Tomás Maldonado

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Tomás Maldonado
Nascimento 25 de abril de 1922
Buenos Aires
Morte 26 de novembro de 2018 (96 anos)
Milão
Residência Buenos Aires, Ulm, Milão, Londres, Bolonha, Princeton
Cidadania Argentina
Ocupação pintor, filósofo, designer industrial, professor, designer, teórico da arte
Prêmios
  • Cavaleiro Grã-Cruz da Ordem do Mérito da República Italiana
Empregador Universidade de Bolonha, Politecnico di Milano
Causa da morte pneumonia

Tomás Maldonado (Buenos Aires, 25 de abril de 1922Milão, 26 de novembro de 2018) foi um pintor, designer, filósofo e professor argentino.[1]

Começou a ensinar em 1955 na escola "Hochschule für Gestaltung Ulm" (HfG-Ulm — Escola de Ulm) na Alemanha, a convite do fundador e seu primeiro director Max Bill, cargo que Tomás Maldonado assumirá entre 1964 e 1966.

É considerado um dos principais fundadores do "Modelo de Ulm", doutrina que ainda exerce influência em todas as escolas de design industrial, por todo o mundo.

Biografia[editar | editar código-fonte]

A sua formação académica iniciou-se na Escuela Nacional de Bellas Artes Prilidiano Pueyrredon (IUNA) em Buenos Aires, iniciando aqui o seu percurso assente na defesa de uma abstracção ponderada e racional.

Em 1946 foi publicado na revista Arte Concreto-Invención, em Buenos Aires, o Manifesto Invencionista[2] assinado por Tomás Maldonado, Jorge Brito, Alfredo Hlito, e Claudio Girola. Nele é reafirmado o fim da arte como representação e ilusão, e que "a estética científica substituirá a milenar estética especulativa e idealista.[3][4]

Em 1948 conhece Max Bill; seis anos depois é convidado a leccionar na Hochschule für Gestaltung Ulm (HfG).

De 1955 a 1967, lecciona design na Escola de Ulm (Hochschule für Gestaltung Ulm), Alemanha. De 1964 a 1966, é reitor desta mesma instituição.

Em 1965 é Lethaby lecturer do Royal College of Arts de Londres. Em 1966 é nomeado membro do Council of Humanities da Universidade de Princeton (EUA), onde ensinará entre 1967 e 1970.

De 1966 a 1969, torna-se presidente da comissão executiva do ICSID. De 1976 a 1984, foi professor de Design Ecológico (Environmental Design) primeiro na Faculdade de Letras e Filosofia da Universidade de Bolonha, depois, entre 1984 e 1987 na Faculdade de Arquitectura do Politécnico de Milão.

De 1977 a 1981 foi diretor da revista italiana de arquitectura Casabella.

Obra[editar | editar código-fonte]

Citações[editar | editar código-fonte]

"O engenheiro trabalha com o quilômetro, o arquiteto com o metro, o designer com o centímetro".

Trabalhos selecionados[editar | editar código-fonte]

  • Ulm, Science and Design (1964)
  • La Sperenza Progettuale (1970); Eng. trans .: Design, Nature, and Revolution: Toward a Critical Ecology (1972, 2019)
  • A arquitetura é um texto?
  • Rumo a um Racionalismo Ecológico
  • Técnica e Cultura, o debate alemão entre Bismarck e Weimar
  • O Heterodoxo (1998)

Referências

  1. «Murió el artista argentino Tomás Maldonado, paladin del arte concreto y científico del diseño» (em espanhol). La Nación. 26 de novembro de 2018. Consultado em 26 de novembro de 2018 
  2. Cultural, Instituto Itaú. «Enciclopédia Itaú Cultural». Enciclopédia Itaú Cultural. Consultado em 26 de abril de 2021 
  3. Enciclopédia Itaú Cultural - Artes visuais
  4. designboom.com (em inglês)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Documentos sobre Tomás Maldonado no arquivo digital do Projeto de Documentos do ICAA, Museum of Fine Arts, Houston