Tillandsia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaTillandsia
Tillandsia flabellata

Tillandsia flabellata
Classificação científica
Domínio: Eukaryota
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Liliopsida
Subclasse: Commelinidae
Ordem: Poales
Família: Bromeliaceae
Subfamília: Tillandsioideae
Género: Tillandsia
Espécies
Ver texto
Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Wikispecies Diretório no Wikispecies

Tillandsia L. é um género botânico pertencente à família Bromeliaceae, subfamília Tillandsioideae.

São plantas aéreas e a maioria habita as árvores e absorve seus nutrientes e umidade do ar, através de escamas prateadas. São mais de 400 espécies e é o género que apresenta o maior número de espécies espalhadas pelas Américas.

São encontradas em desertos, bosques e montanhas da América Central, América do Sul, México e sul dos EUA. No Brasil existem cerca de 40 diferentes espécies de Tillandsia.

O gênero Tillandsia foi nomeado por Carolus Linnaeus em 1738 em honra ao médico e botânico finlandês Dr. Elias Erici Tillandz (originalmente Tillander) (1640-1693).

Descrição[editar | editar código-fonte]

As espécies de Tillandsia são epífitas, ou seja, na natureza crescem sobre outras plantas, sem ser parasitas, geralmente em árvores. Algumas espécies são litófitas, crescem em rochas; outras desenvolvem-se em telhados, linhas de telefone, etc. Poucas espécies crescem diretamente na terra.

O gênero pode ser dividido em variedades "verdes" e variedades "cinzas":

Tillandsias verdes[editar | editar código-fonte]

As espécies verdes requerem um clima temperado-chuvoso e crescem geralmente na sombra, na terra ou sobre árvores. As variedades verdes carecem de tricomas.

Tillandsias Cinzas[editar | editar código-fonte]

Em contraste, quase todas as espécies de tillandsias cinzas crescem em áreas sub-úmidas ou sub-áridas com alta umidade atmosférica. Preferem o sol, por isso crescem nas partes mais altas do bosque ou em rochas. Muitas destas variedades são epífitas.

Como plantas que praticamente carecem de raizes tem uma forma de vida muito peculiar. Sua aparência cinza resulta do fato de seus talos e folhas estarem cobertas por pequenas escamas (tricomas), que são pêlos complexos produzidos pela epiderme das folhas e talos. Estas morrem e se enchem de ar, refletindo a luz.

Reprodução[editar | editar código-fonte]

As tillandsias se reproduzem - como outras bromélias - de duas maneiras:

  • Por polinização e produção de sementes. As tillandsias não se autofecundam, e o pólen deve ser captado de outra planta de mesma espécie.
  • Por brotação. A partir do talo da planta mãe nascem brotos que produzem novas plantas, geralmente após a floração. Estes podem ser destacados para crescerem isoladamente ou deixados junto a planta mãe para formarem uma colônia.

Cultivo e usos[editar | editar código-fonte]

Tillandsia é uma planta de interior de aspecto atraente, se desenvolvendo bem no interior de casas ou estufas. Não necessitam de solo, já que a água e os nutrientes são absorvidos atraves das folhas. A planta utiliza as raizes somente para fixação.

O cultivo da Tillandsia requer:

Tillandsia epífitas sobre uma árvore.
  • Luz: Preferem luz indireta ou difusa no verão e sol direto no inverno.
  • Ar: Ar fresco e de movimento suave.
  • Água: Preferem água de chuva, porém podem ser molhadas com água potável. No verão é necessário borrifá-las diariamente.
  • Temperatura. São muito sensíveis à temperaturas baixas. A temperatura ideal de manutenção é entre 32°C e 10°C.
  • Alimentação: Devem ser fertilizadas quinzenalmente com um adubo diluido.
  • Fixação: Devem ser fixadas em materiais de origem vegetal como madeira, troncos de árvores, xaxim, etc.
  • Floração: Após a floração é recomendavel permitir a criação e desenvolvimento dos brotos para a formação de uma colônia.

Sinonímia[editar | editar código-fonte]

Espécies[editar | editar código-fonte]

  • Tillandsia aeranthos (Loiseleur) L.B.Smith
  • Tillandsia albertiana F.Vervoorst
  • Tillandsia andreana E.Morren ex André
  • Tillandsia araujei Mez
  • Tillandsia argentea Grisebach
  • Tillandsia argentina C.H.Wright
  • Tillandsia boliviensis Baker
  • Tillandsia brachycaulos Schlechtendal
  • Tillandsia caerulea Kunth
  • Tillandsia caput-medusae E.Morren
  • Tillandsia cardenasii L.B.Smith
  • Tillandsia circinnatoides Matuda
  • Tillandsia crocata (E.Morren) Baker
  • Tillandsia cyanea Linden ex K.Koch
  • Tillandsia edithiae Rauh
  • Tillandsia fasciculata Swartz
  • Tillandsia filifolia Schlechtendal & Chamisso
  • Tillandsia funckiana Baker
  • Tillandsia globosa Wawra
  • Tillandsia himmotum

Híbridos[editar | editar código-fonte]

  • Tillandsia × floridana (L.B. Sm.) Luther (T. bartramii × T. fasciculata)
  • Tillandsia × smalliana Luther (T. balbisiana × T. fasciculata)

Classificação do gênero[editar | editar código-fonte]

Sistema Classificação Referência
Linné Classe Hexandria, ordem Monogynia Species plantarum (1753)

Galeria[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre a ordem Poales, integrado no Projeto Plantas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.