Tom Parker

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Tom Parker
Nome nativo Andreas Cornelius van Kuijk
empresariar o cantor Elvis Presley
Nascimento 26 de junho de 1909
Breda, Brabante do Norte
 Países Baixos
Morte 21 de janeiro de 1997 (87 anos)
Las Vegas, Estados Unidos
Sepultamento Las Vegas
Cidadania Reino dos Países Baixos, Estados Unidos
Ocupação empresário
Causa da morte acidente vascular cerebral

"Colonel" Tom Parker (pseudônimo de Andreas Cornelius van Kuijk; Breda, 26 de junho de 1909Las Vegas, 21 de janeiro de 1997) foi um empresário do ramo da música, se tornando conhecido mundialmente por ser o agente de Elvis Presley de 1955 até 1977.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Durante a década de 1930, o coronel trabalhava com o "Royal American Shows", um circo que viajava pelos Estados Unidos e até mesmo o Canadá em um trem particular que continha aproximadamente 70 vagões. Existem algumas divergências do que realmente ele fazia: alguns afirmam que o coronel vendia algodão doce e maçãs caramelizadas, no entanto, outros afirmam que ele era como um administrador da companhia, um trabalho de muita responsabilidade para alguém que na época tinha vinte e poucos anos. Podemos dizer que a escola de Tom Parker foi o circo, onde aprendeu, de certa forma, a manipular o público. Reza a lenda que Tom aplicou conceitos de rapport e persuasão na proposta artística de Elvis, o quele ele chamava de "Artistic PIN" (Performance-Interpretation-Naturalness), ele acreditava que somente o talento musical não era o bastante, que Elvis tinha que ser um artista completo, além de cantar bem, teria que dominar a arte da interpretação.

Antes de Elvis, Tom Parker cuidou da carreira do famoso cantor country americano Eddy Arnold, entre 1944 e 1953. A patente de "Coronel" é um título honorário, que lhe foi concedido por Jimmie Davis, então governador da Louisiana no ano de 1948. Segundo alguns historiadores e fãs de Elvis, o relacionamento dos dois era estritamente profissional e nada além disso, nunca foram íntimos, conversavam na maioria das vezes para falar da carreira artística de Elvis. Quando da ida de Elvis ao exército em 1958, a qual teria sido uma ideia de Tom Parker, Elvis nunca foi visitado pelo seu empresário, tudo isso devido a sua controversa identidade. Tom Parker é criticado por alguns fãs por não permitir que Elvis fizesse shows fora dos Estados Unidos, com exceção de cinco shows em 1957 no vizinho Canadá. No entanto, outros afirmam que Parker foi importante na divulgação de Elvis para o mundo, para que assim, todos conhecessem o talento do menino do sul dos EUA que viraria um mito.

Referências

  1. «Tom Parker». Encyclopædia Britannica Online (em inglês). Consultado em 18 de agosto de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]