Robert Burton (acadêmico)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Robert Burton
Retrato por Gilbert Jackson
Nascimento 8 de fevereiro de 1577
Lindley, Inglaterra
Morte 25 de janeiro de 1640 (62 anos)
Oxford, Inglaterra
Ocupação Acadêmico
Magnum opus A Anatomia da Melancolia
Burton grand.jpg

Robert Burton (Lindley, 8 de fevereiro de 1577Oxford, 25 de janeiro de 1640) foi um acadêmico inglês e vigário da Universidade de Oxford, muito conhecido pela obra The Anatomy of Melancholy, produzida em 1621, pioneira no estudo das doenças mentais.[1][2][3][4]

Vida[editar | editar código-fonte]

Anatomy of Melancholy.gif

Nascido em 1577 em uma família confortavelmente abastada da pequena nobreza, Burton frequentou duas escolas de gramática e matriculou-se no Brasenose College, Oxford em 1593, aos 15 anos. Desde 1603, Burton se entregou aos primeiros interesses literários em Oxford, incluindo alguns poemas latinos, uma peça agora perdida apresentada antes e criticada pelo próprio rei James I, e sua única peça sobrevivente: uma sátira acadêmica chamada Philosophaster. Este trabalho, embora menos bem visto do que a obra-prima de Burton, notavelmente "recebeu mais atenção do que a maioria dos outros exemplos sobreviventes de drama universitário".

Algum tempo depois de obter seu mestrado em 1605, Burton estava tentando deixar a universidade. Como membro de Oxford, atuou em muitos cargos administrativos menores e como bibliotecário da Christ Church Library, de 1624 até sua morte. Com o tempo, ele passou a aceitar sua existência "sequestrada" nas bibliotecas de Oxford, falando muito bem de sua alma mater ao longo da Anatomia.[1][2][3][4]

A obra mais famosa e maior conquista de Burton foi The Anatomy of Melancholy. Publicado pela primeira vez em 1621, foi reimpresso com acréscimos de Burton nada menos que cinco vezes. Uma obra digressiva e labiríntica, Burton escreveu tanto para aliviar sua própria melancolia quanto para ajudar os outros. A edição final chegou a mais de 500 000 palavras no total. O livro é permeado por citações e paráfrases de muitas autoridades, tanto clássicas quanto contemporâneas, somando o ponto culminante de uma vida inteira de erudição.

Burton morreu em 1640. Sua grande biblioteca pessoal foi dividida entre a Bodleian e a Christ Church. A Anatomia foi usada e plagiada por muitos autores durante sua vida e após sua morte, mas entrou em uma calmaria de popularidade ao longo do século XVIII. Foi apenas a revelação do plágio de Laurence Sterne que reavivou o interesse pela sua obra no século XIX, especialmente entre os românticos. A Anatomia recebeu mais atenção acadêmica nos séculos XX e XXI. Seja qual for sua popularidade, Burton sempre atraiu leitores ilustres, incluindo Samuel Johnson, Benjamin Franklin, John Keats, William Osler, e Samuel Beckett.[1][2][3][4]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c Gowland, Angus (2006). The Worlds of Renaissance Melancholy: Robert Burton in Context. Cambridge, UK: Cambridge University Press. ISBN 978-0-521-86768-9
  2. a b c Babb, Lawrence (1959). Sanity in Bedlam: A Study of Robert Burton's The Anatomy of Melancholy. East Lansing, MI: Michigan State University Press.
  3. a b c O'Connell, Michael (1986). Robert Burton. Twayne Publishers. ISBN 978-0-8057-6919-7.
  4. a b c Mueller, William R. (1952). The Anatomy of Robert Burton's England. Berkeley, CA: University of California Press

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Robert Burton (acadêmico)


Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Robert Burton (acadêmico)
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.