Temporada de ciclones na região da Austrália de 2009-2010

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Temporada de ciclones na região da Austrália de 2009-2010
2009-2010 Australian region cyclone season summary.png
Primeiro sistema1 formado: Laurence, em 8 de dezembro de 2009
Sistemas ativos1: Ului
Total de tempestades nomeadas: 5
Total de ciclones: 3
Grandes ciclones (Cat. 3+): 2
Tempestade mais forte: Laurence e Ului - 925 mbar, 240 km/h (1 min)
Número de sistemas1 que atingiram terras emersas: 2
Danos totais: 0
ECA Total: 0
Fatalidades confirmadas: 0
1Inclui depressões tropicais e depressões subtropicais

A temporada de ciclones na região da Austrália de 2009-2010 é um evento no ciclo anual de formação de ciclones tropicais. A temporada começou oficialmente em 1 de novembro de 2009 e terminará em 30 de Abril de 2010. O plano operacional regional de ciclones tropicais define um "ano de ciclones tropicais" separado de uma "temporada de ciclones tropicais". O "ano de ciclones tropicais" começou oficialmente em 1 de Julho de 2009 e terminará em 30 de Junho de 2010. A área de monitoração de ciclones na região da Austrália fica no hemisfério sul, limitada pela linha do Equador e pelos meridianos 90°E e 160ºE. Esta área de monitoramento inclui a Austrália, a Papua-Nova Guiné, o Timor-Leste, parte ocidentais das Ilhas Salomão e partes da Indonésia.

Os ciclones tropicais que se formam nesta área são monitorados por cinco centros de aviso de ciclone tropical (CACTs): O Bureau of Meteorology em Perth, em Darwin e em Brisbane; pelo CACT de Jacarta, Indonésia e pelo CACT de Port Moresby, Papua Nova Guiné[1] O Joint Typhoon Warning Center (JTWC) emite avisos não oficiais para a região, designando sistemas tropicais com o sufixo "S" quando se formam a oeste do meridiano 135°L e com o sufixo "P" quando se formam a leste do meridiano 135°E.

Tempestades[editar | editar código-fonte]

Ciclone tropical severo Laurence[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Ciclone Laurence (2009)
Laurence
06S
Categoria 5 (Escala Australiana)
Categoria 4 (EFSS)
{{{image}}} Laurence 2009 track.png
Duração 12 de dezembro de 2009—23 de dezembro de 2009
Intensidade 130 nós (241 km/h, 150 mph) 1 min
110 nós (204 km/h, 127 mph) 10 min, 925 hPa (mbar)

Em 8 de Dezembro, o CACT de Darwin relatou que uma baixa tropical havia se formado perto da costa sul de Papua Nova Guiné.[2] Como o sistema seguiu para o nordeste da região de Top End, extremo norte do Território do Norte, em 10 de dezembro, o CACT de Darwin emitiu um alerta de ciclone tropical para as zonas costeiras de Ilha Croker a Ilha Bathurst, mas excluindo Darwin. No mesmo dia, o CACT de Perth cancelou todos os avisos anteriores e emitiu novo alerta para Kalumburu, para o sul e oeste de Mitchell Plateau. O sistema permaneceu praticamente estacionário, onde começou a se intensificar, e se tornou o primeiro ciclone tropical dotado de nome da temporada no início da madrugada (UTC) de 13 de dezembro.[3] Seguindo para sudoeste, Laurence começou a se intensificar rapidamente, e logo se tornou um ciclone tropical severo, segundo o CACT de Darwin, no início da madrugada (UTC) de 15 de dezembro.[4] A rápida intensificação persistiu, e Laurence atingiu seu pico de intensidade ainda em 15 de dezembro, com ventos máximos sustentados de 215 km/h (1 minuto sustentado), segundo o JTWC.[5]

