Plebeia droryana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaPlebeia droryana
Entrada Plebeia Droryana em habitat natural
Entrada Plebeia Droryana em habitat natural
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Arthropoda
Classe: Insecta
Ordem: Hymenoptera
Superfamília: Apoidea
Família: Apidae
Subfamília: Meliponinae
Tribo: Trigonini
Género: Plebeia
Espécie: P. droryana
Nome binomial
Plebeia droryana
(Friese, 1900)

A Plebeia droryana, também chamada de mirim mosquito, mirim, droryana. É uma abelha social sem ferrão, da subfamilia Meliponinae e tribo Trigonini de ampla distribuição no Brasil. A espécie possui coloração escura com desenhos amarelos e cerca de 3 mm de comprimento, nidificando em fendas de árvores ocas e buracos nas rochas ou muros. São inteiramente mansas, cujos ninhos são encontrados em diversos lugares, sendo que utilizam desde árvores até barrancos, desde que os ocos sejam de tamanho apropriado e não aquecidos pelo sol em demasia. A entrada do ninho é feita por um acesso geralmente pequeno na parte exterior elaborado com própolis, não sendo fechada à noite diferente de outras espécias. Os favos de cria são horizontais ou helicoidais e ocorrem células reais.[1] O invólucro está presente nos favos de cria e é construído com cerume.[2] As colônias podem ser constituídas por 2.000 a 3.000 abelhas (Lindauer & Kerr, 1960). A construção dos favos de cria é suspensa no inverno ou em uma parte dele no Estado de São Paulo.[2] Nesta espécie, ocorrem machos normais e gigantes, ambos são tratados da mesma maneira pelas operárias.[3] A Plebeia droryana produz um mel apreciado, porém escasso.

Entrada do ninho[editar | editar código-fonte]

Com frequência ocorre entrada dupla. Uma das entradas é um pequeno tubo construído com própolis com uma saliência maior na parte inferior denominado patamar e a outra tem formato circular.

Tamanho das operárias[editar | editar código-fonte]

3,5mm

Coloração[editar | editar código-fonte]

Asas com pelos escuros, cabeça e tórax pretos e abdômen e pernas de coloração amarela. Na face há uma faixa amarela estreita da lateral interna dos olhos compostos.

Distribuição geográfica[editar | editar código-fonte]

A Plebeia droryana tem um distribuição uma grande distribuição no Brasil, nos estados da Bahia, Espírito Santo, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul e São Paulo.[4]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

"Jataí" e "jati" procedem do tupi antigo îate'i.[5]

Referências

  1. «Plebeia droryana (Friese, 1900)». IB USP. Consultado em 6 de Maio de 2017 
  2. a b Nogueira-Neto (1970). A criação de abelhas indígenas sem ferrão. [S.l.]: Tecnapis 
  3. Cortopassi-Laurino, M. Contribuição para o conhecimento dos machos de Plebeia droryana Friese (Apidae, Meliponinae). Dissertação, IB-USP, 1978.
  4. Silveira et al., 2002. Abelhas Brasileiras. Belo Horizonte.
  5. NAVARRO, E. A. Dicionário de Tupi Antigo: a Língua Indígena Clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 164.
Ícone de esboço Este artigo sobre abelhas, integrado ao Projeto Apiologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.