Terreiro Caxuté

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Comunidade Terreiro Caxuté
Tipo Espaço de Religião de Matriz Africana/ Bantu
Inauguração 1994 (22–23 anos)
Website https://comunidadecaxuteblog.wordpress.com/
Geografia
Localidade Rua da Graciosa, KM 11, Maricoabo - Valença,Bahia, Costa do Dendê
 Brasil

A Comunidade Terreiro Caxuté é um território de identidade bantu-ameríndia, que se constitui numa nzo terreiro de candomblé bantu fundado em 1994, pela sacerdotisa afro Maria Balbina dos Santos,[1] Mãe Bárbara de Cajaíba, Valença, Baixo Sul da Bahia, Costa do Dendê. Dentro da Comunidade Caxuté, são realizadas várias atividades afro-brasileiras e afro-ameríndia, tem a Escola Caxuté, a Associação Cultural e Religiosa (ACULTEMA). Tem como Nkisi (divindade) regente: Nlemba dia Nganga e Kitembu. Teve sua utilidade pública declarada pela lei municipal de Valença nº 2.257, de 1º de novembro de 2012. Está registrado na Federação Nacional do Culto Afro Brasileiro FENACAB, sob o número 3445.

A bênção no Caxuté

É justamente por entender a importância da autoafirmação como estratégia básica para manutenção da identidade e superação das desigualdades que o terreiro se constitui em um território que resguarda e atualiza um conjunto de sabedorias produzidas por sujeitos historicamente excluídos dos lugares oficiais de “poder”, onde se resguarda a ordem verticalizada a sociedade de consumo vigente. A Comunidade Caxuté vem ao longo dos últimos anos, construindo junto a uma série de parceiros, um conjunto de iniciativas que possibilite uma prática social e cultural para além da colonialidade, enraizada em uma cosmovisão construída e compartilhada pelos Povos e Comunidades de Terreiro oriundos da tradição Bantu, é neste sentido que propomos a realização da III Vivência Internacional na Comunidade Caxuté (VIVER TERREIRO). (2016, pag 1).[2]

Mãe Elvira, atual zeladora de Mãe Bárbara

História[editar | editar código-fonte]

Fundado em 1994 por Mãe Bárbara e por seu primeiro esposo, Irênio Querino Barbosa, juntamente com Mãe Mira (Almira da Conceição), da Rua dos Cajueiros, que fundamentou e sacralizou todo o espaço religioso. Inicialmente funcionou na Rua das Flores, em Valença, mudando-se depois, no ano de 2000 para a Rua da Graciosa onde encontra-se até hoje.

Calendário Anual[editar | editar código-fonte]

Méa Kambuká - Águas de Lemba de 1º à 16 de Janeiro

Mulheres Caxuté: Encontro de Mulheres e das Relações de Gênero (geralmente ocorre no mês de março).

Festa "Kizoomba Maionga" - Malunda Kitembu - de 6 à 10 de agosto.

ENAFRO - Encontro Afro Ecumênico da Comunidade Caxuté de 1 à 4 de dezembro.

Escola[editar | editar código-fonte]

A Escola Caxuté, é parte integrante da comunidade cultural religiosa, é a primeira Escola de Religião e Cultura de Matriz Africana do Baixo Sul da Bahia.

"A Escola Caxuté é um espaço educativo, onde jovens, adultos e crianças estão em constante interação na busca da melhor maneira possível de compreender o contexto de forma a melhor integrar-se na vida. O nosso grande desafio é possibilitar o acesso ao conhecimento oficial, buscando alternativas que permitam o desrecalque cultural e promovam a afirmação da nossa entidade cultural.

Pretendemos, como dizia Mãe Ondina, falecida Ialaxé na comunidade terreiro Ilê Axé Opô Afonjá, ver as crianças de hoje, amanhã com anel no dedo e aos pés de Xangô. No universo Nagô, Oxumaré, representado pelo arco –íris com sua multiplicidade de cores, emergindo da Terra em seu transcurso para o além, é o Orixá que expressa a variedade dos destinos, as diferentes qualidades do axé, força vital, a multiplicidade da vida e de seu conhecimento.

Hoje o nosso olhar para os mestres de capoeira, para as baianas de acarajé, para o samba de roda, para o zambiapunga, nos dá a certeza de que reavivar esses saberes, representa manifesto de resistência contra a violência das desigualdades. Procuramos atuar na interação das diferenças na busca do equilíbrio, da harmonia, da complementação. Para tanto buscamos uma educação baseada no apelo a todos os sentidos, onde as cores, sons, danças, roupas, culinária, banhos combinam-se na ação e expressão da elaboração, realização e comunicação de uma visão de mundo que ultrapasse os umbrais do texto."

CineCaxuté
Projeto Cinema de Terreiro
Criança do Caxuté
Criança do Caxuté

Associação representativa[editar | editar código-fonte]

Associação Cultural e Religiosa Terreiro Caxuté Tempo Marvila Senzala do Dendê - ACULTEMA

Vivências[editar | editar código-fonte]

Com a finalidade de integrar-se a diversos segmentos da sociedade o Terreiro Caxuté promove vivências.

