Sylvia Sass

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde agosto de 2009).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Sylvia Sass (Budapeste, 12 de Julho de 1951) é uma aclamada soprano húngara, particularmente associada a papéis de Giuseppe Verdi.

Sass estudou na Academia de Música Franz Liszt em Budapeste, com Ferenc Révhengyi. Ela fez sua estréia profissional na Ópera Estatal Húngara, como Frasquita em Carmen de Bizet em 1971. No ano seguinte ela apareceu na Ópera Nacional de Sofia, como Violetta em La Traviata]] (Verdi) e durante a temporada de 1974/1975 ela cantou no Festival de Salzburgo em concertos de [[Mozart. Em 1975 ela cantou na Ópera Nacional Escocêsa Real, como Desdemona em Otello (Verdi) e em 1976 fez sua estréia no Royal Opera House em Londres, em uma aclamada performance de Gilseda em I Lombardi (Verdi). Ela também apareceu na Ópera Estatal de Viena, na Ópera Estatal de Munique, no Teatro Municipal de Caracas e em casas de óperas de Colônia, Frankfurt, Berlim, Hamburgo e na Ópera de Paris, também no Festival Aix-en-Provence. Em 1978 ela fez sua estréia no La Scala de Milão em Manon Lescaut de Puccini, conduzida por Georges Prêtre.

Seu repertório também inclui: Donna Elvira em Don Giovanni, Fiordiligi em Così Fan Tutte, Mimì em La Bohème, Judith em Bluebeard's Castle (Béla Bartók), entre tantas outras.

Sua excepcional voz dramática fez ela ser chamada de "A Segunda Maria Callas". No fim da década de 1980 parou de apresentar-se em óperas.