Pedro Eiras

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde novembro de 2014) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Pedro Eiras
Nascimento
Porto, Portugal Portugal
Prémios Prémio P.E.N. Clube Português de Ensaio (2006)
Género literário Romance, teatro, ensaio

Pedro Eiras (Porto, 24 de Maio de 1975) é um escritor português. É professor de Literatura Portuguesa na Faculdade de Letras da Universidade do Porto[1], investigador do Instituto de Literatura Comparada Margarida Losa e membro da rede internacional de pesquisa LyraCompoetics.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Antes dos Lagartos, teatro, in Dramaturgias Emergentes, vol. 1, Dramat-Cotovia, 2001.[1]
  • Anais de Pena Ventosa, romance, Campo das Letras, 2001.[1]
  • Estiletes, contos, Fundação Ciência e Desenvolvimento, 2001.[1]
  • Passagem, teatro, in Cinco Peças Breves, Campo das Letras, 2002.
  • Um Forte Cheiro a Maçã, teatro, Campo das Letras, 2003.
  • Recitativo dos Livros do Deserto, teatro, Campo das Letras, 2004.
  • Esquecer Fausto, ensaio, Campo das Letras, 2005.
  • As Sombras, teatro, Campo das Letras, 2005.
  • A Moral do Vento. Ensaio sobre o corpo em Gonçalo M. Tavares, Caminho, 2006.
  • A Lenta Volúpia de Cair. Ensaios sobre poesia, Quasi, 2007.
  • Os Três Desejos de Octávio C., ficção, Relógio d'Água, 2008.
  • Arrastar Tinta, catálogo (com Nuno Barros, pintura), Deriva, 2008.
  • Um Punhado de Terra, teatro, Deriva, 2009.
  • Boomerang, crónicas, Pé de Mosca, 2009.
  • Tentações. Ensaio sobre Sade e Raul Brandão, Deriva, 2009.
  • Substâncias Perigosas, crónicas, Livrododia, 2010.
  • Um Certo Pudor Tardio. Ensaio sobre os «poetas sem qualidades», Afrontamento, 2011.
  • Os Ícones de Andrei. Quatro diálogos com Tarkovsky, CIAS, 2012.
  • A Vida Repercutida. Uma leitura da poesia de Gastão Cruz (com Luis Maffei), Esfera do Caos, 2012.
  • Bela Dona e outros monólogos, teatro, Companhia das Ilhas, 2012.
  • A Cura, ficção, QuidNovi, 2013. 2ª ed., Assírio & Alvim, 2017.
  • Constelações. Ensaios comparatistas, Afrontamento, 2013.
  • Como se Faz um Jogo das Comunidades?, Apenas Livros, 2014.
  • Teatro I, Húmus, 2014.
  • Teatro II, Húmus, 2014.
  • Bach, Assírio & Alvim, 2014.
  • Platão no Rolls-Royce. Ensaio sobre literatura e técnica, Afrontamento, 2015.
  • Cartas Reencontradas de Fernando Pessoa a Mário de Sá-Carneiro, Assírio & Alvim, 2016.
  • Alumiação. Ensaio sobre poesia, visão e cegueira (com Susana Paiva, fotografia), Huggly Books, 2016.
  • Constelações 2. Estudos comparatistas, Afrontamento, 2016.

Outros dados: textos literários[editar | editar código-fonte]

As suas peças têm sido encenadas, lidas, e apresentadas em Portugal, Bélgica, Brasil, Bulgária, Cabo Verde, Espanha, França, Grécia, Eslováquia, Roménia. Destaque para a encenação de Une Lettre à Cassandre (Uma Carta a Cassandra) por David Strosberg, no Théâtre Les Tanneurs, Bélgica, em 2013, e para a encenação de ПИСМО ДО КАСАНДРА (Uma Carta a Cassandra) por Ivan Urumov, no Teatro «Exército da Bulgária», Sófia, em 2016.

A peça Um Forte Cheiro a Maçã foi traduzida para francês, editada por Les Solitaires Intempestifs e difundida pela rádio France Culture (2005). Uma Carta a Cassandra foi traduzida para romeno, editada no volume Teatru Portughez Contemporan e lida em Brasov (2007).

No Brasil, publicou Um Forte Cheiro a Maçã seguido de Uma Carta a Cassandra (Oficina Raquel, 2008) e Os Três Desejos de Octávio C. (Oficina Raquel, 2012).

Outros dados: ensaios[editar | editar código-fonte]

Com Esquecer Fausto. A fragmentação do sujeito em Raul Brandão, Fernando Pessoa, Herberto Helder e Maria Gabriela Llansol, ganhou o Prémio Prémio PEN Clube Português de Ensaio referente a obras publicadas em 2005.

Coordenou o volume Jovens Ensaístas Lêem Jovens Poetas, Deriva, 2008. Editou diversos libretos Materiais para o Fim do Mundo, publicados pelo Instituto de Literatura Comparada Margarida Losa.

Traduziu livros de Jean-Luc Nancy, Pascal Quignard, e (com Rosa Maria Martelo) Stéphane Mallarmé.

No Brasil, publicou Substâncias Perigosas, Casa da Palavra, 2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d «Pedro Eiras». Portal da Literatura. Consultado em 1 de Novembro de 2014