Stop Islamization of America

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Stop Islamization of America ( Em tradução livre: Parem com a Islamização da América) é uma organização americana anti-islâmica/anti-muçulmana (ver islamofobia). [1] [2] [3] [4] É liderado por Robert Spencer e Pamella Geller. A presidente é Pamella Hall. [5] A organização também é conhecida pela abreviação SIOA [6]

Objetivos[editar | editar código-fonte]

A SIOA descreve seus objetivos como promoção dos direitos humanos (por oposição á discriminação contra as mulheres e não muçulmanos pela Sharia), da liberdade religiosa (por oposição á pena de morte islâmica por apostasia) e liberdade de expressão (opondo-se às proibições de blasfémia da Sharia , lei religiosa islâmica).

Um dos seus fundadores o descreveu como " uma entidade de direitos dedicada à liberdade de expressão, o qual está sob ataque, tal como a liberdade religiosa e os direitos individuais ". [7]

História[editar | editar código-fonte]

A SIOA foi fundada e é dirigida por Pamella Geller e Robert Spencer como uma iniciativa da Defesa da Liberdade Americana (AFDI). [8] Foi fundada em 2010, a pedido de Anders Gravers Pedersen, líder da organização Stop Islamization of Europe, do qual a SIOA é filial. [9]

A entidade ganhou visibilidade dentro da polêmica da construção do Park51, (inicalmente chamada Cordoba House), um edifício de 13 andares projetado para ser um centro comunitário islâmico, localizado apenas a duas quadras do local do World Trade Center, em Manhattan. A organização lançou ofensivas campanhas contra o projeto: " Parem de construir as mesquitas do 11/09 ! " entre outras manifestações. [10] [11]

Em julho de 2010, a organização comprou anúncios de ônibus em várias cidades americanas, promovendo um método que levava as pessoas a "abandonarem o Islã" ("Leaving Islam?"). O texto dos anúncios era: "Uma fatwa sobre a sua cabeça? A sua família ou comunidade estão a ameaçá-la (o)? Tem perguntas? Obtenha as respostas!" - e indicava um site de ajuda[12]. A pena prevista, nos próprios textos islâmicos, e conforme as próprias palavras de Maomé, para apostasia, é a morte (por exemplo, Sahih Al-Bukhari, 4:52:260) - abandonar a religião islamica é correr perigo de vida.[13] [14] Tais anúncios acabaram gerando várias controvérsias.[15] O Conselho de Relações América-Islã (CAIR) criticou duramente o teor das propagandas, afirmando que a alegação de ajudar as pessoas para deixarem de serem islamitas é na verdade a ponta do iceberg de uma ideologia anti-islâmica extremista.[16]

A organização sem fins lucrativos Southern Poverty Law Center rotulou a SIOA como um grupo de ódio anti-muçulmano em fevereiro de 2011, pois seria uma entidade que expõe os muçulmanos moderados como terroristas radicais.[17] [18] Pamela Geller descreveu a designação como "uma medalha de honra" [19]e mais tarde, em 2015, afirmou á CNN: "Quem designou a Southern Poverty Law Center como uma autoridade legítima? Eles são um grupo de esquerda radical, que tem como alvo patriotas, veteranos e até candidatos republicanos á Presidencia. Nunca nomearam um grupo jihadista como um grupo de ódio."[20]

A liga americana Anti-Difamação também a lista como um grupo de ódio, o qual promoveria uma agenda islamofobica conspiratória, sob o pretexto de combater o islamismo radical e visa despertar os temores públicos consistentemente difamando a fé islâmica, além de falsamente demonstrarem uma conspiração islâmica para destruir os valores "americanos".[21]

