Suma contra Gentios

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Summa contra Gentiles)

Suma contra gentios (também conhecido como Liber de veritate catholicae fidei contra errores infidelium, "Livro sobre a verdade da fé católica contra os erros dos incrédulos") é um dos tratados mais conhecidos de São Tomás de Aquino, escrito em quatro livros entre 1259 e 1265.

Provavelmente foi escrito para ajudar os missionários a explicar a religião cristã e a defendê-la contra pontos de doutrina dissidentes no Islã e no Judaísmo. Para esse fim, Tomás de Aquino podia contar com um corpo substancial de doutrina compartilhada, especialmente princípios do monoteísmo. No caso do judaísmo, a aceitação compartilhada do Antigo Testamento como escritura e, no caso do islamismo, a tradição (na época) compartilhada de aristotélicos filosofia.[1]

Enquanto a Summa Theologiæ foi escrita para explicar a fé cristã aos estudantes de teologia, a Summa contra Gentiles é mais apologética em tom, pois foi escrita para explicar e defender a doutrina cristã contra os incrédulos, com argumentos adaptados às condições pretendidas de seu uso. Cada artigo refuta uma certa crença ou proposição herética. Em vez de uma mera elucidação do comprimento e da largura da doutrina cristã, Tomás de Aquino explica artigos centrais específicos da crença cristã.[1]

Título[editar | editar código-fonte]

O título convencional Summa contra Gentiles, encontrado em alguns dos primeiros manuscritos, às vezes é dado na variante Summa contra Gentes.[2] O título é retirado do capítulo I.2, onde Thomas declara sua intenção como autor da obra:

Eu me propus a tarefa de divulgar, na medida em que meus poderes limitados permitirem, a verdade que a fé católica professa e de deixar de lado os erros que se lhe opõem. Para usar as palavras de Hilário : 'Estou ciente de que devo isso a Deus como o principal dever da minha vida, para que todas as minhas palavras e sentidos possam falar Dele' (De Trinitate I, 37).[3]

Um título mais longo também é dado como Tractatus de fide catholica, contra gentios (ou: contra errores infidelium), que significa "Tratado sobre a fé universal, contra os pagãos" (ou contra os erros dos incrédulos). Isso geralmente é reduzido para De fide Catolica.

Data e composição[editar | editar código-fonte]

O trabalho foi escrito durante um período de vários anos, entre 1259 e 1265.

Na primavera de 1256, Thomas foi nomeado mestre regente de teologia em Paris e um de seus primeiros trabalhos ao assumir esse cargo foi o Contra impugnantes Dei cultum et religionem, defendendo as ordens mendicantes, atacadas por Guilherme de Saint-Amour.[4] Durante seu mandato de 1256 a 1259, Thomas escreveu numerosas obras e estava trabalhando em Summa contra Gentios quando deixou Paris.[5] A partir do autógrafo de Tomás de Aquino, Torrell (1996) identificou os primeiros 53 capítulos do Livro I como tendo sido escritos em Paris com base nos estudos do pergaminho e da tinta usada.[6]

De acordo com uma tradição que pode ser rastreada logo após a morte de Thomas, a Summa contra Gentiles foi escrita em resposta a um pedido, feito em 1259, de um livro que ajudaria os missionários dominicanos na Espanha a converter ali muçulmanos e judeus. O pedido foi feito por Raimundo de Penaforte, frade dominicano e conselheiro de Jaime I de Aragão.[7] Raimundo era ativo na defesa cristã contra os mouros (muçulmanos) e judeus no reino de Aragão desde a década de 1240. Para esse fim, Raimundo instituiu o ensino do árabe e do hebraico em várias casas dos frades e também fundou os priores em Múrcia (então ainda sob o domínio muçulmano) e em Tunes. Além disso, ele foi ajudar a estabelecer a Igreja na ilha recém-conquistada de Maiorca. O pedido de Raimundo a Thomas de Aquino foi transmitido pelo colega dominicano Ramón Martí, um dos oito frades designados para estudar as línguas orientais com o objetivo de levar uma missão a judeus e mouros.[8] A historicidade desse relato tem sido questionada nos estudos modernos.[9] Os argumentos apresentados incluem a falta de uma dedicação explícita a Raimundo, a evidência de que partes substanciais do livro 1 estavam completas em meados de 1259 (sugerindo que Thomas começou a trabalhar no livro já em 1257) e a sugestão de que o trabalho não faz nenhum esforço para abordar os princípios do Islã especificamente.[10]

Mais tarde, em 1259, Thomas deixou Paris e retornou a Nápoles, onde foi designado pregador geral pelo capítulo provincial de 29 de setembro de 1260. Em setembro de 1261, foi chamado a Orvieto como reitor conventual responsável pela formação pastoral dos frades incapazes de frequentar um Studium Generale. Foi em Orvieto que Thomas completou a Summa contra Gentiles, seguida pela Catena aurea[11] e por pequenas obras produzidas para o Papa Urbano IV, como a liturgia para a recém-criada festa de Corpus Christi e Contra errores graecorum.[5]

Partes do texto sobreviveram no autógrafo de Thomás de Aquino, mantido na Biblioteca do Vaticano como Lat. 9850. O manuscrito inclui fragmentos dos livros um e dois e grandes porções do livro três.

