Samba do Crioulo Doido

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Samba do Crioulo Doido é uma música satírica composta pelo escritor e jornalista Sérgio Porto, sob pseudônimo de Stanislaw Ponte Preta, em 1966, para o Teatro de Revista, em que procura ironizar a obrigatoriedade imposta às escolas de samba de retratarem nos seus sambas de enredo somente fatos históricos.[1] A expressão do título é usada, no Brasil, para se referir a coisas sem sentido, a textos mirabolantes e sem nexo.

Histórico[editar | editar código-fonte]

A composição fez parte do musical Pussy Pussy Cats, uma peça de teatro rebolado escrita por Sérgio Porto, produzido por Carlos Machado e com fundo musical por Os Originais do Samba. A imitação de um samba-de-enredo ia de encontro à obrigatoriedade imposta pelo Departamento de Turismo da Guanabara aos compositores desses sambas de tratarem dos temas da História do Brasil, e que produziam os maiores disparates. A performance dos Originais do Samba no musical, em especial a de Mussum atuando como palhaço, ajudou a tornar o "Samba do Crioulo Doido" o destaque da peça e atrair público, mas críticas negativas diminuíram os lucros de Machado. Eventualmente Sérgio Porto escreveu uma peça derivada, "O Show do Crioulo Doido", em 1968, trocando o grupo pelo Quarteto em Cy, que gravaria um compacto do "Samba do Crioulo Doido" com Os Originais fazendo coro ao fundo.[2][1] A música mais tarde também foi gravado pelos Demônios da Garoa.

Enredo[editar | editar código-fonte]

No seu enredo, a música descreve como Chica da Silva obrigou a Princesa Leopoldina a se casar com Tiradentes, e este depois eleito como Pedro Segundo, quando procurou o padre José de Anchieta e, juntos, Anchieta e D. Pedro, proclamaram a escravidão - dentre outros disparates que reúnem num contexto personalidades de épocas e lugares distintos, em condições absurdas.

Referências

  1. a b Lu Gomes (2008). «O fabuloso Stanislaw Ponte Preta». Revista Brasileiros, nº 13. Consultado em 4 de fevereiro de 2009 
  2. Juliano Barreto (2014). Mussum Forévis. [S.l.]: Leya Brasil. ISBN 9788544100264 
Ícone de esboço Este artigo sobre música é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.