Regimento de Infantaria N.º 14

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Regimento de Infantaria N.º 14
País Portugal Portugal
Corporação Exército Português
Missão Defesa Nacional.

Aprontar o 2ºBIMecRodas, apoio ao desenvolvimento e bem-estar da população.

Sigla RI14
Criação 1657
Lema "Cuja Fama Ninguém Virá Que Dome"
Cores Prata, Vermelho e Negro.
História
Condecorações MHA
MHL
Comando
Comandante Coronel de Infantaria - José Manuel dos Santos Sá
Sede
Endereço Av. Regimento de Infantaria Nº 14, 3510-104 Viseu
Internet https://www.exercito.pt/pt/quem-somos/organizacao/ceme/cft/brigint/ri14


O Regimento de Infantaria N.º 14 (RI14), com a denominação histórica de Infantes de Viriato, é uma unidade da Estrutura Base do Exército, do Exército Português aquartelada na cidade de Viseu. O Regimento, apesar de ser uma unidade com administração própria, é subordinado operacionalmente a uma Brigada. Comandado por um Coronel, o seu efetivo pode chegar perto de 500 homens. Possui um Estado-Maior composto pelas Secções de Pessoal, Operações, Informações e Segurança e Secção de Logística para auxiliar e aconselhar o Comandante. Tem também uma Companhia de Comando e Serviços com a missão de armazenamento, fornecimento, manutenção e conservação das instalações, viaturas e outros meios e equipamentos. Atualmente o regimento tem como encargo operacional o de organizar, treinar e manter um dos Batalhões de Infantaria da Brigada de Intervenção. – o 2º Batalhão de Infantaria Mecanizado de Rodas.

A alusão a Viriato prende-se com a lenda de que este guerreiro lusitano terá nascido ou combatido pelas terras de Viseu. A figura histórica de Viriato, pela sua garra, tenacidade e força combativa transversal à “raça forte da beira”, é tido como patrono do Regimento, sendo os militares que ali prestaram serviço conhecidos como “viriatos”.

O RI14 tem 182 000 m2, e desses 182 mil, 82 mil metros quadrados são de área coberta. Este quartel de área coberta tem 21 edifícios, 6 deles são casernas, 1 é o edifício principal, o pavilhão desportivo, a Enfermaria, o refeitório, uma carreira de tiro de 25 m, a casa da guarda, o local de transmissões, a arrecadação, a mecânica, a pintura e a lavagem de viaturas. Tem 6 campos de treino onde se pratica a ginástica militar. O Regimento de Infantaria nº 14 tem participado recentemente com militares em Missões de Treino Manutenção de Paz em vários teatros de Operações, como o Afeganistão, Kosovo, Iraque, República Centro-Africana e Timor.

História[editar | editar código-fonte]

A origem do RI14 remonta ao ano de 1657. Se em termos numéricos descende do Terço do Algarve (posteriormente Regimento de Infantaria de Tavira e Regimento de Infantaria n.º 14) mais tarde sediado em Viseu herdará muito do Terço de Almeida (1642) e Terço de Penamacor (1642) – que eram Unidades que após a independência de 1640 foram colocadas junto da fronteira para defender a região da Beira Alta e ambas recrutavam nas comarcas de Viseu, Guarda e Castelo Branco - Século XVII.
Com a reforma de 24 de novembro de 1707, os antigos Terços passam a denominar-se Regimentos e a designarem-se pelo apelido do mestre de campo ou terra onde se encontrava o quartel permanente. Em 1762, o Regimento de Penamacor, foi desdobrado formando os Regimentos de Luís de Vasconcelos de Almeida Castelo-Branco e de Dennis Foulis, sendo novamente reagrupado em 1763. Na mesma data, o Regimento de Almeida foi desdobrado, formando os Regimentos de Fernando da Costa de Ataíde e de Francis Mac-Lean, sendo reagrupado em 1763.

Ainda em 1762 e de igual modo, surge naturalmente o Regimento de Infantaria de Faro que foi desdobrado nos 1.º e 2.º Regimentos de Infantaria de Faro, sendo reagrupado igualmente em 1763. A 7 de dezembro de 1796 este Regimento viria a dar origem ao Regimento de Infantaria de Tavira - Século XVIII.

Por organização de 1806, os Regimentos são numerados e dão origem aos Regimentos de Infantaria n.º 11 (Penamacor), Regimento de Infantaria n.º 23 (Almeida) e Regimento de Infantaria n.º 14 (Tavira). Assim, a partir de 1806, o RI14 adota a atual designação.

O RI11, RI14 e RI23, tal como as restantes do Exército, são extintos por ordem de Junot em 22 de dezembro de 1807, mas restabelecidas e reorganizadas em 1808 por William Carr Beresford, Marechal Comandante em Chefe do Exército luso-britânico, sendo os 3 Regimentos mandados reunir em Viseu, Tavira e Lamego, respetivamente - Século XIX.

Em 28 de novembro de 1842, resultante da nova reorganização, o BI24, criado em 1837 e que no ano anterior tinha sido transferido de Viana do Castelo para Viseu, passou a designar-se por Regimento de Infantaria N.º 14 (RI14) e desde esta data, o mesmo manteve sempre o seu quartel em Viseu.

Em 1911, o QG da 2.ª Divisão continua em Viseu e compreende, entre outras, as seguintes Unidades:

  • Regimento de Infantaria N.º 14 – Viseu;
  • Regimentos de Artilharia N.º 7 – Viseu;
  • Regimento de Cavalaria N.º 7 – Nelas;

Atualmente, além da atividade operacional que desenvolve através do seu 2BIMecRodas, desempenha ainda uma série de outras missões de interesse público, como são exemplo, os apoios às autoridades de Proteção Civil e Autarquias, no âmbito dos planos nacionais de ações de prevenção e de combate a incêndios e de prevenção e mitigação dos efeitos de outras catástrofes naturais.

Porta de Armas do Quartel dos Terceiros (Viseu)
Quartel da Ribeira (Viseu)


Ao longo da sua História o RI14 tornou-se num dos quartéis mais prestigiados do Exército Português participando em quase todas as suas campanhas.

A 19 de março de 1918, foi efetuado um raid sobre as linhas alemães a partir do sector de Neuve-Chapelle, realizado pela 1.ª Companhia do BI 14, de Viseu, sob o Comando do Capitão Vale de Andrade. Depois de um longo bombardeamento sobre as linhas inimigas, o ataque teve início à 1h da manhã A Companhia rastejou durante 3 horas pela “Terra de Ninguém “até que efetuou o assalto final às trincheiras alemãs. Houve uma luta intensa, mas conseguiram ter pleno êxito. Regressaram às linhas portuguesas com cinco prisioneiros, trazendo como troféus duas metralhadoras e diversas armas ligeiras.

Capitão Vale de Andrade (atual designação da parada do RI14)

Por este ato heroico foi condecorado com a Cruz de Guerra de 1.ª Classe o atual Estandarte Nacional do RI14 e passou a ser adotada esta data para assinalar o Dia comemorativo do Regimento.

Em 9 de abril de 1918 ocorreu o combate em Eton e Charter House.

Cronologia[editar | editar código-fonte]

1657 Terço do Algarve ou Terço de Faro.
1707 Terços passam a Regimentos - Regimento Infantaria de Faro.
1806 Regimento Infantaria de Tavira passa a Regimento Infantaria Nº14.
1841 O BI24 transfere-se para a cidade de Viseu.
1842 O BI24 é transformado no Regimento de Infantaria Nº14.
1845 - 1847 O RI14 participa nas campanhas de Revolta da "Maria da Fonte" ao lado das forças fiéis ao governo.
1914 - 1918 O RI14 participa na 1ª Guerra Mundial enviando um Batalhão para Angola que participa em Vários combates, destacando-se na defesa de Naulila, e um outro para França integrando no corpo Expedicionário Português, que combate na frente ocidental.
1940 - 1944 Por ocasião da 2ª guerra mundial o RI14 organiza dois batalhões expedicionários, sendo um enviado para os Açores e outro para Angola.
1951 Ocupou as atuais instalações (10 de JULHO - "Dia dos Viriatos").
1961 - 1975 O RI14 participa nos três Teatros de Operações da Guerra do Ultramar mobilizando vários batalhões e companhias independentes de caçadores, bem como pelotões de morteiros e de canhões sem recuo.
1977 O RI14 passa a denominar-se Regimento de Infantaria de Viseu.
1993 A Unidade designa-se de Regimento de Infantaria N.º 14.

Batalhas e Guerras[editar | editar código-fonte]

1810 Batalha do Buçaco. Guerras Peninsulares

(1807 - 1814)

1811 Sitio de Olivença - 1.º Sitio de Badajoz - Batalha de Albuera - 2º Sitio de Badajoz.
1812 3º Sitio de Badajoz - Defesa do Tormes.
1813 Batalha de Vitória - Bloqueio de Pamplona - Combates de Porto e Maia - Combate de Porto e Ariete.
1813 Batalha dos Pirenéus - Combate de Banca - Batalha di nivelle - Batalha do Nive.
1814 Combate de Sauvaterre - Batalha de Orthez - Combate do Aire - Combate de Tarbes - Batalha de Toulouse.
1914 Sul de Angola. 1ªGuerra Mundial

(1914 - 1918)

1918 Flandres.
1940 - 1944 Organizou e destacou dois batalhões expedicionários, um destinado a Angola, onde cumpriu uma missão de serviço, destacamentos em Nova Lisboa, Benguela, Lobito e Luanda. 2ªGuerra Mundial

(1939 - 1945)

1952 Goa (Índia). Defesa da Índia Portuguesa.
1961 - 1963 Angola – Guine – Moçambique. Guerra do Ultramar.
1964 - 1967 Angola.

Missões sob a égide das Nações Unidas e NATO[editar | editar código-fonte]

  • 2001 – TIMOR LESTE - Operação de apoio à paz, no âmbito da ONU - UNTAET, com o 2.º Batalhão de Infantaria constituído por 952 homens (o maior empenhamento exterior das Forças Armadas portuguesas desde o 25 de abril de 1974) e teve como missão principal acompanhar as primeiras eleições livres naquele território e garantir a segurança das populações (2BI/BLI/UNTAET).
  • 2002/2003 - BÓSNIA-HERZEGOVINA - O 2.º Batalhão de Infantaria participou neste conflito, no âmbito da NATO - SFOR, com cerca de 320 homens (2BI/BLI/SFOR).
  • 2005 – KOSOVO -  O 2.º Batalhão de Infantaria participou neste conflito, no âmbito da NATO, com cerca de 297 homens (2BI/BLI/KFOR).
  • 2007 – KOSOVO - O 2.º Batalhão de Infantaria participou neste conflito constituindo neste caso a força de reserva do Comandante da Força da NATO – KFOR (2BI/BRIGINT/KFOR).
  • 2009 - AFEGANISTÃO - Aprontamento do 4.º Módulo de Apoio às Forças Nacionais Destacadas, junto da International Security Force (ISAF) e que integrou militares do RI14.
  • 2010 - AFEGANISTÃO - O RI14 constituiu-se como Unidade primariamente responsável pelo aprontamento do 6.º Módulo de Apoio e da 6.ª Operational Mentor and Liaison Team de Guarnição e, posteriormente, pelo Treino Conjunto do Contingente Nacional para a ISAF.
  • 2013 - KOSOVO - O RI14, no âmbito da NATO regresa ao Kosovo para participar na KFOR Tactical Reserve Manoeuvre Batallion (KTM), com o Comando e Estado-Maior, uma Companhia de Manobra e parte de uma Companhia de Comando e Serviços, tendo um efetivo de 173 militares.
  • 2014 - O RI14 recebeu ordem da Brigada de Intervenção para organizar e aprontar, de 01Jan15 a 31Dec15, o 2BIMecRodas/NRF2016 para, no âmbito das NATO Response Forces 2016, ser atribuído à IRF/NRF 2016, garantindo a manutenção em stand by, de 01Jan16 a 31Dec16, e em stand down, de 01Jan17 a 31Dec17.
  • 2017 - LITUÂNIA - O Regimento projetou uma Unidade Escalão Companhia para a Lituânia, no âmbito das Assurance Mesures com 118 militares.
  • 2018 - AFEGANISTÃO - Foi projetada para este Teatro de Operações uma Unidade constituída por 160 militares.
  • 2019 - AFEGANISTÃO – Foi projetada para este Teatro de Operações uma Unidade Escalão Pelotão, constituída por 54 militares e um Oficial de Ligação, aprontados no Regimento de Cavalaria N.º 6.
  • 2020 - AFEGANISTÃO – Foi projetada para este Teatro de Operações uma Unidade Escalão Pelotão, constituída por 54 militares e um militar que integra o NSE.

Coleção Visitável[editar | editar código-fonte]

Bandeira Regimental, bordada e oferecida ao RI14 por Sua Majestade a Rainha D. Amélia.


No RI14 está implementada uma Coleção Visitável que redimensiona a História do Exército desde as Guerras Peninsulares passando pela 1.ª Guerra Mundial, Guerra de África e Forças Nacionais Destacadas até à atualidade. Neste espaço pode-se ainda ver uma breve história do Regimento de Infantaria N.º 14, como foi fundado e como veio a permanecer no local onde está situado. Existem ainda vários objetos de interesse para ver desde:

  • Vários tipos de fardamento e a sua evolução ao longo do tempo;
  • Armamento e equipamento;
  • Bandeiras, guiões e algumas fotografias antigas.


