Segunda-feira Santa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Segunda-Feira Santa)
Ir para: navegação, pesquisa
Procissão de Nossa Senhora das Dores na Segunda-feira Santa em Ceuta, Espanha.

Segunda-feira Santa ou Grande e Sagrada Segunda-feira (em grego: Μεγάλη Δευτέρα; transl.: Megale Deutera) é a segunda-feira precede a comemoração da morte e ressurreição de Jesus. É o segundo dia da Semana Santa no cristianismo ocidental, depois do Domingo de Ramos, e o terceiro no cristianismo oriental, depois do Sábado de Lázaro e do Domingo de Ramos.

Narrativa bíblica[editar | editar código-fonte]

Os evangelhos contam alguns dos eventos que tradicionalmente se acredita terem ocorrido na segunda-feira antes da morte de Jesus. Um dos mais famosos e conhecidos deles é Jesus amaldiçoando a figueira (Mateus 21:18-22 e Marcos 11:20-26), Jesus limpando o Templo e diversas parábolas.

Cristianismo ocidental[editar | editar código-fonte]

Na Igreja Católica Romana, a leitura do Evangelho durante a missa é João 12:1-9, um evento que, cronologicamente, ocorreu antes da Entrada triunfal de Jesus em Jerusalém, descrita em João 12:12-19. As outras leituras do dia são Isaías 42:1-7 e o Salmo 27.

Poucas denominações protestantes tem serviços específicos para a Segunda-feira Santa. As que têm, geralmente seguem o padrão geral da observância católica.

Cristianismo oriental[editar | editar código-fonte]

Jesus amaldiçoando a figueira, um evento celebrado na Segunda-feira Santa.

Na Igreja Ortodoxa e nas Igrejas Católicas Orientais de rito bizantino, este dia é chamado de "Grande e Santa Segunda-feira" ou "Grande Segunda-feira". Neste dia, a Igreja comemora o definhamento da figueira sem frutos (Mateus 21:18-22), um símbolo do julgamento que irá recair sobre os que não produzirem os frutos do arrependimento[1] . Os hinos deste dia também relembram a história de José, o filho de Jacó, que sofreu inocentemente pelas mãos de seus próprios irmãos (Gênesis 37) e por conta de falsas acusações (Gênesis 39 e 40). Sua história é vista como um tipo (um prenúncio) da Paixão de Cristo[1] .

Pela manhã, a leitura é do Evangelho de Mateus (Mateus 21:18-43).

Os quatro evangelhos são divididos e lidos integralmente durante as chamadas "Pequenas Horas" (terceira, sexta e nona) durante os três primeiros dias da Semana Santa, finalizando em João 13:31. Há várias formas diferentes de dividir o texto, mas a mais comum para a Grande Segunda-feira é[2] :

  • Terceira hora – primeira metade de Mateus
  • Sexta hora – segunda metade de Mateus
  • Nona hora – primeira metade de Marcos

Na sexta hora também ocorre uma leitura do Livro de Ezequiel (Ezequiel 1:1-20).

Durante a liturgia são realizadas mais duas leituras do Antigo Testamento (Êxodo 1:1-20 e Jó 1:1-12). Não há leitura de epístolas e a leitura do Evangelho é Mateus 24:3-35.

Referências

  1. a b Kallistos (Ware), Bishop. The Lenten Triodion. [S.l.]: St. Tikhon's Seminary Press, 1978. 59–60 p. ISBN 978-1878997517
  2. Kallistos 1978.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]