Conteúdo[editar | editar código-fonte]

A Summa contra gentios consiste em quatro livros. A estrutura do trabalho de Thomas é projetada para prosseguir a partir de argumentos filosóficos gerais para o monoteísmo, aos quais muçulmanos e judeus provavelmente consentem mesmo dentro de suas próprias tradições religiosas, antes de avançar para a discussão da doutrina especificamente cristã.

Os livros I-III cobrem verdades que naturalmente são acessíveis ao intelecto humano, enquanto o livro IV cobre verdades reveladas para as quais a razão natural é inadequada.

Edições e traduções[editar | editar código-fonte]

Giuseppe Ciante (m. 1670) [12] um dos principais especialistas em hebraico de seus dias e professor de teologia e filosofia no Colégio de Santo Tomás em Roma, foi nomeado em 1640 pelo papa Urbano VIII para a missão de pregar aos judeus de Roma. (Predicatore degli Ebrei), a fim de promover sua conversão. Em meados da década de 1650, o Ciantes escreveu uma "monumental edição bilíngue das três primeiras partes da Summa contra Gentiles de Tomás de Aquino, que inclui o texto original em latim e uma tradução hebraica preparada por Ciantes, assistida por convertidos judeus, a Summa divi Thomae Aquinatis ordinis Praedicatorum Contra Gentiles quam Hebraicè eloquitur… . Até o presente, essa continua sendo a única tradução significativa de uma grande obra escolástica em latim no hebraico moderno".[13]

A primeira edição moderna da obra é a de Ucceli (1878) reeditada em 1918, como parte do Editio Leonina.[14] Os apêndices dos três primeiros livros, baseados no autógrafo, foram editados como vols. 13 (1918, 3-61) e 14 (1926, 3-49) da edição leonina. O texto leonino foi reeditado, com correções, por P. Marc, C. Pera e P. Carmello e publicado com Marietti, Torino-Roma, em 1961.

Traduções modernas foram publicadas em: inglês (1924,[15] 1957[16]), alemão (1937,[17] 2001[18]), espanhol (1968)[19] e francês (1993,[20] 1999).

