Portal:Revolução dos Cravos/Citação selecionada

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


Artigos


Utilização

Para inserir uma nova página é só continuar na página na próxima sub página disponível.

O modelo da predefinição está em Portal:Revolução dos Cravos/Citações/Layout

Em seguida atualize o número total de subpáginas em {{Random subpage}} na seção |start=1|end=número da última seção|seed=2

Portal:Revolução dos Cravos/Citações/1

"Meus senhores, como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos. Ora, nesta noite solene, vamos acabar com o estado a que chegámos! De maneira que, quem quiser vir comigo, vamos para Lisboa e acabamos com isto. Quem for voluntário, sai e forma. Quem não quiser sair, fica aqui!"
Salgueiro Maia, 24 de Abril de 1974

Portal:Revolução dos Cravos/Citações/2

"Aqui posto de comando do Movimento das Forças Armadas.
As Forças Armadas portuguesas apelam para todos os habitantes da cidade de Lisboa no sentido de se recolherem a suas casas, nas quais se devem conservar com a máxima calma. Esperamos sinceramente que a gravidade da hora que vivemos não seja tristemente assinalada por qualquer acidente pessoal, para o que apelamos para o bom senso dos comandos das forças militarizadas, no sentido de serem evitados quaisquer confrontos com as Forças Armadas. Tal confronto, além de desnecessário, só poderia conduzir a sérios prejuízos individuais que enlutariam e criariam divisões entre os portugueses, o que há que evitar a todo o custo. Não obstante a expressa preocupação de não fazer correr a mínima gota de sangue de qualquer português, apelamos para o espírito cívico e profissional da classe médica, esperando a sua acorrência aos hospitais, a fim de prestar a eventual colaboração, que se deseja, sinceramente, desnecessária."
Joaquim Furtado, locutor responsável pela leitura do primeiro comunicado do MFA, 25 de Abril de 1974

Portal:Revolução dos Cravos/Citações/3

"Povo Português, vivemos um momento histórico como talvez desde 1640 não se vive. Pela libertação da pátria! [...]"
Francisco Sousa Tavares, 25 de Abril de 1974