Suhasini Ganguly

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Suhasini Ganguly
Nascimento 3 de fevereiro de 1909
Khulna
Morte 23 de março de 1965 (56 anos)
Calcutá
Cidadania Índia
Ocupação revolucionária

Suhasini Ganguly (3 de fevereiro de 1909 - 23 de Março de 1965) foi uma mulher indiana e combatente pela liberdade que participou do movimento de independência da Índia.[1][2][3][4][5][6][7]

Início da vida[editar | editar código-fonte]

Ganguly nasceu em 3 de fevereiro de 1909, em Khulna, Bengala, na Índia Britânica, filha de Abinashchandra Ganguly e Sarala Sundara Devi. A sua família era de Bikrampur, Dhaka, em Bengala. Ela passou a matrícula em 1924, a partir da Escola Dhaka Eden. Enquanto estudava Intermédio das Artes, ela teve um emprego de professora na escola de surdos e mudos e foi para Calcutá.[8]

Actividades revolucionárias[editar | editar código-fonte]

Início[editar | editar código-fonte]

Durante a sua estadia em Kolkata, ela entrou em contacto com Kalyani Das e Kamala Dasgupta. Eles apresentaram-na no Partido Jugantar. Ela se tornou um membro da Chhatri Sangha. Sob a gestão de Kalyani Das e Kamala Dasgupta, Ganguly, em nome de Chhatri Sangha, ensinou natação em Raja Srish Chandra Nandy. Lá, ela conheceu o revolucionário Rashik Das, em 1929. Quando o governo britânico chegou a saber de suas actividades, ela refugiou-se em Chandannagar, que na altura era um território francês.[8]

Ataque ao arsenal de Chittagong[editar | editar código-fonte]

Após o ataque ao arsenal de Chittagong em 18 de abril de 1930, na instrução dos líderes da Chhatri Sangha, Sashadhar Acharya e Ganguly disfarçados de marido e mulher deram abrigo, em Maio de 1930, a Ananta Singh, Lokenath Bal, Ananda Gupta, Jiban Ghoshal (Makhan) e outros em Chandannagar. Em 1 de setembro de 1930, a polícia britânica invadiu a sua casa e um confronto se seguiu. Jiban Ghoshal e seus aliados morreram no tiroteio e os outros revolucionários, incluindo Ganguly foram capturados. Contudo, eles foram libertados pouco tempo depois.[1][7]

Outras actividades[editar | editar código-fonte]

Ela foi associada à Bina Das, que tentou assassinar o Governador de Bengala Stanley Jackson, em 1932.[9] Sob Alteração do Direito Penal de Bengala (BCLA), Ganguly foi mantida em cativeiro no campo de detenção de Hijli de 1932 a 1938 e depois da seu libertação, ela participou no movimento comunista da Índia. Assim, ela ficou ligada à frente de mulheres comunistas da Índia.[10] Embora ela não participasse no Movimento Quit India como o Partido Comunista da Índia não participou, ela ajudou as suas colegas de congresso. Ela foi novamente detida na prisão entre 1942 e 1945, e deu abrigo para Hemanta Tarafdar, um activista do Movimento Quit India. Ganguly foi presa por alguns meses em 1948 e 1949, sob a Lei de Segurança Ocidental de Bengala de 1948, pelas suas ligações ao comunismo.[1]

Referências

  1. a b c Sengupta, Subodh; Basu, Anjali. Sansad Bangali Charitavidhan (Bengali). 1. [S.l.: s.n.] ISBN 978-81-7955-135-6 
  2. Ghosh, Durba (20 de julho de 2017). Gentlemanly Terrorists: Political Violence and the Colonial State in India, 1919–1947 (em inglês). [S.l.]: Cambridge University Press. ISBN 9781107186668 
  3. Bhattacharya, Brigadier Samir (12 de novembro de 2013). NOTHING BUT! (em inglês). [S.l.]: Partridge Publishing. ISBN 9781482814767 
  4. «Mysterious girls». The Telegraph. Consultado em 23 de novembro de 2017 
  5. Vohra, Asharani. Krantikari Mahilae. [S.l.: s.n.] 
  6. «Book Review Swatantrata Sangram Ki Krantikari Mahilayen by Rachana Bh…» [ligação inativa] 
  7. a b De, Amalendu (2011). «সুহাসিনী গাঙ্গুলী : ভারতের বিপ্লবী আন্দোলনের এক উল্লেখযোগ্য চরিত্র» Suhāsinī gāṅgulī: Bhāratēra biplabī āndōlanēra ēka ullēkhayōgya caritra [Suhasini Ganguly: A notable character in the revolutionary movement of India]. Ganashakti (em Bengali) 
  8. a b Chandrababu, B. S.; Thilagavathi, L. (2009). Woman, Her History and Her Struggle for Emancipation (em inglês). [S.l.]: Bharathi Puthakalayam. ISBN 9788189909970 
  9. «The Bengali Bhadramahila —Forms of Organisation in the Early Twentieth Century» (PDF). Manushi 
  10. «Women in the Bengal Revolutionary Movement (1902 - 1935)» (PDF). Manushi