Referências

  1. a b Gilson, Etienne (1994). The Christian Philosophy of Saint Thomas Aquinas. University of Notre Dame Press. Notre Dame, IN: [s.n.] 502 páginas. ISBN 978-0-268-00801-7 
  2. Davies, ed. (2012). «Chronological List of Aquinas's Writings». The Oxford Handbook of Aquinas. [S.l.: s.n.] 
  3. trans. Pegis (1955)
  4. Aquinas, Thomas; Richard J. Regan; Brian Davies (2003). On Evil. Oxford University Press. New York: [s.n.] ISBN 0-19-509183-3 
  5. a b Davies, Aquinas: An Introduction, p. 4.
  6. Torrell, Jean-Pierre (1996). St. Thomas Aquinas: The Person and His Work, vol. 1. Catholic University of America Press. Washington, DC: [s.n.] 407502 páginas. ISBN 978-0-268-00801-7 
  7. John Y.B. Hood, Aquinas and the Jews (1995), p. 37.
  8. Anthony Bonner, Doctor illuminatus, Princeton University Press (1993), p. 78
  9. Brian Davies, Thomas Aquinas's Summa Contra Gentiles: A Guide and Commentary, Oxford University Press, (2016), pages 8-10.
  10. "Aquinas only mentions Islam nine times in the entire work, and only a brief paragraph (1.6) says anything remotely substantive about the religion." T. E. Burman in: Nicholas of Cusa and Islam: Polemic and Dialogue in the Late Middle Ages, Studies in Medieval and Reformation Traditions (Ian Christopher Levy, Rita George-Tvrtković, Donald Duclow eds.), BRILL (2014), p. xv.
  11. Healy, Theologian, p. 4.
  12. Galletti in Vat. Lat. 7900 f. 106; Hierarchia Catholica Medii Aevi, Vol 4, 233, https://www.scribd.com/doc/63478112/Hierarchia-Catholica-Medii-Aevi-V4 Accessed 21 February 2013
  13. "Kabbalah and Conversion: Caramuel and Ciantes on Kabbalah as a Means for the Conversion of the Jews", by Yossef Schwartz, in Un’altra modernità. Juan Caramuel Lobkowitz (1606–1682): enciclopedia e probabilismo, eds. Daniele Sabaino and Paolo C. Pissavino (Pisa: Edizioni EPS 2012): 175–187, 176–7, https://www.academia.edu/2353870/Kabbalah_and_Conversion_Caramuel_and_Ciantes_on_Kabbalah_as_a_Means_for_the_Conversion_of_the_Jews Accessed 16 March 2012. See Summa divi Thomae Aquinatis ordinis praedicatorum Contra Gentiles quam Hebraicè eloquitur Iosephus Ciantes Romanus Episcopus Marsicensis ex eodem Ordine assumptus, ex typographia Iacobi Phaei Andreae filii, Romae 1657.
  14. Pietro Antonia Ucelli (ed.), S. Thomae Aquinatis ... Summae de veritate catholicae fidei contra gentiles quae supersunt ex codice autographo ... cetera vero ex probatissimis codd. et editionibus, Roma 1878. Summa contra gentiles (Sancti Thomae Aquinatis doctoris Angelici Opera omnia, iussu edita Leonis XIII. P. M. 13), Roma 1918, 3–602; (P. M. 14), Roma 1926, 3–475; (P. M. 15), Roma 1930, 3–299.
  15. The Summa Contra Gentiles, literally translated by the English Dominican Fathers from the latest Leonine Edition Arquivado em 2011-08-22 no Wayback Machine. Burns Oates & Washbourne Ltd. (1924).
  16. Summa contra Gentiles, 5 vols., New York: Hanover House, (1955-57; reprint University of Notre Dame Press, 1975): Book One, God, trans. Anton C. Pegis; Book Two, Creation, trans. James Anderson; Book Three, Providence, (Part 1 and Part 2) trans. Vernon Bourke; Book Four, Salvation, trans.Charles J. O'Neil.
  17. Hans Nachod, Paul Stern, Thomas von Aquin, Die Summe wider die Heiden in vier Büchern, Leipzig 1935–1937.
  18. Karl Albert, Thomas von Aquin, Summa contra gentiles 1.–4. Buch. Lateinisch und deutsch, Darmstadt 2001.
  19. Laureano Robles Carcedo, Adolfo Robles Sierra, Santo Tomas de Aquino, Suma contra los gentiles 1–2 (Biblioteca de Autores Cristianos. Sección 6: Filosofia 94 und 102), Madrid 1967–1968
  20. René-Antoine Gauthier, Thomas de Aquino, Summa contra gentiles. Saint Thomas d’Aquin, Somme contre les gentils (Philosopie européenne), Paris 1993. Réginald Bernier, Thomas d’Aquin, Somme contre les gentils, Latout-Maubourg 1993.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • M. Asín y Palacios: “O teológico de Santo Tomás de Aquino”. Homenaje á. Francisco Codera em jubilação do profesorado, estudos de erudição oriental. Saragoça, 1904, pp.   271-331.
  • RR Burns: muçulmanos, cristãos e judeus no Reino dos Cruzados de Valência. Cambridge, 1984.
  • J.-M. Casciaro: O diálogo teológico de Santo Tomás com muçulmanos e judeus. Madri, 1969.
  • C. Chang, Cativando a descrença: uma estratégia cativante de Agostinho e Aquino. Downers Grove, IL, 2000.
  • L. Getino: La Summa contra gentios e el Pugio fidei. Vergara, 1905.
  • H. Esperando: Weisheit als Wissen des Ursprungs: Philosophie und Theologie in der "Summa contra gentiles" de Thomas von Aquin. Freiburg, 1997.
  • Matthew Kostelecky: Summa de Thomas Aquinas contra Gentios: Um espelho da natureza humana. Lovaina: Peeters, 2013. ISBN 978-90-429-2747-6 ISBN   978-90-429-2747-6
  • A. Huerga: “Hipóteses sobre a genética da Summa contra gentios e del Pugio fidei”. Angelicum 51 (1947), 533-57.
  • T. Murphy: "A data e o propósito dos contra gentios ." Heythrop Journal 10 (1969), 405–15.
  • R. Schönberger: Thomas von Aquins, “Summa contra Gentiles”. Darmstadt, 2001.
  • John Tolan : "Tomás de Aquino: Summa contra gentiles", em D. Thomas et al., eds., History Bibliographical of Christian-Muslim Relations, vol. 4, Leiden: Brill, 2009-12.
  • Jean-Pierre Torrell, OP: São Tomás de Aquino: a pessoa e sua obra: vol. 1 Washington, DC: Imprensa da Universidade Católica da América, 1996.
  • J. Waltz: "Muhammad e os muçulmanos em São Tomás de Aquino". Muslim World 66 (1976): 81–95.
  • Summa contra gentiles (em latim). 1. Naples: [s.n.] 1773. [Dec 27, 2018 Cópia arquivada em https://archive.is/gWXjR] Verifique valor |arquivourl= (ajuda)  Verifique data em: |arquivodata= (ajuda)
  • The English Dominican Fathers (1923). The Summa contra gentiles of Saint Thomas Aquinas (literally translated from the Latest Leonine edition). Burns Oates & Washbourne Ltd. (em inglês). First Book. London: [s.n.] [Dec 27, 2018 Cópia arquivada em https://archive.is/8tbqG] Verifique valor |arquivourl= (ajuda)  Verifique data em: |arquivodata= (ajuda) (com imprimatur de Edmund Canon Surmont, Westminster vigário geral )

Ligações externas[editar | editar código-fonte]