Predefinição Discussão:Linguagens de programação

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

C++ como linguagem académica[editar código-fonte]

Tanto quanto sei, o C++ é uma linguagem usada muito no mercado de jogos, mas também é usada em algumas bibliotecas, como a Qt. Proponho q o C++ passe a linguagem comercial. Quanto ao C, esta já concordo que esteja como linguagem académica, embora seja usada no mercado, sendo o kernel do Linux feito quase totalmente feito em C (apenas algumas partes em Assembly). --Bigs msg 16:16, 25 Janeiro 2006 (UTC)

A pergunta deveria ser[editar código-fonte]

Qual o critério que deve ser usado para uma linguagem ser considerada comercial nesta predefinição? Cvalente

Eu acho que o critério é como a linguagem foi criada e não o uso dela. Obviamente qualquer coisa pode ser utilizada para uso comercial. Mas a questão é: A linguagem foi inventada pela comunidade científica ou por uma empresa? O Pascal eu sei que foi por um professor de uma universidade na Suiça, agora o c++ eu não quem como foi criado. --Sekelsenmat 02:49, 23 Maio 2006 (UTC)
C++ foi criado nos Laboratórios Bell por este senhor. Pelo que julgo saber, os laboratórios Bell são uma empresa privada, embora envolvida em investigação não necessariamente aplicada. Cvalente 20:30, 24 Maio 2006 (UTC)

[editar código-fonte]

Adicionei essa linguagem nova (Lê-se sí-ômega).

Ligações externas[editar código-fonte]

Linguagem C[editar código-fonte]

Seguindo o mesmo raciocínio feito acima para C++, a linguagem C não deve ser considerada como acadêmica, pois foi criada por uma empresa privada (Bell Labs da AT&T) por um de seus funcioánrios, Dennis Ritchie, para ser utilizada no sistema Unix, também um sistema comercial desenvolvido pela empresa.

Em nenhum momento a linguagem passou pela academia e tanto sua criação como seu uso foram feitos por uma instituição comercial.

--girino 03:08, 23 Setembro 2006 (UTC)

Sim, faz todo o sentido e é coerente com a conclusão relativa ao C++.
Cláudio Valente 10:09, 24 Setembro 2006 (UTC)
Concordo também. Quando isso será alterado? Não faz sentido deixar o C como linguagem acadêmica.
Leandro Piccilli 22:30, 5 Outubro 2006 (UTC)
Fiz a mudança de C de linguagem acadêmica para linguagem comercial. Apesar de ter sido muito usada (ainda é) pelo mundo acadêmico, isso é somente reflexo de sua ampla utilização comercial, e pelo fato de ser linguagem muito interessante para explicar o modelo von Neumann. O C é e sempre foi uma linguagem comercial. Leonardo Stabile msg 23:48, 5 Outubro 2006 (UTC)

Linguagem Livre[editar código-fonte]

E qual o critério para uma linguagem ser considerada livre? Faço esta pergunta porque a linguagem ASP está listada como livre e não vejo motivo para isto.

Leandro Piccilli 22:34, 5 Outubro 2006 (UTC)

Também não entendi o conceito. O artigo sobre PHP é o único que cita explicitamente que a linguagem é livre, mas também não sei o que isso significa. Seria sua especificação open source?! A menos que a situação seja explicada creio que essa divisão deva ser eliminada. Leonardo Stabile msg 23:48, 5 Outubro 2006 (UTC)

ASP[editar código-fonte]

Aos usuários anônimos que estiverem incluindo ASP como linguagem de programação: ASP não é uma linguagem de programação, é um conjunto de tecnologias para geração de páginas WEB, que podem ser programadas por VBScript, JScript, PerlScript, essas sim linguagens de programação. Leonardo Stabile msg 23:48, 5 Outubro 2006 (UTC)

C#[editar código-fonte]

Reverti a alteração de anônimo dizendo que C# é livre, pois o verbete C_Sharp diz o oposto.

Euphoria[editar código-fonte]

Como recentemente adicionei o artigo para Euphoria, eu tomei liberdade para organizar Predefinição:Linguagens de programação por ordem alfabética, e adicionei Euphoria como linguagem de programação livre na Predefinição:Linguagens de programação.

