Rústico (sacelário)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Rústico
Morte 556
Lázica
Nacionalidade Império Bizantino
Ocupação General
Religião Cristianismo
Mapa de Lázica

Rústico (em latim: Rusticus) foi um oficial bizantino do século VI, ativo durante o reinado do imperador Justiniano (r. 527–565).

Vida[editar | editar código-fonte]

Era nativo da Galácia. Seu parentesco é desconhecido, exceto que teve um irmão chamado João. Aparece pela primeira vez no registro histórico em 554, quando, segundo o historiador Agátias, exerceu ofício em Lázica. Não era um militar, e sim um oficial financeiro, presumivelmente sacelário, e foi incumbido pelo imperador com a missão de recompensar soldados notáveis com recursos dos fundos imperiais. Sua autoridade se equipasse àquela dos mestres dos soldados em exercício no país, o que levou os autores da Prosopografia do Império Romano Tardio sugerirem que ele fosse um homem ilustre.[1]

Ainda em 554, Rústico, Martinho e Bessas foram acusados pelo rei laze Gubazes II (r. 541–555) pelos desastres bizantinos frente o exército sassânida. Segundo Agátias, Rústico e Martinho já alimentavam certo desprezo por Gubazes, e com o envio de relatos desfavoráveis para Constantinopla, planejaram matá-lo.[2] O plano foi concretizado em setembro/outubro de 555 e foi um dos doríforos de Rústico que desferiu o golpe fatal.[3]

Após o assassinato, os oficiais bizantinos reuniram o exército para atacar a fortaleza de Onoguris, e mesmo embora soubessem da aproximação de uma força de alívio, decidiram prosseguir o ataque, por instigação de Rústico. Os resultados foram, contudo, desastrosos. Na primavera de 556, Atanásio prendeu Rústico e seu irmão João e enviou para o cativeiro em Ápsaro, no Ponto Polemoníaco, até a guerra em curso chegar a um interlúdio. Subsequentemente, foram levados para Lázica e julgados culpados, sendo sentenciados a morte e então executados.[4][5]

Referências

  1. Martindale 1992, p. 1103.
  2. Greatrex 2002, p. 121.
  3. Martindale 1992, p. 1103-1104.
  4. Martindale 1992, p. 1104.
  5. Greatrex 2002, p. 122.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Greatrex, Geoffrey; Lieu, Samuel N. C. (2002). The Roman Eastern Frontier and the Persian Wars (Part II, 363–630 AD). Londres: Routledge. ISBN 0-415-14687-9 
  • Martindale, John R.; Jones, Arnold Hugh Martin; Morris, John (1992). The Prosopography of the Later Roman Empire - Volume III, AD 527–641. Cambridge e Nova Iorque: Cambridge University Press. ISBN 0-521-20160-8