Pergaminho Vindel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
O pergamimho Vindel (Pierpont Morgan Library, New York, Vindel MS M979)

O Pergaminho Vindel é um texto copiado no final do século XIII ou começo do XIV e possui características similares ao Cancioneiro da Ajuda. Contém as sete cantigas de amigo de Martim Codax, com notação musical incluída em seis.

A descoberta deste pergaminho deve-se à sorte: ocorreu quando Pedro Vindel no princípio do século XX o encontrou em sua biblioteca, servindo de forro a um exemplar do De officiis de Cícero.

História[editar | editar código-fonte]

A descoberta deste pergaminho deveu-se ao acaso. O comerciante de livros antigos Pedro Vindel encontrou-o na sua biblioteca, em 1914, na guarda interior de um exemplar do livro De officiis de Cícero, do século XIV com encadernação do século XVIII.

O pergaminho foi adquirido a Pedro Vindel pelo diplomático e musicólogo Rafael Mitjana, que o depositou na sua biblioteca de Uppsala, cidade sueca na qual residia. À sua morte, em 1921, a biblioteca passou à sua viúva e posteriormente foi vendida pelos seus herdeiros. Após várias vicissitudes, o pergaminho foi adquirido pelo bibliófilo Otto Haas e posto à venda em Londres pelo seu colega Albi Rosenthal. Finalmente foi comprado pela Pierpoint Morgan Library de Nova Iorque, na qual se conserva desde 1977, sob a assinatura Ms. 979.

A primeira notícia da descoberta foi feita a conhecer por Pedro Vindel, em fevereiro de 1914, na revista Arte Español. No ano seguinte, em 1915, o livreiro publicou a primeira edição fac-símile do manuscrito.

Descrição[editar | editar código-fonte]

O tamanho do pergaminho é de 34 x 45 cm. Está escrito por uma única face, a quatro colunas, com 26, 24, 23 e 17 linhas respectivamente. A primeira coluna contém 5 pentagramas, 6 a segunda, 6 a terceira e 4 a quarta. O texto foi escrito em tinta preta e os pentagramas em tinta vermelha. As iniciais estão ornamentadas a azul e vermelho. O nome do jogral Martim Codax aparece na parte superior do pergaminho, a vermelho. Na cópia do pergaminho intervieram várias mãos.

Contém sete cantigas de amigo, seis delas com notação musical:

Os seus textos já eram conhecidos por fazer parte dos cancioneiros sem música da lírica galaico-portuguesa. Contudo, a sua música constitui, com as sete cantigas de amor de Dom Dinis, encontradas no Pergaminho Sharrer, as únicas amostras encontradas da canção profana galaico-portuguesa. A música das cantigas está escrita em notação quadrada, com ligaduras similares às Cantigas de Santa Maria.

A descoberta do pergaminho veio confirmar a hipótese sobre a existência de folhas com o texto e a música das poesias trovadorescas que eram entregadas pelos trovadores aos jograles para a sua interpretação.

Referências e bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Fernández de la Cuesta, Ismael (1980). Manuscritos y fuentes musicales en España. Edad Media. [S.l.]: Alpuerto. ISBN 84-381-0029-5  Parâmetro desconhecido |situação= ignorado (ajuda) (em espanhol)
  • Fernández de la Cuesta, Ismael (1983). Historia de la música española. Vol 1. Desde los orígenes hasta el ars nova. [S.l.]: Alianza Editorial. ISBN 84-206-8501-1  Parâmetro desconhecido |situação= ignorado (ajuda) (em espanhol)
  • Fernández de la Cuesta, Ismael (1982). Les cantigas de amigo de Martín Codax. [S.l.]: Cahiers de Civilisation Médiévale  (em francês)
  • Ferreira, Manuel Pedro (1986). O som de Martin Codax. Sobre a dimensão da lirica galego-portuguesa (séculos XII-XIV). [S.l.: s.n.]  (em português)
  • Pena, Xosé Ramón (2002), Historia da literatura medieval galego-portuguesa, Santiago de Compostela, Sotelo Blanco. ISBN 84-7824-399-2
  • Vindel, Pedro (1914). Las siete canciones de la enamorada, poema musical por Martín Códax, juglar del siglo XII. [S.l.]: Revista Arte Español 3 (No 1, febrero 1914)  (em espanhol)
  • Vindel, Pedro (1915). Martín Códax. Las siete canciones del siglo XII. Publícase en facsímil, ahora por primera vez con algunas notas. [S.l.]: Sucesores de M. Minuesa  (em espanhol)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]