  • A "Primeira Vivência Estadual Vivenciando a Comunidade Terreiro Caxuté" aconteceu em agosto de 2010; foi a primeira experiência em nível estadual, no Encontro de Educadores e Lideranças Quilombolas.
Momento de apresentação - 1ª Vivência Estadual
Samba no Rodão de dendê - 1ª Vivência Estadual
  • A Segunda "Vivência Nacional Vivenciando a Comunidade Caxuté" foi realizada em 2012 em parceria com diversas universidades federais e estaduais do Brasil, promovida pelo 55º Congresso Nacional de Estudantes de Agronomia - CONEA.
Vivência Nacional - 55º CONEA
Vivência Nacional -55º CONEA
  • Já a última foi a “Primeira Vivência Internacional”, com a participação de estudantes e professores da Unilab - Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira, no Terreiro Caxuté, em 09 e 10 de agosto de 2014. Nesse evento, com uma programação voltada para encontros com convidados especiais, mostra de vídeos, exposição fotográfica e oferta de iguarias da culinária afro-baiana, o Terreiro Caxuté comemorou duas décadas de existência. Nessa ocasião, foi possível integrar o ritual sagrado a uma roda de conversa com docentes e discentes da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-brasileira – Unilab, campus dos Malês. Em roda de conversa com a sacerdotisa afro Mãe Bárbara, adeptos do Candomblé, intelectuais e simpatizantes puderam saber um pouco mais sobre Ancestralidade, Memória, Educação e Resistência do Candomblé Angola Bantu - Terreiro Caxuté. Na ocasião, houve uma inspiradora exposição fotográfica intitulada “Nos corredores da fé: na intimidade da Comunidade Terreiro Caxuté,” autoria do fotógrafo francês Richard Mas.[3]
Depoimentos sobre a 1ª Vivência Internacional
"A minha participação na festa do Terreiro foi ótima. O ambiente era de harmonia, convivência, amor e reconhecimento dos valores das crenças tradicionais africanas. O preconceito que muitas pessoas têm sobre esta religião, o Candomblé, não tem relação direta com as práticas que vi e vivi durante a minha experiência na Festa de Maionga; é uma festa sagrada que valoriza as crenças tradicionais africanas e reconhece as raízes dos ancestrais. O que me marcou foi flexibilidade, a simpatia, a vontade incansável da lutadora Mãe Bárbara, que conseguiu reunir todos os participantes num ambiente muito agradável. Não tem melhor e nem pior religião no mundo. A fé determina a pessoa na sua escolha." (Leonel Vicente Mendes - Guiné-Bissau – graduando em Humanidades da Unilab)

[3]

"A minha experiência durante a “Festa da Maionga” é que o Candomblé não é assim como as pessoas falam e pensam que é uma religião do mal. Não é verdade, pois o que eu observei ao momento do culto são coisas normais. O que mais me encantou foi a Mãe Bárbara, uma mãe 100% acolhedora, honesta, simpática, e enfim uma mãe com coração puro, cheio de amor, que acolhe qualquer pessoa independente de sua religião" (Luís Fernandes Júnior - Guiné-Bissau – graduando em Humanidades da Unilab)

[3]

"Participar da Festa da Maionga, nos dias 9 e 10 de agosto deste ano, foi uma experiência singular. Pude conhecer uma comunidade que professa o Candomblé, pela primeira vez. A tradição religiosa a que pertenço (presbiterianismo) não vê com bons olhos as religiões africanas: no meio evangélico-protestante há forte tendência à demonização dessas manifestações. Experimentei uma convivência respeitosa e fraterna e pude testemunhar a força dos elos étnico-comunitários que alimentam sonhos e ideais da Comunidade Caxuté, que resiste, com vigor, aos preconceitos que os descendentes africanos sofrem, no Brasil." (Dr. Paulo Sérgio de Proença — professor da Unilab)

[3]

Visitas internacionais - Intercâmbios[editar | editar código-fonte]

  • Recebeu representantes do governo de Maputo, capital de Moçambique.
  • Recebeu o casal de pesquisadores norte americanos, Case Waktikns (doutorando no departamento de geografia e antropologia na Universidade da Louisiana (LSU) nos EUA)e da sua esposa, a cientista política Kristin (Cristina) Wylie que é doutoranda no departamento de governo (ciências políticas) na Universidade do Texas (UT-Austin) nos EUA, os quais pesquisaram em 2 meses sobre o uso do dendê no Terreiro Caxuté, para sua pesquisa de doutorado.
  • Recebeu o antropólogo português João de Pina Cabral, o qual gravou um documentário com Mãe Bárbara, chamado de "Estrada da Graciosa", que consta no acervo do Terreiro Caxuté.

Participações[editar | editar código-fonte]

Utilidade Pública[editar | editar código-fonte]

Utilidade Pública Municipal:

  • Lei Municipal nº 2.257 de 1º de dezembro de 2012. Diário Oficial do Município de Valença

Utilidade Pública Estadual:

  • Lei n º 13.292, publicada no Diário do Legislativo nº 21.627 do Estado da Bahia

Prêmios e reconhecimentos[editar | editar código-fonte]

Nota 100 no PRÊMIO CULTURAS AFRO-BRASILEIRAS - 2014 - Fundação Cultural Palmares[5]

Livros, monografia, artigos[editar | editar código-fonte]

  • Terreiro Caxuté, Um Caminho na minha vida, da autoria do pedagogo Gilberto Magalhães. Universidade Estadual da Bahia. 2011.
  • Mapeamento dos Espaços de Religião de Matriz Africana do Baixo Sul da Bahia, lançado pela SEPROMI.
  • Cotidiano e trabalho das marisqueiras e catadeiras de Valença-Ba (1960-2000), da autoria da Mestra Maria de Fátima Fernandes Brasão.
  • Mãe Mira: a Estrela Negra da Costa do Dendê. Monografia de autoria de Taata Luangomina para obtenção do título de Bacharel em Humanidades (UNILAB).
  • A Nzo e Nzambi.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre candomblé é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.