Saci (ave)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaSaci
Tapera naevia em São Paulo, no Brasil
Tapera naevia em São Paulo, no Brasil
Estado de conservação
Espécie pouco preocupante
Pouco preocupante (IUCN 3.1)
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Cuculiformes
Família: Cuculidae
Género: Tapera
Espécie: T. naevia
Nome binomial
Tapera naevia
(Linnaeus, 1766)
Distribuição geográfica
Tapera naevia map.svg

Tapera naevia, conhecido popularmente como saci, martim-pererê, martimpererê, matinta-pereira, matintaperera, matitaperê, peixe-frito, peito-ferido, peitica, piriguá, roceiro-planta, seco-fico, sem-fim, sede-sede, tempo-quente, crispim, fenfém[1], saitica e piririguá, é uma ave cuculiforme, cuculídea, típica do Brasil. Se divide em duas subespécies: a do sul e a do norte e leste do país.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

"Saci" é oriundo do tupi sa'si[1]. "Martim-pererê", "martimpererê", "matinta-pereira", "matintaperera" e "matitaperê" são oriundos do termo tupi matintape're[2]. "Peitica" é oriundo do tupi pei'tika[3].

Características[editar | editar código-fonte]

Suas penas são de cor pardo-amarelada.[4] Possui várias manchas escuras na parte superior das asas.[4] Mede cerca de 29 centímetros e gosta de tomar banhos de sol e de terra.[5]

O topete é avermelhado e manchado em tons claros e escuros; o peito, abdome e sobre os olhos a cor é branca.[5] É uma ave insetívora e sua postura costuma ocorrer em ninhos alheios, da espécie do joão-teneném.[6] Possui duas subespécies, sendo uma delas ocorrente no Norte e Leste do Brasil; outra ocorre no Sul.[6]

Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Saci (ave)

A ave está presente por todo o Brasil, e está presente no México, Argentina e Bolívia.[5]

Subespécies[editar | editar código-fonte]

São reconhecidas duas subespécies:[7]

  • Tapera naevia naevia (Linnaeus, 1766) - ocorre no Brasil, na Argentina, na Venezuela (Ilha Margarita) e na ilha de Trinidad;
  • Tapera naevia excellens (P. L. Sclater, 1858) - ocorre na porção tropical da América do Norte e América Central, do sudoeste do México até o Panamá.
Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Saci (ave)

Na cultura popular[editar | editar código-fonte]

"Matinta-pereira" é citado em um verso da canção Águas de Março, de Antônio Carlos Jobim, onde também há um reprodução de seu assobio no instrumental da música.[8] O pássaro também dá nome ao álbum Matita Peré, do mesmo compositor.[9][10][11]

Referências

  1. a b FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. pp.1 533,1 534
  2. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. pp. 1 104,1 097,1 533,1 534
  3. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.1 295
  4. a b «Canto dos Pássaros - Saci». Morro do ouro. Consultado em 4 de agosto de 2021 
  5. a b c «Klima Naturali™ : Ave Saci (Tapera naevia)». Klima Naturali™. Consultado em 4 de agosto de 2021 
  6. a b Sanches, Amanda (2019). «Fecundidade anual e parasitismo de ninho em uma população do Curutié Certhiaxis cinnamomeus (Aves:Furnariidae) no Sudeste Brasileiro» (PDF). Universidade Federal de São Carlos. Consultado em 4 de agosto de 2021 
  7. «saci (Tapera naevia) | WikiAves - A Enciclopédia das Aves do Brasil». www.wikiaves.com.br. Consultado em 18 de setembro de 2021 
  8. «Dia do Saci». Ecofuturo. Consultado em 4 de agosto de 2021 
  9. «Sons da Terra 25/03: a natureza na vida e na obra de Tom Jobim». G1. 25 de março de 2021. Consultado em 4 de agosto de 2021 
  10. Lopes, Patrícia (2017). «A singular sonoridade de Matita Perê construída por meio da parceria de Tom Jobim e Claus Ogerman» (PDF). Universidade de São Paulo. Consultado em 4 de agosto de 2021 
  11. Matita Perê by Tom Jobim - RYM/Sonemic (em inglês), consultado em 4 de agosto de 2021 

Referências