--Ricvelozo 22:57, 10 Fevereiro 2007 (UTC)

Linguagens esotéricas[editar código-fonte]

Não devia ter essa classe? Linguagens como INTERCAL e Brainfuck foram criadas como gozação, mas podem servir como exercícios (provar que são Turing completa, por exemplo) ou para criptografar partes de um código fonte. Albmont 19:56, 14 Maio 2007 (UTC)

A princípio sou contra pois a predefinição é bem clara em estipular que estão presentes somente as principais linguagens de programação; também pudera. Linguagens esotéricas possuem uso majoritariamente educativo, não estão presentes amplamente nas diversas áreas de programação. Entretanto não vejo problemas em adicionar uma ou outra para que a categoria esteja representada. Leonardo Stabile msg 20:22, 14 Maio 2007 (UTC)

Principais linguagens[editar código-fonte]

Eu acho que há muitas linguagens nesta predefinição (seção: Linguagens comerciais), umas até que acho que não são tão usadas... Na verdade, acho que deveriam deixar apenas as principais linguagens, mesmo. Acho que deveriam ser revisadas as linguagens, principalmente as comerciais. Acredito que Smalltalk devesse também, ficar na seção: Linguagens históricas. --Ricvelozo 02h14min de 8 de Setembro de 2007 (UTC)

Interwiki[editar código-fonte]

Adicionei interwikis, já que esta predefinição não possuia nenhuma. Para outras wikis, fiz ligações para esta predefinição. --Ricvelozo 17h10min de 24 de Novembro de 2007 (UTC)

Linguagens comerciais[editar código-fonte]

Linguagens livres podem ou não ser comerciais... Por este motivo, mudei a categoria "Linguagens comerciais" para "Linguagens proprietárias", o que deixa a divisão mais coerente. --Ricvelozo (discussão) 21h35min de 12 de Janeiro de 2008 (UTC)

Aproveitei também para colocar ligações para as categorias na predefinição, para o leitor, se não saber, poder conhecer a definição de uma linguagem livre, por exemplo. --Ricvelozo (discussão) 21h47min de 12 de Janeiro de 2008 (UTC)

Não são sinônimos. Da forma atual fica a impressão de que C, C++ e, pasmem, Lisp, são linguagens proprietárias. Se é para permanecer essa nova divisão, que se reorganize os itens da lista. --Leonardo Stabile msg 21h49min de 12 de Janeiro de 2008 (UTC)

Por mim permanecia a divisão de comerciais e eliminava-se a de linguagens livres, está sim fora de foco no contexto da predefinição. --Leonardo Stabile msg 21h50min de 12 de Janeiro de 2008 (UTC)
Fiz certas mudanças na predefinição, de acordo com seu pedido. --Ricvelozo (discussão) 17h37min de 19 de Janeiro de 2008 (UTC)

Novo layout[editar código-fonte]

Que tal pôr um novo layout a esta predefinição? Tipo, a predefinição Cinema/Star Wars, e talvez, entre cada categoria, uma linha para separá-las... O que acham? --Ricvelozo (discussão) 17h40min de 19 de Janeiro de 2008 (UTC)

Como ninguém objetou-se, fiz as mudanças para um novo layout para esta predefinição. --Ricvelozo (discussão) 17h46min de 16 de Fevereiro de 2008 (UTC)

Nova categoria: esotéricas[editar código-fonte]

Adicionei uma categoria na predefinição: Linguagens esotéricas. --Ricvelozo (discussão) 20h56min de 2 de Fevereiro de 2008 (UTC)

Novo parâmetro: histórico[editar código-fonte]

Adicionei um novo parâmetro ("Histórico"-"h"-"Histórica desta predefinição"). Também corrigi a descrição do parâmetro "Editar", que não funcionava. --Ricvelozo (discussão) 20h42min de 16 de Fevereiro de 2008 (UTC)

Nova linguagem de programação[editar código-fonte]

Adicionei uma nova linguagem de programação a predefinição: Logic Basic. --Ricvelozo (discussão) 22h07min de 16 de Fevereiro de 2008 (UTC)

Critério para inclusão de linguagens[editar código-fonte]

Qual o critério que norteia a inclusão ou exclusão de uma linguagem nesta pré definição?

O critério é popularidade, de acordo com o Índice TIOBE. Mas, para alguns campos desta predefinição (como "Linguagens acadêmicas"), estão algumas linguagens menos populares, pois haviam poucas linguagens para preencher. No caso do Projeto Harbour, a linguagem não é tão popular (não só pelo Índice TIOBE, mas também se pode notar pela quantidade de artigos nas Wikipedias sobre o assunto), e o campo das "Linguagens livres" já está cheio (comparado aos outros campos) e por isso, apenas as mais populares estão inclusas. --Ricvelozo (discussão) 03h56min de 7 de abril de 2010 (UTC)

Ok, é que o TIOBE além de ter critérios altamente questionáveis, publicamente, se refere a uma exposição mundial na web das linguagens e não sua relevância. No Brasil, linguagens xBase, principalmente o Clipper e agora o Harbour seu sucessor natural fazem muito sucesso. Ainda hoje boa parte das aplicações que rodam em empresas brasileiras, especialmente em comércio, são aplicações originalmente feitas em Clipper e hoje rodando ou em Clipper mesmo ou um dos seus sucessores. De fato, seus usuários não são muito ativos na web, o que não é indicador de popularidade. A web é um microcosmo não um espelho do mundo

