Silvan

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Silvan (Turquia))
Ir para: navegação, pesquisa
Turquia Silvan

Meyafarikîn, Meiafarakin/Mayyafariqin, Np'rkert, Martirópolis, Farqîn, Mayperqiṭ

 
—  Distrito (ilçe)  —
Vista parcial de Silvan
Vista parcial de Silvan
Silvan está localizado em: Turquia
Silvan
Localização de Silvan na Turquia
Coordenadas 38° 08' N 41° E
Região Sudeste da Anatólia
Província Diyarbakır
Administração
 - Governador (kaymakam) Doğan Demirdaş
 - Prefeito (belediye başkanı) Fadıl Erdede
Área [1]
 - Distrito (ilçe) 1 397,14 km²
Altitude mínima 0 m (0 pés)
População (2012)[2]
 - Distrito (ilçe) 86 450
    • Densidade 61,88/km2 
 - Urbana 43 676
Fuso horário EET (UTC+2)
 - Horário de verão EEST (UTC+3)
Código postal 21640
Sítio Governo distrital: www.silvan.gov.tr
Prefeitura: www.silvan.bel.tr

Silvan (em turco: Silvan; em turco otomano: ميا فارقين; transl.: Meyafarikîn;[3] em árabe: ميافارقين‎; transl.: Meiafarakin/Mayyafariqin; em armênio/arménio: Նփրկերտ; transl.: Np'rkert; em grego: Mαρτυρόπολις; transl.: Martyropolis; em curdo: Farqîn; em siríaco: ܡܝܦܪܩܝܛ; transl.: Mayperqiṭ é uma cidade da província de Diyarbakır, na Turquia. Sua população é de 43 676.[2]

História[editar | editar código-fonte]

Silvan tem sido identificada por vários estudiosos como uma das possíveis localizações (a outra sendo Arzan) de Tigranocerta, a antiga capital do Reino da Armênia, que foi construída pelo rei Tigranes, o Grande (r. 95-55 a.C.) e nomeada em sua honra.[4][5] Em 69 a.C., o exército da República Romana derrotou as tropas de Tigranes na batalha de Tigranocerta. A cidade perdeu sua importância como um próspero centro de comércio e cultura helenística nas décadas seguintes. Em 387, com a paz de Acilisena, o Tigranocerta foi incorporada ao Império Bizantino.

Ca. 400, o bispo da cidade, Maruta (depois, São Marutas), trouxe um grande número de relíquias de volta do Império Sassânida. Eram relíquias de mártires cristãos perseguidos sob governo sassânida. Por esta razão a cidade foi nomeada Martirópolis, "cidade dos mártires". Seguindo as reformas de Justiniano (r. 527–565), a cidade foi feita a capital da província da Armênia Quarta.[6] Foi conhecida pelo nome de Meiafarakin após os árabes tomarem a região no século VII. Declinou em importância sobre os séculos e foi reduzida a um pequeno assentamento pelo século XII.

Referências

  1. «Area of regions (including lakes), km².» (em inglês). Consultado em 17-10-2013. 
  2. a b «Population of province/district centers and towns/villages by districts - 2012» (em inglês). Consultado em 17-10-2013. 
  3. Sezen 2006, p. 365
  4. Avdoyan 2006, p. 94-95
  5. Hakobyan 1986, p. 699-700
  6. Adontz 1970, p. 134

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Adontz, Nicholas (1970). Nina G. Garsoïan (trad.), : . Armenia in the Period of Justinian: The Political Conditions Based on the Naxarar System (Lisboa: Calouste Gulbenkian Foundation). 
  • Avdoyan, Levon (2006). «Tiganocerta: The City 'Built by Tigranes». In: Richard G. Hovannisian. UCLA Armenian History and Culture Series: Historic Armenian Cities and Provinces. Armenian Tigranakert/Diarbekir and Edessa/Urfa 6 (Costa Mesa, CA: Mazda Publishers). 
  • Hakobyan, Tadevos Kh. (1986). ««Տիգրանակերտ» (Tigranakert)». Armenian Soviet Encyclopedia XI (Erevan: Sociedade de Ciências Armênia). 
  • Sezen, Tahir. (2006). "Osmanlı Yer Adları (Alfabetik Sırayla)". Yayın Nu 21. T.C. Başbakanlık Devlet Arşivleri Genel Müdürlüğü.