Qazi Muhammad

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Qazi Muhammad

Qazi Muhammad (em curdo: قازی محه‌مه‌د ou Qazî Mihemmed) (1893-1947) foi um líder nacionalista curdo e chefe da República do Curdistão (República de Mahabad), o segundo Estado moderno curdo no Oriente Médio (após a República de Ararate) .

Biografia[editar | editar código-fonte]

Qazi Muhammad atuou como Presidente da República de Mahabad, apoiada pelos soviéticos, no Curdistão iraniano em 1946.[1] Foi também o fundador do Partido Democrático do Curdistão Iraniano, o PDCI, que foi criado após a necessidade de um partido mais transparente ser sentida por seus adeptos. (o Komeley Jiyanewey existia antes como uma organização secreta). Mustafa Barzani, o pai do movimento nacionalista curdo no Curdistão iraquiano, também foi comandante de seu exército. Seu primo Mohammed Hossein Saif Qazi foi ministro no seu gabinete. Um ano mais tarde, depois de os soviéticos se retirarem do Irã, a república curda foi esmagada pelo governo central iraniano. Um tribunal militar iraniano condenou Qazi e alguns de seus associados a morte, e ele foi enforcado na Praça Chwarchira no centro da cidade de Mahabad, em 30 de março de 1947.

Família[editar | editar código-fonte]

Um de seus filhos, Ali Qazi, é atualmente um membro ativo do movimento curdo.

Uma de suas filhas, Efat Ghazi, foi morta por uma carta-bomba em Västerås, na Suécia, em 1990.[2] A bomba era endereçada a seu marido, o ativista curdo Emir Ghazi.[3] Alguns analistas especularam que o governo iraniano poderia estar envolvido no assassinato. [4][5]

Referências

  1. Portal, Kurdistan (20 de dezembro de 2008). «Das Vermächtnis des kurdischen Märtyrers Qazi Mohammed». Kurdmania (em alemão). Consultado em 22 de fevereiro de 2009. 
  2. Fälth, Gun (7 de setembro de 1990). «Kvinna sprängd till döds» (em sueco). Dagens Nyheter 
  3. Westmar, Bo (7 de setembro de 1990). «Bomben var avsedd för maken» (em sueco). Dagens Nyheter 
  4. Rahimi, Babak (19 de novembro de 2002). «Offer för Irans dödspatruller» (em sueco). Mana. Consultado em 30 de dezembro de 2007. [ligação inativa] 
  5. Darvishpour, Mehrdad (30 de setembro de 2003). «Säpo skyddar Irans flyktingspioner» (em sueco). Svenska Dagbladet. Consultado em 30 de dezembro de 2007. 

Ver também[editar | editar código-fonte]