Na madrugada (UTC) de 16 de dezembro, Laurence começou a se enfraquecer assim que se aproximava na costa da Austrália Ocidental.[6] Laurence fez landfall na costa da Austrália, perto da Ilha Cockatoo, e começou a se enfraquecer logo depois. Com isso, o JTWC emitiu seu aviso final sobre o sistema,[7] enquanto que o CACT de Perth desclassificou Laurence para um simples ciclone tropical.[8]

Em 18 de dezembro, o CACT de Perth desclassificou Laurence para uma baixa tropical,[9] mas naquela tarde, o JTWC voltou a emitir avisos regulares sobre o ciclone assim que Laurence começou a seguir novamente para oeste-noroeste, em direção ao oceano.[10] Entrando novamente em contato com as águas quentes do oceano Índico, Laurence voltou a se organizar. Com isso, o CACT de Perth voltou a classificar Laurence para um ciclone tropical em 19 de dezembro.[11] A partir de então, Laurence voltou a sofrer rápida intensificação e se tornou novamente um ciclone tropical severo, segundo o CACT de Perth.[12] A partir de então, Laurence começou a seguir para sul, e atingiu seu segundo pico de intensidade, com ventos de até 240 km/h (1 minuto sustentado), segundo o JTWC,[5] pouco antes de fazer seu segundo landfall, logo a leste da cidade de Port Hedland, durante seu pico de intensidade. Logo em seguida, Laurence começou a se enfraquecer rapídamente e o JTWC emitiu seu aviso final sobre o sistema.[13] O CACT de Perth também emitiu seu aviso final sobre o sistema na madrugada (UTC) de 23 de dezembro.[14]

Baixa tropical 02U[editar | editar código-fonte]

02U
Baixa tropical (Escala Australiana)
{{{image}}} 02U 2010 track.png
Duração 27 de dezembro de 2009—5 de janeiro de 2010
Intensidade 20 nós (37 km/h, 23 mph) 1 min
25 nós (46 km/h, 29 mph) 10 min, 995 hPa (mbar)

Uma área de perturbações meteorológicas localizada sobre a região de Top End, no Território do Norte, Austrália, começou a mostrar sinais de desenvolvimento em 27 de dezembro, quando o CACT de Darwin classificou o sistema para a baixa tropical "02U".[15] Após seguir para o golfo de Joseph Bonaparte, a baixa seguiu para sudeste e fez landfall na divisa entre Austrália Ocidental e o Território do Norte, Austrália, e dissipou-se em 5 de janeiro.[16]

Baixa tropical 03U (Edzani)[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Ciclone Edzani
03U
Baixa tropical (Escala Australiana)
{{{image}}} Edzani 2010 track.png
Duração 1 de janeiro de 2010—4 de janeiro de 2010
(Deixou a área de responsabilidade do CACT de Perth)
Intensidade 30 nós (56 km/h, 35 mph) 10 min, 1000 hPa (mbar)

Uma área de perturbações meteorológicas localizada a sudeste de Sumatra, Indonésia, começou a mostrar sinais de organização em 1 de janeiro, quando o CACT de Jacarta o classificou para a baixa tropical "03U".[17] No entanto, a baixa não foi capaz de se intensificar devido às condições meteorológicas desfavoráveis, como o forte cisalhamento do vento. Seguindo para oeste e oeste-sudoeste, a baixa deixou a área de responsabilidade do CACT de Perth para adentrar na área do Centro Meteorológico Regional Especializado de Reunião, na manhã (UTC) de 4 de janeiro, onde se tornou o intenso ciclone Edzani. Com isso, o último aviso sobre a baixa foi emitido.[18]

Baixa tropical 04U[editar | editar código-fonte]

04U
Baixa tropical (Escala Australiana)
{{{image}}} 04U 2010 track.png
Duração 14 de janeiro de 2010—21 de janeiro de 2010
Intensidade 25 nós (46 km/h, 29 mph) 1 min,

