Post-scriptum

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde janeiro de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Post-scriptum ou P.S. (do latim, significa literalmente "escrito depois"), originariamente, indicava algo que julgasse necessário acrescentar a uma carta após o seu encerramento (fecho, assinatura etc). Com o tempo, foi-se percebendo que esta fórmula servia para corrigir os lapsos de memória ou simplesmente informar que haviam ocorrido alterações depois que se dera a carta por concluída.

O post-scriptum pode também ser utilizado como uma estratégia retórica: depois de percorrer todo o corpo do texto, o leitor se depara com uma ideia posta em destaque, colocada ali com suposta despreocupação, que equivaleria na fala ao "Ah! Antes que eu me esqueça…", que sempre anuncia o mais importante que se tem a dizer. É justamente esse efeito do post scriptum que explica a sua utilização nas cartas e mensagens escritas no computador, uma vez que, com os recursos de correção e arrependimento trazidos pelos processadores de texto, o utilizador pode simplesmente incluir no texto o que tinha esquecido. Em português o termo equivalente é "Em tempo:" ou "pós-escrito", uma expressão modernizada encontrada em alguns dicionários. Ainda assim, mantém-se a abreviatura "P.S.".

Atualmente "P.S." deixou de ser usado apenas coloquialmente como um adendo/apêndice em um texto e passou a ser usado também como complemento ou explicação casual, parcial ou inteira. É o mesmo que se colocar uma observação sobre parte citada ou sobre um texto por completo.