Sátira dos Ofícios

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A Satira dos oficios, também chamada Instruções de Dua-Queti, é uma obra literária de tipo didático do Antigo Egito,[1] datada cerca 2400 a.C.[2] Pertence ao gênero Sebayt, e foi escrita pelo escriba Dua-Queti para o seu filho Pepi. Pensa-se que o autor pôde ter sido guiado pelas Instruções de Amenemate.[3]

Descreve um certo número de profissões com uma luz exageradamente negativa, ressaltando as vantagens da do escriba:

É considerada geralmente uma sátira, embora Helck acredite que o texto reflete a verdadeira atitude dos escribas para com trabalhadores manuais.[5]

O texto sobreviveu na íntegra, entretanto extremamente modificado e corrompido, no papiro Sallier II escrito durante a XIX dinastia, que se encontra no Museu Britânico. Uma série de fragmentos também encontram-se no Museu Britânico, no Louvre, na biblioteca Morgana, e em outras instituições[6].

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Lichtheim, Miriam (1980). Ancient Egyptian Literature volume I, pág. 184-193. [S.l.]: University of California Press 

Referências

  1. Bard, Katheryn A. (1999). Encyclopedia of the Archaeology of Ancient Egypt, pag. 886. [S.l.]: Routledge 
  2. «Ocho variaciones sobre el tema de la cultura, pag. 12» (PDF). Sociologia de la Cultura. Consultado em 15 de agosto de 2010. Arquivado do original (PDF) em 6 de fevereiro de 2009 
  3. Edwards, I. E. S.; Hammond, N. G. L.; Gadd C. J. (1975). The Cambridge Ancient History, pág. 527. [S.l.]: Cambridge University Press 
  4. pág 86 de Federico A. Arborio Mella. O Egito dos Faraós. [S.l.]: Hemus. ISBN 8528900401 
  5. Helck, W. (1970). Die Lehre des DwA-xtjj. [S.l.]: Wiesbaden 
  6. Lichtheim (1980), cit. abertura, p. 184