Em 14 de janeiro, o Centro de Aviso de Ciclone Tropical (CACT) de Perth classificou um cavado de monção que mostrava sinais de organização ao largo da costa noroeste da Austrália para a baixa tropical "04U".[19] Seguindo para oeste, a baixa não foi capaz de se intensificar e se dissipou em 21 de janeiro.[20]

Ciclone tropical severo Magda[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Ciclone Magda (2010)
Magda
08S
Categoria 3 (Escala Australiana)
Categoria 1 (EFSS)
{{{image}}} Magda 2010 track.png
Duração 19 de janeiro de 2010—22 de janeiro de 2010
Intensidade 65 nós (120 km/h, 75 mph) 1 e 10 min, 980 hPa (mbar)

Na manhã de 19 de janeiro, o Centro de Aviso de Ciclone Tropical de Perth relatou a formação de uma baixa tropical a oeste de Darwin.[21] Na tarde de 20 de janeiro, o CACT de Perth classificou o sistema como um ciclone tropical e lhe atribuiu o nome "Magda".[22] Mais tarde, o Joint Typhoon Warning Center (JTWC) também classificou o sistema para um ciclone tropical significativo e lhe atribuiu a designação "08S".[23] Sob condições meteorológicas favoráveis, Magda intensificou-se gradualmente, atingindo seu pico de intensidade no início da noite (UTC) de 21 de janeiro, com ventos máximos sustentados de 120 (1 minuto sstentado), segundo o JTWC,[24] ou 110 km/h (10 minutos sustentados), segundo o CACT de Perth.

Logo em seguida, Magda começou a se enfraquecer assim que sua circulação ciclônica de baixos níveis começou a se interagir com a costa do noroeste da Austrália. Magda fez landfall na costa da região de Kimberley, perto de seu pico de intensidade, no final daquela noite (UTC).[25] Sobre terra, Magda começou a se enfraquecer rapidamente. No início da tarde (UTC) de 22 de janeiro, o CACT de Perth desclassificou Magda para uma baixa tropical e emitiu seu aviso final sobre o sistema.[26] O JTWC fez o mesmo mais tarde naquele dia.[27]

Ciclone tropical Neville[editar | editar código-fonte]

Neville
Categoria 1 (Escala Australiana)
{{{image}}} Neville 2010 track.png
Duração 14 de janeiro de 2010—22 de janeiro de 2010
Intensidade 30 nós (56 km/h, 35 mph) 1 min
35 nós (65 km/h, 40 mph) 10 min, 994 hPa (mbar)

No início da madrugada (UTC) de 16 de janeiro, o Centro de Aviso de Ciclone Tropical (CACT) de Darwin classificou uma área de perturbações meteorológicas sobre o golfo de Carpentária como a baixa tropical 05U.[28] Seguindo para leste-sudeste, a baixa cruzou a península do Cabo York e começou a se organizar no mar de Coral. Na noite de 20 de janeiro, o Centro de Aviso de Ciclone Tropical (CACT) de Brisbane classificou o sistema como um ciclone tropical e lhe atribuiu o nome "Neville".[29]

No entanto, devido às condições meteorológicas desfavoráveis, Neville logo se enfraqueceu para uma baixa tropical no início da madrugada (UTC) de 21 de janeiro.[30] O sistema continuou a se desorganizar enquanto permanecia praticamente estacionário ao largo da costa de Queensland, e em 22 de janeiro, o CACT de Brisbane emitiu seu aviso final sobre o sistema.[31]

Ciclone tropical Olga[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Ciclone Olga (2010)
Olga
Categoria 2 (Escala Australiana)
Tempestade tropical (EFSS)
{{{image}}} Olga 2010 track.png
Duração 20 de janeiro de 2010(Adentrou a AR do CACT de Brisbane)—30 de janeiro de 2010
Intensidade 50 nós (93 km/h, 58 mph) 1 min
55 nós (102 km/h, 63 mph) 10 min, 983 hPa (mbar)

