Teodora de Trebizonda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Teodora de Trebizonda
Imperatriz de Trebizonda
Reinado 12841285
Antecessor(a) João II
Sucessor(a) João II
Dinastia Mega Comneno
Nascimento Antes de 1253
Morte Depois de 1285
Filho(s) Não teve
Pai Manuel I de Trebizonda
Mãe Rusudan da Geórgia

Teodora Mega Comnena (em grego: Θεοδώρα Μεγάλη Κομνηνή; transl.: Theodōra Megalē Komnēnē) foi uma imperatriz reinante do Império de Trebizonda entre 1284 e 1285. Ela era filha do imperador Manuel I de Trebizonda com Rusudan, uma princesa da Geórgia[nota 1]. Michel Kuršanskis afirma que as evidências são insuficientes para determinar se Teodora era uma das princesas trebizondinas mencionadas na "Crônica do Bispo Estêvão" que teria se casado com um nobre ou o rei da Geórgia ou se ela teria sido uma freira — como foi o caso de Ana no século seguinte — antes de conseguir tomar o trono[2].

Em 1284, com a ajuda do rei georgiano da Imerícia (Imereti), David VI Narin, Teodora conseguiu tomar a coroa do meio-irmão, o imperador João II[3]. É possível que ele tenha se refugiado em Trípoli, na região do Ponto[4]. Logo depois, ela foi derrotada e João conseguiu retomar a coroa, mas ela conseguiu reinar por tempo suficiente para cunhar suas próprias moedas. Uma limitada variedade de áspro (aspron) de prata e nomisma de bronze são evidências de que ela foi a única imperatriz de Trebizonda a cunhar moedas[5].

Ver também[editar | editar código-fonte]

Teodora de Trebizonda
Nascimento: Antes de 1253 Morte: Depois de 1285
Títulos reais
Precedido por
João II
Imperatriz de Trebizonda
1284–1285
Sucedido por
João II

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Apesar de alguns estudiosos considerem que Rusudan seja a segunda esposa do imperador, Michel Kuršanskis defende que ela pode ter sido simplesmente uma amante[1]

Referências

  1. Kuršanskis, "L'usurpation de Théodora Grande Comnène", Revue des études byzantines, 33 (1975), pp. 198f
  2. Kuršanskis, "L'usurpation", p. 200.
  3. William Miller, Trebizond: The last Greek Empire of the Byzantine Era: 1204-1461, 1926 (Chicago: Argonaut, 1969), p. 30
  4. Kuršanskis, "L'usurpation", p. 203.
  5. Warwick Wroth, Catalogue of the Coins of the Vandals, Ostrogoths and Lombards and of the Empires of Thessalonica, Nicaea and Trebizond in the British Museum (London: Trustees of the British Museum, 1911), pp. lxxx, 277 tem apenas exemplos dos áspros; Otto Retowski, Die Muenzen der Komnen von Trapezunt, 1910 (Braunschweig: Klinkhardt & Biermann, 1974), pp. 132-134 tem os dois tipos.