A SIOA promoveu uma série de anúncios no metrô de Nova York, em setembro de 2012, dizendo: " Em uma guerra entre os homens civilizados e os selvagens, apoiamos os homens civilizados. Apoiamos Israel. Derrote a Jihad." [22] Vários grupos tem patrocinado anúncios-respostas a propaganda original da SIOA, pois seria um claro "discurso de ódio". [23] [24] O Conselho Judeu de assuntos públicos dos EUA chamou a iniciativa de "preconceituosa" e o presidente da JCPA, o rabino Steve Gutow disse que " o fato foi que os anúncios, mesmo denunciando corretamente os ataques que Israel sofre, não são desculpa para atacar gratuitamente os muçulmanos ". A jornalista egípcia-americana Mona Eltahawy, que vê a propaganda como uma maneira de equiparar os muçulmanos com "selvagens" [25], foi presa por pichar com um spray um dos anúncios. A presidente da SIOA Pamela Hall disse que iria processar Eltahawy por supostamente ter danificado os equipamentos de filmagem de Hall com um spray enquanto ela tentava bloquear o caminho da jornalista. [26]. William McGurn, anterirmente escritor de discursos de George W. Bush, escreveu um artigo de opinião no Wall Street Journal apoiando os anúncios, argumentando que "selvagem" era um termo apropriado para os jihadistas, e criticando a "nossa nova doutrina do políticamente correcto". [27]

No final de dezembro de 2012, a maior rede televisa do Catar, a Al-Jazeera, mencionou os anúncios da SIOA e demonstrou uma atmosfera anti-islâmica que teria levado, no dia 27 daquele mês, no assassinato de Sunado Sen, não muçulmano mas hindu, que foi morto atropelado por um trem do metrô depois de ser empurrado para os trilhos por Erika Menendez. Como defesa, Erika disse a polícia: "Eu empurrei um muçulmano no trem por que eu odeio hindus e muçulmanos desde o 11 de Setembro". [28] [29] Contudo, embora de facto tenha havido um aumento de "crimes de ódio" contra muçulmanos na altura dos ataques de 11 de Setembro de 2001, eles têm vindo a decrescer; dados do FBI indicam que os "crimes de ódio" anti judaicos são de longe os mais frequentes.[30]

No inicio de 2013, a SIOA colocou anúncios em 39 estações do metrô em Nova York mostrando os ataques de 2001 contra o World Trade Center com uma citação do Corão: "Em breve vamos lançar o terror nos corações dos incrédulos" - "Corão 3:151". [31] [32] Os anúncios permanceram nos locais por um mês."É a liberdade de expressão, e eu não vou diminuir a minha liberdade de expressão para não ofender selvagens," disse Geller. "Não consigo imaginar por que alguém iria estar indignado com a verdade, mas esta é a era que estamos a viver." [33]

Em 26 de junho de 2013, o governo do Reino Unido agiu para evitar que Geller e Spencer entrassem no Reino Unido para assistir a um comício organizado pela extrema-direita inglesa. O governo descreveu o casal como " propagadores de mentiras inflamatórias que promovem o ódio " e que " a presença deles não é propício para o bem público". [34] [35]