Em 20 de janeiro, a depressão tropical 04 adentrou a área de responsabilidade do Centro de Aviso de Ciclone Tropical (CACT) de Brisbane, Austrália. Inicialmente desorganizado, o sistema começou a mostrar sinais de organização em 22 de janeiro com o enfraquecimento do ciclone tropical Neville, e se tornou o ciclone tropical Olga ainda naquele dia.[32] O Joint Typhoon Warning Center (JTWC0 também classificou o sistema para um ciclone tropical significativo no início da madrugada (UTC) de 23 de janeiro, atribuindo-lhe a designação "09S".[33] Seguindo para oeste, olga atingiu seu pico de intensidade, com ventos máximos sustentados de 85 km/h (1 minuto sustentado), segundo o JTWC, pouco antes de fazer landfall na costa de Queensland, Austrália, em 24 de janeiro.[34]

Pouco antes de alcançar a costa, o CACT de Brisbane desclassificou Olga para uma baixa tropical.[35] Ainda naquele dia, o JTWC chegou a emitir seu aviso final sobre o sistema assim que as previsões favoreciam a dissipação de Olga sobre terra.[36]

No entanto, a área de baixa pressão remanescente de Olga voltou a se intensificar assim que o sistema alcançou o golfo de Carpentária. Com isso, o JTWC voltou a emitir avisos regulares sobre o sistema em 26 de janeiro.[37] No entanto, Olga não foi capaz de voltar a se intensificar devido a um inesperado movimento para sudoeste, o que fez que Olga seguisse sobre terra por mais tempo que se imaginava.[38] Na manhã (UTC) de 28 de janeiro, Olga começou a seguir para sul-sudoeste, distanciando-se do golfo de Carpentária, e forçando o JTWC a emitir mais uma vez o seu aviso final sobre o sistema.[39]

Novamente o sistema seguiu para o golfo de Carpentária, onde mais uma vez voltou a se intensificar. Com isso, o JTWc teve que reiniciar a emissão regular de avisos sobre Olga na tarde de 29 de janeiro.[40] Praticamente ao mesmo tempo, o CACT de Brisbane voltou a classificar o sistema para um ciclone tropical significativo.[41] Olga cruzou o golfo de Carpentária rapidamente, e fez um segundo landfall sobre o estado australiano de Queensland, onde se enfraqueceu definitivamente e se dissipou. Com isso, o JTWC emitiu seu aviso final sobre o sistema.[42] Ao mesmo tempo, o CACT de Brisbane desclassificou Olga mais uma vez para uma baixa tropical e também emitiu seu aviso final sobre o sistema.[43]

Ciclone tropical severo Ului[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Ciclone Ului (2010)
Ului
Categoria 4 (Escala Australiana)
Categoria 4 (EFSS)
{{{image}}} Ului 2010 track.png
Duração 09 de março de 2010—Em Atividade
Intensidade 135 nós (250 km/h, 155 mph) 1 min
105 nós (194 km/h, 121 mph) 10 min, 925 hPa (mbar)

Cronologia[editar | editar código-fonte]

O gráfico abaixo mostra de forma clara a duração e a intensidade de cada ciclone tropical:

Nomes das tempestades[editar | editar código-fonte]

Os CACTs de Perth, Darwin e Brisbane usam uma lista compartilhada de nomes de ciclones tropicais. No entanto, os CACTs de Port Moresby e Jacarta usam suas próprias listas para atribuir nomes aos ciclones tropicais de que se formam em suas áreas de responsabilidade.

