Tito Paris

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde janeiro de 2017)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Tito Paris
Tito Paris.jpg
Tito Paris na festa do 35º aniversário da independência de Cabo Verde.
Informação geral
Nome completo Aristides Paris
Nascimento 30 de maio de 1963 (54 anos)
Origem Mindelo
País Cabo Verde Flag of Cape Verde.svg
Gênero(s) Música popular
Instrumento(s) voz, baixo, bateria
Período em atividade 1982 - presente

Tito Paris, nome artístico de Aristides Paris ComM (Mindelo, Cabo Verde, 30 de maio de 1963), é um músico, compositor e cantor cabo-verdiano, radicado em Lisboa. É um dos maiores responsáveis pela divulgação da música das ilhas da Morabeza pelo mundo, além de uma figura de relevo da comunidade africana na capital.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nasce no seio de uma família dedicada à música.  Aprendeu os primeiros acordes na guitarra com a sua irmã, foi tocando com os irmãos e com o primo Bau, que também se viria a tornar célebre e recebeu a influência de músicos como o clarinetista Luís Morais e o pianista Chico Serra. Aos 19 anos, ruma a Lisboa, a convite de Bana, para integrar a sua banda “A Voz de Cabo Verde”. 

Já em Lisboa, cedo começa a conquistar o seu espaço então na florescente cena da capital portuguesa, ao acompanhar Bana, Dany Silva, Paulino Vieira, Paulo de Carvalho, Celina Pereira e Vitorino Salomé. Como compositor, começa a escrever para vários artistas como Bana e Cesária Évora e é aí que começa a seguir uma carreira em nome próprio. Aos poucos, torna-se num dos maiores embaixadores da música de Cabo Verde em Portugal.

Em 1987, lança e produz o seu primeiro álbum, “Fidjo Maguado”, um trabalho que destaca principalmente o seu virtuosismo à guitarra e mais tarde, em 1994, grava o disco "Dança Ma Mi Criola”, pela editora MB Records de Boston, EUA. Em 1996, “Graça de Tchega”, o seu terceiro disco de originais, leva-o a atuar um pouco por todo o mundo e a promover a sua música e a de Cabo Verde. Em 2002, regressa a estúdio e lança “Guilhermina”. A sua música torna-se sinónimo das pontes culturais entre o mundo lusófono, o semba e a coladeira juntam-se à sua voz rouca e que chega agora um pouco a todos os quatro cantos do mundo. 

Em 2012, comemoraram-se os seus 30 anos de carreira, com um grande concerto em Roterdão, com a Orquestra Metropolitana da Holanda, com o lançamento de uma fotobiografia acompanhada de documentário, com um concerto esgotado no Coliseu dos Recreios de Lisboa e ainda a atribuição da medalha da cidade de Lisboa.

Em 2017, é um dos maiores marcos culturais de Cabo Verde. As pontes que tem criado entre os países de língua portuguesa levaram-no a ser agraciado com o grau de Comendador da Ordem do Mérito pelo Presidente Marcelo Rebelo de Sousa, em 6 de abril de 2017.[1] O ano fica ainda marcado pelo regresso do músico aos discos, com o lançamento do álbum  “Mim ê Bô” que conta com a participação especial do falecido rei da morna Bana, com Boss AC e o músico brasileiro Zeca Baleiro.

Discografia[editar | editar código-fonte]

1987

Fidjo Maguado

  1. Noti di Mindel
  2. Sês Odjos é Pret é Doce
  3. Grit D` Povo
  4. Ponto do Sol
  5. Papa Juquim Paris
  6. Serenata
  7. Fidjo Maguado
  8. Hora de Bai
  9. DISPIDIDA
  10. Mi Na Mei Di Mar
  11. Sabino Largáme
  12. Carnaval Dintintaçon
  13. Quem Bo é
1994

Dança Ma Mi Criola

  1. O Pretinha
  2. Dança ma mi Criola
  3. Estrela Linda
  4. Regresso
  5. Vitor
  6. Coregem Ermum
  7. Otilia Otilio
  8. Curti Bo Life
  9. Day Amor
  10. Mae Querida
  11. Nina
  12. Contam Bo Dor
1996

Graça De Tchega

  1. Um Ten Graca De Tchega
  2. No Intende
  3. Joana Rosa
  4. Preto E Mi
  5. Rainha Estrela
  6. Marina
  7. Mar Di Ilheu
  8. Kantador
  9. Um Cria Ser Un Poeta
  10. Cartinha D'holanda
  11. Um Paixao
1998

Ao vivo no B.Leza

  1. Nhor Deus
  2. O Pretinha
  3. Mar Di Ilheu
  4. Verdeaninha
  5. Curti Bo Life
  6. Mae Querida
  7. Marina
  8. Sodade
  9. Um Ten Graça De Tchega
  10. Dança Ma Mi Criola
1999

Ao Vivo

  1. Luanda
  2. Ódio e Pobreza
  3. Rosa Engeitada
  4. Boa Viagem
  5. Raposódias de Mornas
    1. Verdianinha
    2. Estrela di nha Peito
    3. Nha Terra
  6. Tudo sis Nome
  7. Anjo Negra
  8. 80 Mil Odioso
  9. Cartinha D`Holanda
  10. Mãe Querida
2002

Guilhermina

  1. Guilhermina
  2. Um Gostá Di Bô
  3. Rosto Di Morena
  4. Era Um Sonho
  5. Na Caminho Di Sandomingos
  6. Ondas Di Bô Corpo
  7. Criolo Ca Tem Patron
  8. Padoce Di Ceú Azul
  9. Febri Di Funáná
  10. Elisa Gomara Saia
2005

Acústico

(Edição Africana)

  1. Morna PPV
  2. Nha Sina
  3. Ondas di bô Corpo
  4. Que vida (inédito)
  5. Um gosta di bô
  6. Victor
  7. Estrela Linda
  8. Otilia/Otilio
  9. Sodade
  10. Poema Tropical
  11. Clarisse (com Paulo Flores)
  12. Febre di Funana
2007

Acústico

(Edição Europeia)

  1. Morna PPV
  2. Nha Sina
  3. Ondas di bô Corpo
  4. Que vida
  5. Victor
  6. Estrela Linda
  7. Otilia/Otilio
  8. Sodade
  9. Poema Tropical
  10. Febre di Funana
  11. Tchapeu di Padja
  12. Xandinha
  13. Galo Bedjo
2017 Mim ê Bô

Referências

  1. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Aristides Paris". Presidência da República Portuguesa (Ordens Honoríficas Portuguesas). Consultado em 15 de fevereiro de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Tito Paris