Empiricamente dá para dizer que boa parte, senão a maioria, das pequenas empresas de desenvolvimento de aplicações administrativas do Brasil, utilizam um dialeto xBase, sendo os principais, Clipper, Harbour, xHarbour e FoxPro. Ainda se encontra muitas ofertas de vagas em jornais principalmente para Harbour/xHarbour, mais que muitas das linguagens bem famosas. Não só o Harbour deveria estar listado aí, como outras linguagens e embora não queira defender nenhuma linguagem, pelo critério TIOBE, sinto falta de Scala (nem conheço bem a linguagem)

Eu sinto que isso cria um ciclo vicioso. Esse tipo de usuário fica acanhado por ver suas tecnologias ficar em 2o. plano e ela fica em 2o. plano porque os usuários ficam acanhados.

Gostaria que pensasse em alguma forma de criar uma oportunidade para novas linguagens importantes, talvez nem tanto quanto é na equivalente em inglês que acabou virando links para categorias, mas que tivesse alguma outra forma. Talvez uma nova linha para linguagens de nicho. A minha opinião é que esta prédefinição ganharia com isso, qual é a sua? Mesmo que não dê para fazer nada agora, pense em algo que possa melhorar a situação e tornar a Wikipedia mais relevante para um grupo enorme de programadores.

Particularmente eu estou tentando tornar os dialetos xBase mais relevantes, refletindo a realidade que ocorre no mundo real fora da Internet.

Sei que observações empíricas são mais complicadas, mas boa parte da pesquisa científica é feita desta forma e o fato de não termos uma referência clara na web, não significa que não exista ou a informação seja falsa. É um pouco complicado lhe mostrar as ofertas de emprego em jornais de papel para indicar a relenvância específica no Brasil. Por alguma razão, algumas coisas não tem uma co-relação direta na web.

Por fim, Unicon e Euphoria mais populares que dialetos xBase? Nem se pegar o pior dos dialetos xbase isoladamente e pegar a popularidade mundial na web ou fora dela dessas 2 linguagens, dá para corroborar com essa classificação. Na verdade, se o critério for o TIOBE, elas nem aparecem e pelo jeito, em anos nunca houve pedido de inclusão no índice. Então talvez aí esteja uma boa solução neste caso. R é popular? Haskell é popular? Concordo 100% em listá-la como acadêmica, até porque até o Simon Peyton-Jones diz que ela é exclusivamente acadêmica. Object Pascal sequer tem uma página minimamente informativa, com erros graves e praticamente é um direcionamento para o Delphi. A maioria dos programadores Delphi nunca ouviram falar na expressão Object Pascal, um absurdo:-) mas mostra como não há tanta relevância. Pelos critérios apresentados, nem deveria ser listada, embora não eu não esteja querendo criticar a presença e sim a falta de linguagens relevantes.

Se falta espaço para novas linguagens, uma solução simples, seria eliminar a repetição em mais que uma linha. Tcl é outro exemplo de linguagem que pelos critérios expostos também não merece tanto assim estar listada lá (embora eu até vejo relevância do Tcl se considerar aspectos que vão além do que a web diz), mas cai no problema de já estar listada em linguagem acadêmica. Boo é uma linguagem que praticamente não é usada por qualquer pessoa. Não questiono sua presença porque é uma linguagem com muito potencial (critério empírico) e por ser uma das duas linguagens brasileiras que certamente merecem destaque na WP pt. nem acho que deva colocar SAS em linguagens acadêmicas, apesar do TIOBE dizer (obviamente por critérios ruins de pesquisa) que ela é popular. Achei legal você não considerar Actionscript como uma variante do Javascript como o TIOBE faz, já que a linguagem em si muda muito pouco, menos que os inúmeros dialetos Basic que são colocados como uma coisa só no TIOBE.

Não sei o quento conhece a história do Clipper no Brasil, só para deixar claro, dos dialetos xBase mais usados, FoxPro e Clipper foram descontinuados, xHarbour é apenas uma implementação diferente do Harbour que é a única implementação 100% compatível com o Clipper e tenta e cada vez tem mais sucesso em ser compatível com todos os outros dialetos (faz parte do DNA do Harbour ser compatível), portanto é o representante mais significativo da família xBase.

Provavelmente o Harbour deveria ter destaque nas verões es, it e ru da WP também, mas aí não é conosco:-)

Espero ter colaborado com ideias para melhorar ainda mais a prédefinição. Tenho certeza que entenderá o que coloco e pensará em uma solução que aumentará a qualidade da informação disponível principalmente para programadores que falam a língua portuguesa.

Aceito sugestões para tentar pelo menos aproximar a presença do Harbour no mundo virtual quanto ele tem no mundo real.