Indonésia[editar | editar código-fonte]

Ciclones tropicais que se formam entre a linha do Equador e a latitude 10°S e entre os meridianos 90°L e 125°L são monitorados pelo CACT de Jacarta, Indonésia. Abaixo segue-se os três primeiros nomes a serem usados para a temporada de 2009-2010:

  • Anggrek (Sem usar)
  • Bakung (Sem usar)
  • Cempaka (Sem usar)
    [44]

Bureau of Meteorology[editar | editar código-fonte]

Começando no "ano ciclônico" de 2008-2009, haverá somente uma única lista que o Bureau of Meteorology (Agência de Meteorologia da Austrália) irá usar para atribuir nomes aos ciclones tropicais. No entanto, o Bureau of Meteorology ainda vai operar os Centros de Avisos de Ciclone Tropical em Perth, Darwin e Brisbane. Eles monitoram os ciclones tropicais que se formam ao sul da linha do Equador, entre os meridianos 90° e 160°L, emitindo avisos especiais mesmo para aqueles ciclones tropicais que estiverem nas áreas de responsabilidades dos CACTs de Jacarta e de Port Moresby. Os nomes serão usados sequencialmente, não havendo, portanto, uma lista alfabética anual. A seguir, será apresentada a lista alfabética da coluna 1, cujo primeiro nome será atribuído ao primeiro ciclone tropical que se formar na temporada de 2009-2010:

  • Tasha (sem usar)
  • Vince (sem usar)
  • Zelia (sem usar)
  • Anthony (sem usar)
  • Bianca (sem usar)
  • Carlos (sem usar)
  • Dianne (sem usar)
  • Errol (sem usar)
  • Zelia (sem usar)
  • Fina (sem usar)
  • Grant (sem usar)
  • Heidi (sem usar)
  • Iggy (sem usar)
  • Jasmine (sem usar)
    [45]

Papua Nova-Guiné[editar | editar código-fonte]

Ciclones tropicais que se formam ao sul da linha do Equador e entre os meridianos 141°L e 160°L são monitorados pela CACT de Port Moresby, Papua Nova Guiné. A lista de nomes está em ordem alfabética. Porém, a escolha dos nomes é aleatório, ou seja, o nome pode ser escolhido dentre qualquer nome da lista.

  • Alu (sem usar)
  • Buri (sem usar)
  • Dodo (sem usar)
  • Emau (sem usar)
  • Fere (sem usar)
  • Hibu (sem usar)
  • Ila (sem usar)
  • Kama (sem usar)
  • Lobu (sem usar)
  • Maila (sem usar)
    [44]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Furacão Catrina Portal da
meteorologia

