Sítios de Arte Rupestre de Alta

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pix.gif Sítios de Arte Rupestre de Alta *
Welterbe.svg
Património Mundial da UNESCO

Alta.jpg
País  Noruega
Tipo Cultural
Critérios iii
Referência 352
Região** Europa e América do Norte
Histórico de inscrição
Inscrição 1985  (9ª sessão)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.
** Região, segundo a classificação pela UNESCO.

Os Sítios de Arte Rupestre de Alta (Helleristningene i Alta) está situado dentro e em torno do município de Alta no condado de Finnmark na Noruega. Desde que as primeiras esculturas foram descobertas em 1973, mais de 6000 entalhes foram encontrados em vários locais ao redor de Alta. A maior localidade, em Jiepmaluokta cerca de 5 quilômetros de Alta, contém milhares de esculturas individuais e foi transformado em um museu ao ar livre. O sítio, juntamente com os sítios de Storsteinen, Kåfjord, Amtmannsnes e Transfarelv, foi colocado na lista de Patrimônio Mundial da UNESCO em 3 de Dezembro de 1985. É o único sítio pré-histórico da Noruega que é Patrimônio Mundial.[1]

As esculturas foram divididas em cinco grupos separados pelo professor Knut Helskog, do Departamento de Ciências Culturais da Universidade de Tromsø. Usando datação da linha costeira, as primeiras esculturas foram datadas por volta de 4200 aC; As esculturas mais recentes datavam de cerca de 500 aC. Em 2010, o pesquisador Jan Magne Gjerde colocou as datas sendo mais antigas em 1000 anos. A grande variedade de imagens mostra uma cultura de caçadores-coletores que era capaz de controlar os rebanhos de renas, adepto à construção de barcos de pesca e praticava rituais xamanísticos envolvendo adoração de ursos e outros animais venerados.

Em abril de 2014, o Centro de Arte de Rupestre do Patrimônio Mundial - Museu Alta lançou o site altarockart.no, um arquivo digital contendo imagens da arte rupestre de Alta. O arquivo contém milhares de imagens e achados e, no futuro, provavelmente conterá também outros tipos de documentação, como scans em 3D e artigos.

Referências