Praça Raul Soares

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Praça Raul Soares, nos dias atuais.
Praça Raul Soares, logo após seu ajardinamento em 1936.

A Praça Raul Soares é uma das principais praças de Belo Horizonte. Construída em estilo francês, está situada na confluência de quatro importantes avenidas: Olegário Maciel, Augusto de Lima, Amazonas e Bias Fortes. A praça recebe esse nome em homenagem ao ex-presidente de Minas Gerais, Raul Soares de Moura.

  • Ao longo da história da cidade, houve uma gradual desvalorização do espaço urbano ao redor da praça, especialmente em função da insegurança e criminalidade noturnos. Entretanto, em 2008, passou por reformas de revitalização que foram aprovadas por meio do programa Orçamento Participativo da prefeitura e chegaram a custar 2 milhões e 600 mil reais.[1] Foram instalados novos bancos, sistema de iluminação noturna, e reforma da fonte central, a qual passou a tocar música erudita em horários determinados. [2]

Foram revitalizados os canteiros e os passeios, instalados novos bancos, bebedouros e fonte. O projeto visou a dar mais segurança e acessibilidade ao fluxo de pedestres. Para isso, foram feitas intervenções paisagísticas, na iluminação, nos passeios, além da despoluição visual. Árvores comprometidas foram substituídas, postes de iluminação foram redimensionados, bancas e lixeiras, além de publicidades, foram retiradas e adaptadas de acordo com o Código de Posturas. Os passeios receberam calçamento adequado para fácil acesso, principalmente de deficientes físicos e visuais.

A Praça Raul Soares é tombada pelo IEPHA e por isso não pode ser descaracterizada, apenas restaurada.

Um curioso fato sobre a praça ocorre com quem vem de carro pela avenida Bias Fortes, na altura do número 1427. Ali se observa um estranho fenômeno, onde os carros que seguem pela avenida ao entrar na rotatória erram a sua faixa. Por isso ela é conhecida pelos belo-horizontinos como a rotatória do retardo.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências