Ricinoleato de sódio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde Dezembro de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ricinoleato de sódio
Alerta sobre risco à saúde
Ricinoleic acid.svg
Nome IUPAC Sodium (R,Z)-12-hydroxyoctadec-9-enoate
Outros nomes Sal de sódio do ácido ricinoleico
Identificadores
Número CAS 5323-95-5
SMILES
Propriedades
Fórmula química C18H33NaO3
Massa molar 320.43 g mol-1
Aparência sólido branco pálido
Exceto onde denotado, os dados referem-se a
materiais sob condições normais de temperatura e pressão

Referências e avisos gerais sobre esta caixa.
Alerta sobre risco à saúde.

O ricinoleato de sódio é o sal de sódio do ácido ricinoleico, o principal ácido graxo do óleo de rícino.[1]

É um composto químico que possui fórmula C17H32OHCOONa, N° CAS: 5323-95-5, apresenta-se como um líquido viscoso cor amarelo âmbar, de densidade a 20ºC g/cm³ de 1,025 a 1,035, com odor característico, de pH (em solução aquosa a 10%) 10,0 a 11,0, apresentando solubilidade em água e álcool.

É obtido pela reação do ácido ricinoleico com o hidróxido de sódio, quando puríssimo, ou da reação do óleo de mamona com o hidróxido de sódio ou o carbonato de sódio, com uso do etanol como catalisador, por reação de saponificação, com posterior separação da glicerina formada, quando é necessário em grau técnico de pureza, como matéria prima para suas aplicações em formulações diversas.

É um produto químico amplamente utilizado na fabricação de desinfetantes domésticos e industriais, especialmente como emulsionante e surfactante para formulações que contenham óleo essencial de pinho. Agente ativo em sabões transparentes. Na produção de ricinoleatos metálicos atua como agente estabilizador para polioximetilenos.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Dunn, Kevin M.. Scientific Soapmaking: The Chemistry of the Cold Process. [S.l.]: Clavicula Press, 2010. Página visitada em 5 February 2013.