Simbologia e Alusão das Peças[editar | editar código-fonte]

  • No escudo, a PRATA enlaça a "humildade" – dos meios disponíveis – com a "esperança" – na inventiva do homem das serranias – em alcançar a "vitória", simbolizada no VERMELHO do sangue que escorre das cabeças decepadas das águias.
  • ANELETES"virae" em latim – recordam a forma como os romanos identificavam VIRIATO, a quem se referiam denominando-o por "o que usa braceletes".
  • Cinco CABEÇAS DE ÁGUIA, decepadas em sinal de derrota das forças romanas, invocam as vitórias de VIRIATO sobre os cinco pretores que venceu antes de, pela traição, ser abatido.
  • TOURO, alude a VISEU porque perpetua a recordação do ardil de guerra com que os lusitanos desbarataram as forças de CAIO NIGIDIO que, encurraladas na cava – hoje designada de VIRIATO – debandaram em pânico quando sobre elas carregou em tropel uma manada de trezentos touros enlouquecidos pelo aguilhão de varas de ferro aquecidas ao rubro.
  • VIRIATOS inscreve no brasão o tradicional grito de guerra da unidade.

OS ESMALTES SIGNIFICAM:

  • A PRATA: humildade e esperança;
  • O VERMELHO: vitória;
  • O NEGRO: constância e firmeza.

Hino do Regimento de Infantaria Nº14[editar | editar código-fonte]

Catorze de Infantaria

Ó meu querido Regimento

Tu és aquela magia

Que dobra o meu valimento

Estribilho

Unidos na mesma fé

No mesmo amor fraternal

Iremos todos até

Onde mandar Portugal

Estribilho

Contigo marcho contente

Erguendo a tua Bandeira

No braço firme e valente

Da raça forte da Beira

Estribilho

Avante como Soldados

A Pátria chama por nós

Defender os bens sagrados

Que vêm dos nossos Avós

Condecorações[editar | editar código-fonte]

Direito Próprio
Medalha de Ouro Cidade de Viseu. (1998)
Cruz de Guerra de 1.ª Classe, concedida à Companhia do Batalhão de Infantaria n.º 14 / RI14 (1918, França).
A 25 de Abril de 2000 foi feito Membro-Honorário da Ordem da Liberdade.
A 5 de Março de 2012 foi feito Membro-Honorário da Ordem Militar de Avis.
Herança Histórica
Comendador da Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito, concedida à 3.ª Bateria / 2.º Grupo de Metralhadoras (1914-15, Sul de Angola – Destacamento do Cuamato).
Comendador da Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito, concedida ao Batalhão de Infantaria n.º 23 /RI23 (1918, França).
Cruz de Guerra de 1.ª Classe, concedida à 1.ª Bateria / 2.º Grupo de Metralhadoras (1915, Sul de Angola – Destacamento de Cuanhama).
Cruz de Guerra de 1.ª Classe, concedida ao Batalhão de Infantaria n.º 35 /RI35 (1918, França).
Cruz de Guerra de 1.ª Classe, concedida ao 5.º Grupo de Metralhadoras (1918, França).
Cruz de Mérito de Guerra Italiana, concedida ao Batalhão de Infantaria n.º 23 /RI23  (1918, França).

Quartel dos Viriatos[editar | editar código-fonte]

O Quartel dos Viriatos, ou seja, as atuais instalações do RI14, foram inauguradas no dia 10 de julho de 1951, efetuando-se a sua comemoração anual, destinada ao convívio entre os atuais e antigos militares e funcionários civis.

Este dia é especialmente dedicado a lembrar e unir os militares e civis que servem atualmente e serviram ao longo dos anos no RI14, neste dia proporcionam- se condições que avivem recordações e contribui- se para a fomentação e a união e espírito de corpo.

Atualidade[editar | editar código-fonte]

Escudo do 2º Batalhão de Infantaria Mecanizada de Rodas

Desde dezembro de 2020 o RI14 é comandado pelo Coronel de Infantaria José Manuel dos Santos Sá.

Coronel de Infantaria José Manuel dos Santos Sá

O 2º Batalhão de Infantaria Mecanizado de Rodas leva a cabo o seu treino Operacional participando em diversos exercícios nacionais e estrangeiros (no âmbito da NATO) e apronta atualmente militares para o Teatro de Operações do Afeganistão.

O Exército Português tem contribuído ativamente no combate, sensibilização e controlo da propagação do novo Coronavírus – SARS-CoV 2. Nomeadamente o Regimento de Infantaria nº14 concorreu para a missão do Exército no levantamento, treino e projeção de equipas de desinfeção e sensibilização. Numa operação de grande envergadura, o RI14cumpriu a sua parte formando 269 membros da comunidade escolar, em 8 Agrupamentos de escolas pertencentes a 5 Concelhos dos Distritos de Viseu e Guarda.e parte das de Coimbra e Castelo-Branco na realização de limpeza e desinfeção de espaços e superfícies. (138 escolas).

Também foi responsável pela sensibilização e formação dos funcionários, guardas e reclusos nos procedimentos de limpeza de desinfeção no interior dos Estabelecimentos Prisionais.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre tópicos militares é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.