Teste de Rinne

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Teste de Rinne ou prova de Rinne é um exame clínico realizado para avaliar a audição. Ele compara a percepção dos sons transmitidos pelo ar ou através da condução óssea através do osso temporal (p. mastóide). Desta maneira, pode-se rapidamente suspeitar se uma pessoa tem perda auditiva condutiva.

Um teste de Rinne deve sempre ser acompanhado por um teste de Weber para também detectar perda auditiva neurossensorial e, desta maneira, confirmar a natureza da perda auditiva.

O teste de Rinne recebe este nome em homenagem ao otologista alemão Heinrich Adolf Rinne (1819-1868).

Realização[editar | editar código-fonte]

O teste de Rinne é realizado ao se colocar um diapasão vibrante (512 ou 256 Hz) no processo mastoide até que o som não seja mais ouvido pelo paciente. Em seguida, após o paciente confirmar que não escutou mais o som, o diapasão é colocado imediatamente ao lado do ouvido a ser testado. Num exame normal, o som é audível quando o diapasão é colocado ao lado do ouvido.

Em uma orelha normal, a condução aérea (CA) é melhor que a condução óssea (CO)

CA > CO, é conhecido como um teste de Rinne positivo

Na perda auditiva condutiva, a condução óssea é melhor que a aérea

CO > CA, é um teste de Rinne negativo

Na perda auditiva neurossensorial, a condução óssea e a condução aérea são igualmente diminuídas, mantendo uma relativa diferença de

CA > CO, sendo um teste de Rinne positivo

Em pacientes com perda auditiva neurossensorial, pode haver um teste de Rinne falso negativo

CO > CA, um Rinne negativo

Ver também[editar | editar código-fonte]