Quarto caminho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
G. I. Gurdjieff, fundador do movimento.

O "Quarto Caminho" é um método de autoconhecimento desenvolvido e apresentado ao ocidente pelo mestre espiritual e professor de dança armênio George Ivanovich Gurdjieff (1866-1949).[1]

Defende que poderíamos simplesmente escolher um dos métodos tradicionais físico (como o faquir), emocional (como o monge) ou o intelectual (como o iogue), mas que isto seria muito difícil no mundo ocidental.[2]

No método do Quarto Caminho, seria necessário o sofrimento. Do sofrimento nasceria a tensão e passaria a operar a "Lei das Três Forças" (o princípio positivo, o negativo e o neutro, os elementos carbono, oxigênio e nitrogênio da "química oculta").

Para seguir esse "caminho", seria preciso determinação. Mas não teríamos essa determinação. Para que a tivéssemos teríamos que ter cristalizado um "corpo superior", o "causal". O amo (a vontade) daria suas instruções ao cocheiro (a mente) e este conduziria o cavalo (os sentimentos e as emoções) atrelado à carruagem (os instintos do corpo físico).

Este esforço partiria de uma decepção[3] . Segundo Gurdjieff, "se éramos materialistas, deveríamos estar decepcionados com o materialismo. Se éramos ocultistas, decepcionados com o ocultismo. Se cristãos, decepcionados com o cristianismo. Se téosofos, decepcionados com a teosofia."

Caminhos[editar | editar código-fonte]

  • 1º Caminho: relacionado com o Faquir (corpo)
  • 2º Caminho: relacionado com o Monge (emoção)
  • 3º Caminho: relacionado com o Yogui (intelecto)
  • 4º Caminho: o caminho do Homem equilibrado.

Notas

  1. The Gurdjieff Society. "About Gurdjieff" (em ingês). Consult. 15 de Março de 2011. 
  2. Instituto Nokhooja. "Quarto Caminho: Uma Breve Introdução". Consult. 15 de Março de 2011. 
  3. Julius Evola (16 de Abril de 1972). "Monsieur Gurdjieff" (pdf). Diário Roma. Consult. 15 de Março de 2011. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Movimentos corporais do Quarto Caminho (em inglês). Página visitada em 16 de Março de 2011.