Referências

  1. «Anúncios anti-islâmicos aparecem nos ônibus nas grandes cidades americanas (em inglês)». Consultado em 28 de setembro de 2013 
  2. «Centros islâmicos precisam lidar com uma onda anti-islâmica (em inglês)». Consultado em 28 de setembro de 2013 
  3. «Entidade convidam Pam Geller e Robert Spencer para discursarem em Woolwich Rally (em inglês)». Consultado em 28 de setembro de 2013 
  4. «Protestos anti-muçulmanos em todo os EUA (em inglês)». Consultado em 28 de setembro de 2013 
  5. «Ativista anti-muçulmana é supostamente atacada (em inglês)». Consultado em 28 de setembro de 2013 
  6. «Stop Islamization of America (SIOA), uma organização extremista anti-muçulmana (em inglês)». Consultado em 28 de setembro de 2013 
  7. «Stop Islamization of America (em inglês)». Consultado em 28 de setembro de 2013 
  8. «Milhares participam de manifestações islamofobicas (em inglês)». Consultado em 28 de setembro de 2013 
  9. «A história da SIOA (em inglês)». Consultado em 28 de setembro de 2013 
  10. «A história da SIOA (em inglês)». Consultado em 28 de setembro de 2013 
  11. «O local dos atentados contra as torres gêmeas e as mesquitas (em inglês)». Consultado em 28 de setembro de 2013 
  12. Editorial (Data não conhecida). «There is help (Existe ajuda - em inglês)». Refuge From Islam  Verifique data em: |data= (ajuda)
  13. Morrison, Sarah (19 Janeiro 2014). «Allah vs atheism: 'Leaving Islam was the hardest thing I've done' -A growing number of Muslims are speaking out about losing their faith, but it can mean being shunned by their families, or even threatened with death. (Alá vs ateísmo: "Deixar o Islão foi a coisa mais difícil que já fiz" -Um número crescente de muçulmanos falam acerca de perder a fé, mas isso pode significar ser ostracizado pelas suas famílias, ou mesmo ameaçado de morte. (em inglês)». The Independent 
  14. Andrew, Anthony (17 Maio 2015). «Losing their religion: the hidden crisis of faith among Britain's young Muslims As debate rages over the radicalisation of young British Muslims, are we overlooking a different crisis of faith? Ex-Muslims who dare to speak out are often cut off by their families and fear for their lives. A brave few tell us their stories. (Perdendo a fé: a crise de fé escondida entre os jovens muçulmanos britânicos --- Enquanto o debate sobe de tom acerca da radicalização dos jovens muçulmanos britânicos, estaremos a ignorar uma crise diferente de fé? Ex-muçulmanos que se atrevem a falar são muitas vezes afastados pelas famílias e receiam pelas suas vidas. - em inglês)». The Guardian 
  15. «Anúncios anti-islâmicos aparecem nos ônibus nas grandes cidades americanas (em inglês)». Consultado em 28 de setembro de 2013 
  16. «Deixar de ser islâmico? (em inglês)». Consultado em 28 de setembro de 2013 
  17. «Jihad contra os muçulmanos (em inglês)». Consultado em 28 de setembro de 2013 
  18. «Southern Pobery Law Center lista a SIOA como uma organização de difamação (em inglês)». Consultado em 28 de setembro de 2013 
  19. Lach, Eric (1 de Março de 2011). «Pam Geller On 'Hate Group' Label: 'A Badge of Honor' (Pamela Geller acerca da etiqueta de "Grupo de Ódio": "Uma medalha de honra" - em inglês)». TPM (Talking Points Memo) 
  20. Yan, Holly (4 Maio 2015). «Garland shooting: What is the American Freedom Defense Initiative? (Tiroteio em Garland: O que é a Iniciativa de Defesa da Liberdade Americana? - em inglês)». CNN 
  21. «Stop Islamization of America (SIOA), uma organização extremista anti-muçulmana (em inglês)». Consultado em 28 de setembro de 2013 
  22. «Ativista anti-muçulmana é supostamente atacada (em inglês)». Consultado em 28 de setembro de 2013 
  23. «Liberdade de expressão para todos (em inglês)». Consultado em 28 de setembro de 2013 
  24. «Anúncios no metrô pró-islamismo vão de encontro com anti-jihad (em inglês)». Consultado em 28 de setembro de 2013 
  25. «Mona Elthawy vandaliza anúncios islamofóbicos (em inglês)». Consultado em 28 de setembro de 2013 
  26. «Ativista anti-muçulmana é supostamente atacada (em inglês)». Consultado em 28 de setembro de 2013 
  27. McGurn, William (1 Outubro 2012). «Call a Terrorist a 'Savage'? How Uncivilized An anti-jihad message is 'hate speech' by today's topsy-turvy standards. (Chamar um terrorista um "selvagem"? Que falta de educação. - Uma mensagem anti-jihad é "discurso de ódio" pelos padrões às avessas de hoje em dia. - em inglês)». The Wall Street Journal 
  28. «Al-jazeera: Violência anti-muçulmana sai do controle nos EUA (em inglês)». Consultado em 28 de setembro de 2013 
  29. «Violência anti-islâmica acaba em morte (em inglês)». Consultado em 28 de setembro de 2013 
  30. Ser, Kuang Keng Kuek (12 Setembro 2016). «Data: Hate crimes against Muslims increased after 9/11 (Dadosː Crimes de ódio contra muçulmanos aumentaram após o 11 de Setembro - em inglês)». Public Radio International 
  31. «Os novos anti-islâmicos e o metrô de Nova York (em inglês)» 🔗. Consultado em 28 de setembro de 2013 
  32. «Grupo controverso atua nos metros de Nova York (em inglês)». Consultado em 28 de setembro de 2013 
  33. «Mais difamações no metro de Nova York (em inglês)». Consultado em 28 de setembro de 2013 
  34. «Governo britânico tenta barrar casal ativista dos EUA (em inglês)». Consultado em 28 de setembro de 2013 
  35. «Casal americana é banido da marcha de Woolwich(em inglês)». Consultado em 28 de setembro de 2013