Referências

  1. http://www.wmo.ch/pages/prog/www/tcp/documents/TCP-24-OP-PLN-2006-edition-english.pdf
  2. «TROPICAL CYCLONE TECHNICAL BULLETIN: AUSTRALIA - NORTHERN REGION» (em inglês). Bureau of Meteorology. 12 de dezembro de 2009. Consultado em 17 de janeiro de 2009 
  3. «TROPICAL CYCLONE ADVICE NUMBER 15» (em inglês). Bureau of Meteorology. 13 de dezembro de 2009. Consultado em 17 de janeiro de 2009 
  4. «CORRECTED TROPICAL CYCLONE ADVICE NUMBER 31» (em inglês). Bureau of Meteorology. 15 de dezembro de 2009. Consultado em 17 de janeiro de 2009 
  5. a b «Tropical Cyclone 06S (Laurence) Best Track» (em inglês). Joint Typhoon Warning Center. 22 de dezembro de 2009. Consultado em 17 de janeiro de 2009 
  6. «TROPICAL CYCLONE ADVICE NUMBER 41» (em inglês). Bureau of Meteorology. 16 de dezembro de 2009. Consultado em 17 de janeiro de 2009 
  7. «TROPICAL CYCLONE 06S (LAURENCE) WARNING NR 008» (em inglês). Bureau of Meteorology. 16 de dezembro de 2009. Consultado em 17 de janeiro de 2009 
  8. «TROPICAL CYCLONE ADVICE NUMBER 48» (em inglês). Bureau of Meteorology. 17 de dezembro de 2009. Consultado em 17 de janeiro de 2009 
  9. «TROPICAL CYCLONE ADVICE NUMBER 56» (em inglês). Bureau of Meteorology. 18 de dezembro de 2009. Consultado em 17 de janeiro de 2009 
  10. «TROPICAL CYCLONE 06S (LAURENCE) WARNING NR 009» (em inglês). Joint Typhoon Warning Center. 18 de dezembro de 2009. Consultado em 17 de janeiro de 2009 
  11. «TROPICAL CYCLONE ADVICE NUMBER 64» (em inglês). Bureau of Meteorology. 19 de dezembro de 2009. Consultado em 17 de janeiro de 2009 
  12. «TROPICAL CYCLONE ADVICE NUMBER 73» (em inglês). Bureau of Meteorology. 20 de dezembro de 2009. Consultado em 17 de janeiro de 2009 
  13. «TROPICAL CYCLONE 06S (LAURENCE) WARNING NR 015» (em inglês). Joint Typhoon Warning Center. 21 de dezembro de 2009. Consultado em 17 de janeiro de 2009 
  14. «Ex-Tropical Cyclone Laurence» (em inglês). Bureau of Meteorology. 23 de dezembro de 2009. Consultado em 17 de janeiro de 2009 
  15. «Tropical Cyclone 3 day Outlook for Northern Region, including the Gulf of Carpentaria» (em inglês). Bureau of Meteorology. 27 de dezembro de 2009. Consultado em 7 de fevereiro de 2010  line feed character character in |titulo= at position 74 (ajuda)
  16. «Tropical Cyclone 3 day Outlook for Northern Region, including the Gulf of Carpentaria» (em inglês). Bureau of Meteorology. 5 de janeiro de 2010. Consultado em 7 de fevereiro de 2010  line feed character character in |titulo= at position 74 (ajuda)
  17. «BULETIN INFORMASI SIKLON TROPIS» (em indonésio). CACT de Jacarta. 1 de janeiro de 2010. Consultado em 7 de fevereiro de 2010 
  18. «BULETIN INFORMASI SIKLON TROPIS» (em indonésio). CACT de Jacarta. 4 de janeiro de 2010. Consultado em 7 de fevereiro de 2010 
  19. «ropical Cyclone three-day outlook for the Western Region» (em inglês). Bureau of Meteorology. 14 de janeiro de 2010. Consultado em 7 de fevereiro de 2010 
  20. «Tropical Cyclone three-day outlook for the Western Region» (em inglês). Bureau of Meteorology. 21 de outubro de 2010. Consultado em 7 de fevereiro de 2010 
  21. «HIGH SEAS WEATHER WARNING FOR METAREA 10 ISSUED BY THE AUSTRALIAN BUREAU OF METEOROLOGY TROPICAL CYCLONE WARNING CENTRE PERTH» (em inglês). Bureau of Meteorology. 19 de janeiro de 2010. Consultado em 7 de fevereiro de 2010 
  22. «TROPICAL CYCLONE ADVICE NUMBER 4» (em inglês). Bureau of Meteorology. 20 de outubro de 2010. Consultado em 7 de fevereiro de 2010 
