Tito Aurélio Fulvo, o Velho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com o seu filho Tito Aurélio Fulvo, o Jovem.
Tito Aurélio Fulvo
Cônsul do Império Romano
Consulado 85 d.C.

Tito Aurélio Fulvo (em latim: Titus Aurelius Fulvus), dito o Velho (em latim: Major) para diferenciá-lo de seu filho, foi um general romano aliado do então pretendente ao trono romano Vespasiano no ano dos quatro imperadores e depois cônsul por duas vezes. Foi avô por parte de pai do imperador Antonino Pio.

História[editar | editar código-fonte]

Tito Aurélio Fulvo nasceu em Nemauso, na Gália Narbonense, e ganhou experiência como legado da Legio III Gallica no oriente servindo sob o general Córbulo. Quando a legião foi transferida para a Mésia, em fevereiro de 69, Fulvo liderou-a numa vitória sobre 9 000 cavaleiros roxolanos na margem romana do Danúbio[1].

Foi neste período que Fulvo conseguiu convencer os exércitos ilírios a apoiarem Vespasiano e, como recompensa, foi convocado para a corte dele em Alexandria durante o período crítico entre a morte de Vitélio, em dezembro, e a partida de Vespasiano para Roma entre agosto e setembro do ano seguinte. Fulvo também foi cônsul sufecto nos primeiros anos do reinado de Vespasiano (não se sabe em que ano)[2] e foi promovido à classe patrícia (mesmo tendo nascido numa província)[3].

Como aliado de Vespasiano e de seus filhos, Fulvo também ocupou diversas posições importantes, mas apenas três são atestadas incontestavelmente: o governo da província da Hispânia Citerior[4], um segundo consulado em 85 (tendo Domiciano como colega)[5] e prefeito urbano. Lembrando que Fulvo era parte do "nexo hispano-narbonense" que emergiu no final do século I, o historiador Brian W. Jones observa que "Fulvo, como um consular sênior com ampla experiência, teria sido um membro indispensável da corte de Domiciano"[3].

Ver também[editar | editar código-fonte]

Cônsul do Império Romano
Vexilloid of the Roman Empire.svg
Precedido por:
'Domiciano X

com Caio Ópio Sabino
com Lúcio Júlio Urso (suf.)
com Caio Túlio Capitão Pomponiano Plócio Firmo (suf.)
com Caio Cornélio Galicano (suf.)

Domiciano XI
85

com Tito Aurélio Fulvo II
com Quinto Júlio Cordino Caio Rutílio Gálico II (suf.)
com Lúcio Valério Cátulo Messalino II (suf.)
com Marco Arrecino Clemente II (suf.)
com Lúcio Bébio Honorato (suf.)
com Públio Herênio Polião (suf.)
com Marco Ânio Herênio Polião (suf.)
com Décimo Abúrio Basso (suf.)
com Quinto Júlio Balbo (suf.)
com Caio Sálvio Liberal Nônio Basso (suf.)

Sucedido por:
'Domiciano XII

com Sérvio Cornélio Dolabela Petroniano
com Caio Sécio Campano (suf.)
com Quinto Víbio Segundo (suf.)
com Sexto Otávio Frontão (suf.)
com Tibério Júlio Cândido Mário Celso (suf.)
com Aulo Búcio Lápio Máximo (suf.)
com Caio Otávio Tídio Tossiano Lúcio Javoleno Prisco (suf.)


Referências

  1. Brian W. Jones, The Emperor Domitian, (London: Routlege, 1993), pp. 51f
  2. Paul Gallivan, "The Fasti for A. D. 70-96", Classical Quarterly, 31 (1981), pp. 199f
  3. a b Jones, Emperor Domitian, p. 52
  4. Werner Eck, "Jahres- und Provinzialfasten der senatorischen Statthalter von 69/70 bis 138/139", Chiron, 13 (1983), p. 196
  5. Gallivan, "The Fasti", p. 190

Ligações externas[editar | editar código-fonte]