Termocarste

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Termocarste (do alemão thermokarst) é um solo caracterizado por superfícies bastante irregulares repletas de cavidades alagadiças e pequenos hummocks formados pelo derretimento de permafrost rico em gelo, que ocorre em regiões árticas, e em menor escala em áreas montanhosas como os Himalaias e os Alpes Suíços. Essas superfícies esburacadas se assemelham àquelas formadas pela solução de algumas áreas de carste de calcário, sendo por isso que elas recebem a terminação "carste" mesmo na ausência de calcário. Pequenos domos que se formam nas superfícies devido ao criosolevamento no final do inverno são apenas formações temporárias. Eles então desabam com o início do derretimento no verão e deixa para trás uma pequena depressão no solo. Algumas lentes de gelo se expandem e formam grandes hummocks superficiais, que duram vários anos e às vezes são encobertas por gramíneas e capim, até que começam a derreter. Essas superfícies em domo acabam desabando eventualmente, ou anualmente ou em períodos de tempo mais longos, e formam depressões que contribuem para uma superfície irregular. Essas superfícies são incluídas na definição geral de termocarste.

O termo relacionado lago termocástico, também chamado de lago de derretimento ou lago escavado, refere-se a um corpo de água fresca, geralmente raso, que se forma em uma depressão pela água de derretimento de um permafrost em degelo.[1] Depressões são muitas vezes geradas pelo colapso do nível do solo associados ao derretimento do permafrost. Um degelo contínuo do permafrost pode conduzir a uma drenagem e eventual desaparecimento dos lagos termocársticos, tornando-os, nesses casos, fenômenos geomorfologicamente temporários.[2] Recentemente, lagos termocársticos tem se tornado cada vez mais comuns na Sibéria e outros ambientes de tundra.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Bucksch, Herbert. Dictionary Geotechnical Engineering. New York, Springer, 1997.
  2. Phillips, Marcia, Lukas U. Arenson, e Sarah M. Springman, eds. Permafrost. London, Taylor & Francis, 2003.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]