  23. «TROPICAL CYCLONE 08S (MAGDA) WARNING NR 001» (em inglês). Joint Typhoon Warning Center. 20 de janeiro de 2010. Consultado em 7 de fevereiro de 2010 
  24. «Tropical Cyclone 08S (Magda) Best Track» (em inglês). Joint Typhoon Warning Center. 25 de janeiro de 2010. Consultado em 7 de fevereiro de 2010 
  25. «ZONE OF DISTURBED WEATHER 10 1006 HPA» (em inglês). TROPICAL CYCLONE ADVICE NUMBER 14. 22 de janeiro de 2010. Consultado em 7 de fevereiro de 2010 
  26. «TROPICAL CYCLONE ADVICE NUMBER 19» (em inglês). CMRE de Reunião. 22 de janeiro de 2010. Consultado em 7 de fevereiro de 2010 
  27. «TROPICAL CYCLONE 08S (MAGDA) WARNING NR 005» (em inglês). CMRE de Reunião. 22 de janeiro de 2010. Consultado em 7 de fevereiro de 2010 
  28. «TROPICAL CYCLONE ADVICE NUMBER 1» (em inglês). Bureau of Meteorology. 16 de janeiro de 2010. Consultado em 7 de fevereiro de 2010 
  29. «TROPICAL CYCLONE ADVICE NUMBER 1» (em inglês). Bureau of Meteorology. 20 de janeiro de 2010. Consultado em 7 de fevereiro de 2010 
  30. «Ex-Tropical Cyclone Neville» (em inglês). Bureau of Meteorology. 21 de janeiro de 2010. Consultado em 7 de fevereiro de 2010 
  31. «ROPICAL CYCLONE ADVICE NUMBER 8» (em inglês). Bureau of Meteorology. 22 de janeiro de 2010. Consultado em 7 de fevereiro de 2010 
  32. «TROPICAL CYCLONE ADVICE NUMBER 1» (em inglês). Bureau of Meteorology. 23 de janeiro de 2010. Consultado em 7 de fevereiro de 2010 
  33. «TROPICAL CYCLONE 09P (OLGA) WARNING NR 001» (em inglês). Joint Typhoon Warning Center. 23 de janeiro de 2010. Consultado em 7 de fevereiro de 2010 
  34. «Tropical Cyclone 09P (olga) Best Track» (em inglês). Joint Typhoon Warning Center. 30 de janeiro de 2010. Consultado em 7 de fevereiro de 2010 
  35. «TROPICAL CYCLONE ADVICE NUMBER 11» (em inglês). Bureau of Meteorology. 24 de janeiro de 2010. Consultado em 7 de outubro de 2009 
  36. «TROPICAL CYCLONE 09P (OLGA) WARNING NR 004» (em inglês). Joint Typhoon Warning Center. 24 de janeiro de 2010. Consultado em 7 de fevereiro de 2010 
  37. «TROPICAL CYCLONE 09P (OLGA) WARNING NR 005» (em inglês). Joint Typhoon Warning Center. 26 de janeiro de 2010. Consultado em 7 de fevereiro de 2010 
  38. «TROPICAL CYCLONE 09P (OLGA) WARNING NR 007» (em inglês). Joint Typhoon Warning Center. 27 de janeiro de 2010. Consultado em 7 de fevereiro de 2010 
  39. «TROPICAL CYCLONE 09P (OLGA) WARNING NR 008» (em inglês). Joint Typhoon Warning Center. 28 de janeiro de 2010. Consultado em 7 de fevereiro de 2010 
  40. «TROPICAL CYCLONE 09P (OLGA) WARNING NR 009» (em inglês). Joint Typhoon Warning Center. 29 de janeiro de 2010. Consultado em 8 de fevereiro de 2010 
  41. «Tropical Cyclone Olga, Category One» (em inglês). Bureau of Meteorology. 29 de janeiro de 2010. Consultado em 8 de fevereiro de 2010 
  42. «TROPICAL CYCLONE 09P (OLGA) WARNING NR 010» (em inglês). Joint Typhoon Warning Center. 30 de janeiro de 2010. Consultado em 8 de fevereiro de 2010 
  43. «Tropical Low, former Olga» (em inglês). Joint Typhoon Warning Center. 30 de janeiro de 2010. Consultado em 8 de fevereiro de 2010 
  44. a b Organização Meteorológica Mundial (OMM). «Tropical Cyclone Naming» (em inglês). Consultado em 26 de setembro de 2008 
  45. Bureau of Meteorology. «Tropical Cyclone Names» (em inglês). Consultado em 26 de setembro de 2008 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]