Rogério de Beaumont

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Rogério de Beaumont
Nascimento 1015
Morte 29 de novembro de 1094 (79 anos)
Cônjuge Adelina de Meulan
Filho(s) Henrique de Beaumont, Roberto de Beaumont
Ocupação militar
Título visconde

Rogério de Beaumont (c. 1015 – 29 de novembro de 1094), senhor feudal (seigneur), de Beaumont-le-Roger e de Pont-Audemer na Normandia, era um poderoso nobre normando e assessor próximo de Guilherme, o Conquistador.

Origens[editar | editar código-fonte]

ET HIC EPISCOPUS CIBU(M) ET POTU(M) BENEDICIT ("E aqui o bispo abençoa a comida e bebida"; Tapeçaria de Bayeux). A festa em Hastings, após o qual foi ordenado a construção de um castelo, na sequência das quais a batalha aconteceu. Rogério de Beaumont é, possivelmente, descrito como a figura de barba, ver detalhes acima.

Era filho de Hunfredo de Vieilles (que era um sobrinho-neto da duquesa Gunora da Normandia) por sua esposa Albreda de la Haye Auberie. Era um primo de segundo grau, uma vez removido de Guilherme, o Conquistador. Seu senhorio feudal normando tinha seu caput e castelo em Beaumont-le-Roger, um assentamento situado no curso superior do rio Risle, na Normandia, cerca de 46 quilômetros a sudoeste de Ruão, capital do Ducado. Também foi o senhor feudal de Pont-Audemer, um assentamento construído em torno da primeira ponte para atravessar o Risle rio acima do seu estuário, compartilhado com o Rio Sena.

Aparência física[editar | editar código-fonte]

Foi apelidado de La Barbe (latinizado Barbatus; isto é, "o Barbudo"), porque usava um bigode e barba, enquanto os normandos eram geralmente barbeados. Acredita-se que esta peculiaridade seja reconhecida no trigésimo segundo painel da tapeçaria de Bayeux,[1] a onde é retratado sentado em uma festa perto de Hastings, bem antes da batalha, à direita do duque Guilherme, que por sua vez estava sentado à direita de seu irmão, o bispo Odo de Bayeux, que é mostrado abençoando a comida em uma festa.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Planché o descreveu como "o o seigneur mais nobre, mais rico, e mais valente da Normandia, e o maior e mais confiável amigo da família dinamarquesa (ou seja, normanda)".[2] A explicação para sua posição exaltada parece ser que, como um primo mais velho que nunca havia se rebelado contra o jovem Duque, fazia parte do grupo de parentes nobres que Guilherme reuniu no governo da Normandia, além de lutar contra rebeliões e invasões frequentes. O historiador Frank McLynn observou que Guilherme se baseou fortemente em parentes do lado de sua mãe, ou seja, seus meio-irmãos Bispo Odo e Roberto, e cunhados, e nos parentes descendentes das irmãs da duquesa Gunora, uma vez que os seus parentes paternos tinham provado ser pouco confiáveis.

Wace, historiador do século XII, escreveu que: "Na época da invasão da Inglaterra, Rogério foi convocado para o grande concílio em Lilebona, por conta de sua sabedoria; mas ele não se juntou à expedição já que tinha uma idade muito avançada".[3] Embora Rogério não poderia lutar, não hesitou em contribuir com uma grande parte dos custos, e forneceu à sua própria custa sessenta embarcações para o transporte de tropas através do Canal. Além disso, seu filho mais velho e herdeiro lutou bravamente em Hastings como observado em vários registros contemporâneos. Como resultado, filhos mais velhos de Rogério foram recompensados generosamente com terras na Inglaterra, e ambos eventualmente, foram feitos condes ingleses pelos filhos do conquistador. A declaração de Wace pode, portanto, pôr em dúvida a possibilidade de Rogério estar representado na tapeçaria de Bayeux banqueteando-se em Hastings. No entanto, é possível que ele atravessou o Canal para que pudesse continuar a agir como um membro valorizado pelo Conselho do Duque, talvez dando conselhos sobre táticas militares, ainda ficou bem atrás da linha de batalha na sede.

Morreu por volta de 1094 e foi enterrado em Les Préaux.[4]

Casamento e descendência[editar | editar código-fonte]

Casou-se por volta de 1048 ou mais cedo com Adelina de Meulan (c. 1014-1020 - 08 de abril de 1081),[5] que foi enterrada na Abadia de Bec, filha do conde Valerano III de Meulan com Oda de Conteville, e irmã e herdeira de um conde de Meulan sem filhos. Meulan finalmente passou para o seu filho mais velho, que se tornou Conde de Meulan em 1081. Seus filhos sobreviventes foram:

  • Roberto de Beaumont, 1º conde de Leicester, Conde de Meulan (c.1049-1118), o filho mais velho e herdeiro. Sucedeu seu pai na maior parte de suas terras, e foi um dos poucos Companheiros de Guilherme, o Conquistador comprovados que lutaram na batalha de Hastings em 1066.
  • Henrique de Beaumont, 1º conde de Warwick (c. 1050-1119). Foi ofuscado por seu irmão mais velho, mas recebeu por seu pai um de seus senhorios menores na Normandia, o senhorio de Le Neubourg, cerca de 12 quilômetros a nordeste de Beaumont-le-Roger, do qual a própria família adotou o sobrenome anglicizado para "de Newburgh". Estabeleceu uma linha mais duradoura dos condes de Beaumont do que seu irmão mais velho, os Condes de Warwick sentado no castelo de Warwick.
  • Guilherme de Beaumont (não mencionados na maioria das fontes).
  • Alberée de Beaumont (falecido em 1112), abadessa de Eton.

Na literatura[editar | editar código-fonte]

Aparece como um personagem menor (o senhor do herói secundário) no romance histórico de Georgette Heyer, The Conqueror. Sua família aparece pouco no livro, mas é feita referência a esposa e as filhas de Rogério e seu filho mais velho.

Fontes[editar | editar código-fonte]

  • Edward T. Beaumont, J.P. The Beaumonts in History. A.D. 850-1850. Oxford.
  • J.R. Planché. The Conqueror and His Companions. Londres: Tinsley Brothers, 1874.

Referências

  1. Crispin, Mordecai Jackson; Macary, Léonce (1994). Falaise Roll: Recording Prominent Companions of William Duke of Norway at the Conquest of England (em inglês). [S.l.]: Genealogical Publishing Company, Incorporated. p. 100. ISBN 0806300809 
  2. Planché, James Robinson (1874). The Conqueror and His Companions, Volume 1 (em inglês). Cambridge, MA: Tinsley brothers; Harvard University. p. 204 
  3. Powlett, Catherine Lucy Wilhelmina (1889). The Battle Abbey Roll: With Some Account of the Norman Lineages, Volume 1. Reino Unido: J. Murray. p. 145 
  4. Charpillon, Anatole Caresme (1868). Dictionnaire historique de toutes les communes du département de l'Eure (em francês). Paris: Delcroix. p. 239 
  5. Bristol and Gloucestershire Archaeological Society (1879). Transactions - Bristol and Gloucestershire Archaeological Society, Volume 4. Londres: The Society. p. 140 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]