pudor Tardio. Ensaio sobre os «poetas sem qualidades», Afrontamento, 2011.
  • Os Ícones de Andrei. Quatro diálogos com Tarkovsky, CIAS, 2012.
  • A Vida Repercutida. Uma leitura da poesia de Gastão Cruz (com Luis Maffei), Esfera do Caos, 2012.
  • Bela Dona e outros monólogos, teatro, Companhia das Ilhas, 2012.
  • A Cura, ficção, QuidNovi, 2013 (2ª ed., Assírio & Alvim, 2017).
  • Constelações. Ensaios comparatistas, Afrontamento, 2013.
  • Como se Faz um Jogo das Comunidades?, Apenas Livros, 2014.
  • Teatro I, Húmus, 2014.
  • Teatro II, Húmus, 2014.
  • Bach, Assírio & Alvim, 2014.
  • Platão no Rolls-Royce. Ensaio sobre literatura e técnica, Afrontamento, 2015.
  • Cartas Reencontradas de Fernando Pessoa a Mário de Sá-Carneiro, Assírio & Alvim, 2016.
  • Alumiação. Ensaio sobre poesia, visão e cegueira (com Susana Paiva, fotografia), Huggly Books, 2016.
  • Constelações 2. Estudos comparatistas, Afrontamento, 2016.
  • […]. Ensaio sobre os mestres, Documenta, 2017
  • O Riso de Momo. Ensaio sobre os ofícios de Pedro Proença, Documenta / Fundação Eugénio de Almeida, 2018

Outros dados: textos literários[editar | editar código-fonte]

As suas peças têm sido encenadas, lidas, e apresentadas em Portugal, Bélgica, Brasil, Bulgária, Cabo Verde, Espanha, França, Grécia, Eslováquia, Roménia.

Destaque para a encenação de Une Lettre à Cassandre (Uma Carta a Cassandra) por David Strosberg, no Théâtre Les Tanneurs, Bélgica, em 2013, para a encenação de ПИСМО ДО КАСАНДРА (Uma Carta a Cassandra) por Ivan Urumov, no Teatro «Exército da Bulgária», Sófia, em 2016, e para a encenação de Um Forte Cheiro a Maçã por Pedro Giestas e Tiago Fernandes, com produção Companhia de Actores, no Teatro Municipal Amélia Rey Colaço, Lisboa, em 2018.

A peça Um Forte Cheiro a Maçã foi traduzida para francês, editada por Les Solitaires Intempestifs e difundida pela rádio France Culture (2005). Uma Carta a Cassandra foi traduzida para romeno, editada no volume Teatru Portughez Contemporan e lida em Brasov (2007).

No Brasil, publicou Um Forte Cheiro a Maçã seguido de Uma Carta a Cassandra (Oficina Raquel, 2008) e Os Três Desejos de Octávio C. (Oficina Raquel, 2012).

Outros dados: ensaios[editar | editar código-fonte]

Com Esquecer Fausto. A fragmentação do sujeito em Raul Brandão, Fernando Pessoa, Herberto Helder e Maria Gabriela Llansol, ganhou o Prémio Prémio PEN Clube Português de Ensaio referente a obras publicadas em 2005.

Coordenou o volume Jovens Ensaístas Lêem Jovens Poetas, Deriva, 2008. Editou diversos libretos Materiais para o Fim do Mundo, publicados on line pelo Instituto de Literatura Comparada Margarida Losa.

Traduziu livros de Jean-Luc Nancy, Pascal Quignard, Victor Hugo, Antonin Artaud, e (com Rosa Maria Martelo) Stéphane Mallarmé.

No Brasil, publicou Substâncias Perigosas, Casa da Palavra, 2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d «Pedro Eiras». Portal da Literatura. Consultado em 1 de Novembro de 2014