Obrigado pela sua atenção.

Na verdade, Euphoria aparecia no índice, só que não entre as 20 linguagens "mais" (agora vejo que não aparece mais), e a linguagem Unicon foi niclusa pois o campo "Linguagens acadêmicas" estava pequeno, e sendo próxima de Icon, resolvi colocá-la. Além disso, foi colocada no campo "livres" porque ela também é livre. Poderia colocar um campo sobre as linguagens mais novas, mais mesmo assim o Harbour poderia não aparecer, pois é de 1999 e entre essa data e hoje, existem um monte de novas linguagens. Object Pascal não aparece no índice (e nem sei se algum dia já apareceu), mas é muito relevante, pois é a evolução de Pascal, e uma das origens de Delphi. Boo foi inclusa pelo fato de ter sido feita por um brasileiro, e eu queria que houvese uma representação brasileira entre essas linguagens (como também Lua). Outras linguagens do índice podem não estar aqui pelo fato de ainda não exisitir um artigo na Wkipédia. Por outro lado, Scala pode ser inclusa nesta predefinição no lugar de Euphoria (já que não aparece mais no índice). A linguagem R não é popular nem foi eu que a colocou na predefinição. Por fim, nos resultados de busca do Google, o Harbour possui consideráveis resultados (mais que Euphoria e Scratch), por isso estarei o recolocando. --Ricvelozo (discussão) 03h50min de 8 de abril de 2010 (UTC)

Obrigado pelo entendimento. Não quero ficar fazendo lobby e acho que nem preciso fazer com você, dá para ver que seu interesse é melhorar a qualidade independente de vontade pessoal. Se achar que Euphoria merece um lugar aí (me pareceu ser uma linguagem bem interessante, apesar que na prática parece ser quase uma toy language, mesmo que não seja essa a intenção), poderia eliminar as repetições, como Haskell, Tcl e Unicon. Mesmo que não precise fazer isso já, quando surgir alguma outra linguagem livre relevante, você já tem essas 3 na manga para retirar. Não é minha intenção que se retire nenhuma das linguagens que citei anteriormente e concordo com todos seus argumentos para deixá-las e apoio principalmente Lua e Boo. Ainda sem querer fazer lobby, pense sobre a possibilidade de incluir, no futuro, uma linguagem derivada de ML. CaML, OCaML ou F# por exemplo (Scala também é um exemplo) ou mesmo outra mais acadêmica. ML é uma vertente diferente de linguagem funcional que foge do padrão de Lisp e parece ter mais futuro por se aproximar do que os programadores estão acostumados e vários grandes players estão investindo nesse tipo de linguagem funcional. Lisp, apesar de ser fantástica, exige uma mudança de pensamento muito grande. P/ terminar, Euphoria pode ter sido incorporada a outra linguagem muito semelhante no TIOBE. No passado o TIOBE separava os dialetos xBase também. Estou à disposição se precisar de alguma ajuda.

OK, obrigado. --Ricvelozo (discussão) 06h15min de 8 de abril de 2010 (UTC)

O compilador Clipper e os dialetos XBase[editar código-fonte]

Dia destes eu acrescentei Clipper como linguagem proprietária e foi removido. Historicamente foi o que Delphi e Visual Basic representam recentemente.

Aqui mesmo na Wikipédia há um artigo em português sobre Clipper (dBase, Harbour etc.), sendo desnecessário descrever seus velhos compiladores.

Não sei se é do tempo da maioria por aqui, mas este padrão de linguagem com seus compiladores foi extremamente popular em meados da década de 1980 e foi até o aparecimento das primeiras IDEs gráficas nos anos de 1990. Chegava-se a dizer que havia um "clippeiro" a cada esquina.

Também viam-se alguns sistemas compilados nesta linguagem à venda em bancas de jornais. Eram conhecidos também os sistemas de videolocadoras.

Ainda hoje aparecem na internet notícias de algum lugar que use bancos de dados (DBF) em seus negócios, bem como consultorias especializadas em integração, migração, engenharia reversa e outras mais relacionadas a esta velha tecnologia.

O Clipper subsiste sob tecnologias criadas para dar continuidade como Harbour, xHarbour, Clip etc. Listadas na Wikipédia também.

Fica então como sugestão a inclusão deste padrão ou linguagem ou compilador, seja pela melhor definição, neste rol pelo seu valor histórico. o comentário precedente deveria ter sido assinado por 201.95.110.114 (discussão • contrib)

Os dialetos Xbase estão mais na categoria de linguagem de manipulação de dados de sistemas de arquivos. Por isso, creio que não são classificados como linguagens de programação. Abraços, Ricardo Ferreira de Oliveira Talk 14h26min de 25 de abril de 2013 (UTC)